Após transferir dinheiro por engano, aluna da UnB recebe valor de volta

A estudante pretendia transferir R$ 955 para a conta poupança, mas errou um dígito. Por meio das redes sociais ela conseguiu encontrar o desconhecido que recebeu o valor por engano e ele devolveu a quantia imediatamente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/07/2017 18:08 / atualizado em 11/07/2017 18:11

Depois de uma semana estressante na faculdade, a estudante da Universidade de Brasília (UnB) Yara Oliveira, 25 anos, quase perdeu a renda do mês após cometer um deslize ao transferir R$ 955 da sua conta para outra pessoa. Na sexta-feira (7/7), a jovem pretendia passar o dinheiro da assistência estudantil da universidade para a poupança, mas acabou colocando um dígito a mais na operação e o dinheiro foi parar na conta de Junio Cezar dos Santos. 

Após perceber o erro, a estudante relata que a única solução encontrada no momento foi procurar o homem nas redes sociais, na esperança de conseguir achá-lo e resolver o problema. “Eu sabia que, se deixasse para o banco resolver, a situação demoraria, principalmente porque era uma sexta à noite. Foi então que eu decidi procurar eu mesma e mandei mensagem para os cinco homens que encontrei”, conta. 

Yara relata que não conseguiu dormir à noite, pois o único pensamento que lhe vinha à mente era se a pessoa devolveria o dinheiro. A jovem morava em Santa Rita de Cássia, cidade no interior da Bahia, quando decidiu vir para Brasília, em 2012, para estudar.  No 10º semestre do curso de serviço social, ela trabalha alguns finais de semana como babá, mas a principal fonte de renda é a bolsa de assistência estudantil. 

Na manhã seguinte, dois homens lhe responderam no Facebook. Um afirmava que não era ele, o outro falou que ia conferir, até que, momentos depois, Junio confirmou que o dinheiro estava com ele. “Ele simplesmente pediu minha conta e disse que transferiria de volta na hora. Eu fiquei muito surpresa, estava sem esperanças, pressentindo o pior. Até agora não sei como agradecê-lo”, disse a estudante, que foi ressarcida imediatamente.
 
* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer