Como estudar em Portugal com a nota do Enem

São 22 convênios entre o Brasil e universidades portuguesas. Estudantes podem participar da seleção uma vez por semestre

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/06/2017 18:46 / atualizado em 09/06/2017 18:59

Devido a um acordo firmado em 2014 entre o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e o Ministério da Educação português, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) se tornou uma forma de ingresso de brasileiros em universidades portuguesas. Atualmente são 22 convênios interinstitucionais que aceitam a nota do exame como critério de ingresso.

Gabriela Gomes Toledo, 18 anos, é uma das brasileiras que vai estudar psicologia na Universidade de Coimbra . Ela conheceu o programa em uma palestra no colégio Marista, onde se formou em 2016, e resolveu tentar.  “Eu entrei no site em 30 de janeiro e vi que era para se inscrever até o dia seguinte. Não achei que ia passar na seleção, mas tentei e deu certo”, conta.

A estudante obteve a resposta em 8 de fevereiro, período em que estava matriculada no primeiro semestre do curso de administração na Universidade de Brasília (UnB). Mesmo com uma vaga no Brasil, Gabriela decidiu experimentar a oportunidade. “Vou trancar o semestre na UnB. Não sei se fico os cinco anos do curso, mas passo pelo menos seis meses, que eu acho que é o tempo de adaptação. Se eu quiser voltar, retomo o curso de administração”, diz.

Sobre o desempenho na prova, a jovem explica “Foi o meu segundo exame. O primeiro foi para treinar no segundo ano. Meu desempenho foi em torno de 700 pontos nas áreas de conhecimento, e 800 na redação”. Tanto o processo de inscrição, quanto de matrícula na universidade foram feitos on-line. Com o apoio dos pais, ela planeja ir para Portugal na última semana de agosto. “Minhas expectativas estão muito altas, acho que será incrível”, relata sobre o que espera do semestre de estudos.

Critérios de seleção

Para participar do programa, os candidatos devem apresentar o mínimo de 500 pontos na redação e ao menos 475 pontos nas demais áreas da prova. As oportunidades nas instituições são variadas, em cursos de áreas como artes, comunicação, ciências sociais, educação, meio ambiente, saúde, economia, administração, engenharia, entre outras, a depender de cada instituição de ensino.

O apoio familiar também é um diferencial, pois mesmo que o convênio seja com universidades públicas, as instituições portuguesas cobram taxas anuais e de matrícula, que em geral variam de 2 mil euros (R$ 6.592,80) e a 3,5 mil euros (R$ 11.537,40).

O próximo processo seletivo para ingressos em instituições portuguesas está previsto para ocorrer em julho, com data ainda não definida. Conheça as instituições que participam do convênio:

Universidade de Coimbra
Universidade de Algarve
Instituto Politécnico de Leiria
Instituto Politécnico de Beja
Instituto Politécnico do Porto
Instituto Politécnico de Portalegre
Instituto Politécnico do Cávado e do Ave
Instituto Politécnico de Coimbra
Universidade de Aveiro
Instituto Politécnico de Guarda
Universidade de Lisboa
Universidade do Porto
Universidade da Madeira
Instituto Politécnico de Viseu
Instituto Politécnico de Santarém
Universidade dos Açores
Universidade da Beira Interior
Universidade do Minho
Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário
Universidade Lusófona
Instituto Politécnico de Setúbal
Instituto Politécnico de Bragança