INCLUSÃO

Laboratório de Apoio ao Deficiente Visual retoma pleno funcionamento na UnB

LDV volta a atender a comunidade discente a partir deste semestre

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/08/2017 22:40 / atualizado em 25/08/2017 22:47

Luís Gustavo Prado

"É na ponta dos dedos que a Viviane encontra um mundo para viajar", conta Maria do Amparo Santos, mãe da estudante de Letras – Tradução da Universidade de Brasília Viviane Santos, sobre a experiência de leitura da filha. Com sorriso no rosto, ela comemora a reativação do Laboratório de Apoio ao Deficiente Visual (LDV) da Faculdade de Educação (FE). Com a medida, universitários com deficiência visual passam a contar, já neste semestre, com apoio especializado e outros recursos inclusivos para seu desenvolvimento acadêmico.


Localizado no Bloco 5 da Faculdade de Educação, o LDV dispõe de uma impressora em braille e dez computadores com softwares ledores – programas que transformam as informações textuais para o formato de áudio. As atividades do laboratório foram interrompidas durante alguns semestres por falta de equipe e de condições de infraestrutura necessárias à prestação do serviço.

A diretora da FE, Lívia Borges, explica que, durante esse tempo, a unidade permaneceu prestando outros serviços voltados à educação inclusiva, como as atividades de ensino e de pesquisa na área. Hoje, ela comemora a retomada das atividades do laboratório e acrescenta que a unidade deve inaugurar, nos próximos dias, um Laboratório de Libras. "A Faculdade de Educação tem uma expertise na área de educação especial e educação inclusiva desde a sua fundação. Restabelecer o pleno funcionamento do LDV e inaugurar mais um espaço fortalece a atuação inclusiva da faculdade”, afirma a diretora.

APERFEIÇOAMENTO

O curso de extensão Introdução ao Sistema Braille, realizado entre 31 de julho e 4 de agosto na Faculdade de Educação, integrou as atividades de reativação do Laboratório de Apoio ao Deficiente Visual. Docentes, técnicos e estudantes da UnB que atuam no local participaram do treinamento. “Foi um marco importante no processo de reorganização do LDV, capacitando a equipe para leitura, escrita e transcrição de textos em braille”, comenta Sinara Zardo, docente da FE e coordenadora do laboratório.


Aluna do 8º semestre de Pedagogia, Cleonara dos Santos Pereira foi selecionada no Programa de Iniciação Científica da UnB e passou a integrar a equipe do LDV. Ela conta que já cursou duas disciplinas na graduação sobre educação para pessoas com necessidades especiais. “Minha bandeira é a luta do direito de todos à educação. Pessoas com deficiência têm esse direito garantido na lei, mas, na prática, infelizmente, ainda falta muito”, avalia.

INCLUSÃO ACADÊMICA

De acordo com a coordenadora Sinara Zardo, atualmente, há 22 estudantes cegos ou com baixa visão cadastrados no Programa de Apoio às Pessoas com Necessidades Especiais (PPNE) da UnB. Levantamento feito pelo programa aponta que grande parte destes estudantes, especialmente os de Letras, têm como demanda prioritária a disponibilização de material em braille.


Luís Gustavo Prado

“Formar nossa equipe para o domínio no sistema braille é fundamental para promover acessibilidade e garantir a permanência desses estudantes na Universidade”, enfatiza Sinara Zardo. Ela antecipa que, em breve, haverá nova capacitação, realizada em parceria com a Biblioteca Digital e Sonora da UnB. Além de produzir material em braille e em caracteres ampliados, o LDV planeja elaborar material digital acessível e conteúdo em áudio.

O laboratório também atuará junto aos tutores de estudantes com deficiência visual. “Os tutores cadastrados no PPNE receberão treinamento e terão nosso suporte para adaptação de materiais”, informa a coordenadora. A proposta é também ofertar cursos para o público acadêmico e para a comunidade externa, visando à formação de apoio especializado às pessoas cegas ou com baixa visão.

Coordenadora da área de educação especial da Faculdade de Educação, Amaralina Miranda de Souza comemora a retomada das atividades do LDV. “Esta é uma medida importante para garantir o apoio acadêmico a estudantes com deficiência visual, direito já previsto em resoluções do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da Universidade”, lembra. Segundo a professora, nos próximos meses, a FE irá fornecer uma cartilha destinada a auxiliar os docentes da UnB no atendimento aos estudantes com necessidades especiais.

Veja também:

>> Iniciativas da UnB apoiam estudantes com deficiência


ATENÇÃO

As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.