FRAUDE

Reitor da UFSC é preso em investigação de fraudes em recursos públicos

Repasses à instituição chegam a R$ 80 milhões

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/09/2017 15:53 / atualizado em 14/09/2017 17:09

 A Polícia Federal (PF) prendeu nesta quinta-feira (14) o reitor da Universidade Federal de Santa Catatina (UFSC), Luiz Carlos Cancellier de Olivo, e outras seis pessoas por suspeita de esquema criminoso que agia na aplicação de recursos públicos à instituição. A operação intitulada Ouvido Moucos é uma ação conjunta da PF com o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU).


Cerca de 100 policiais federais, divididos em 23 equipes, cumprem mandados judiciais expedidos pela 1ª Vara da Justiça Federal no estado, sendo 14 mandados de busca e apreensão, sete mandados de prisão temporária e cinco mandados de condução coercitiva, além de determinar o afastamento de duas pessoas das funções públicas que exercem.

Os mandados estão sendo cumpridos em Florianópolis, Brasília e Itapema, município do interior do estado. As investigações começaram a partir de suspeitas de desvio no uso de recursos públicos em cursos de Educação a Distância oferecidos pelo programa Universidade Aberta do Brasil (UAB). Os repasses totalizam um montante no valor estimado de R$ 80 milhões.

Os indícios sob investigação apontam que professores, empresários possivelmente ligados às fraudes,  além de outros funcionários da instituição e de fundações parceiras, tenham atuado em conjunto para desviar bolsas e verbas de custeio UAB. Em alguns casos, bolsas de tutoria foram concedidas até mesmo a pessoas sem qualquer vínculo com as atividades acadêmicas. A fiscalização também identificou casos de direcionamento de licitação por meio do uso de empresas de fachada na produção de falsas cotações de preços de serviços, especialmente para a locação de veículos.