SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Estudo sobre uso de castanha na prevenção do Alzheimer vence prêmio Jovem Cientista

Vencedores da premiação foram anunciados nesta quinta-feira (21) em cerimônia em Brasília. Tema deste ano foi Segurança alimentar e nutricional

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/05/2015 12:23 / atualizado em 21/05/2015 14:35

Juliana Espanhol

Ana Rayssa/Esp. CB/DA Press
Uma castanha-do-brasil por dia pode manter idosos longe do mal de Alzheimer. O maior consumo de selênio – presente em altas concentrações na oleaginosa e deficitário na maioria dos participantes da pesquisa – foi capaz de melhorar o desempenho dos idosos em testes cognitivos. A descoberta da pesquisadora Bárbara Cardoso, da Universidade de São Paulo (USP), lhe rendeu o 1º lugar na categoria mestre e doutor na 18º Prêmio Jovem Cientista, cujo tema do ano foi segurança alimentar e nutricional. Os vencedores da premiação foram divulgados na manhã desta quinta-feira (21) na sede do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em Brasília. O prêmio também reconhece pesquisadores de ensino superior e médio.

Com a vitória, Bárbara ganha R$ 35 mil. A doutora em nutrição experimental participou da cerimônia via internet. No momento, ela está na Austrália para continuar seus estudos no Centro de Pesquisa Neurológica da Universidade de Melbourne. “O prêmio é de grande valia e vai me dar mais força para continuar na pesquisa. Com o estudo, descobrimos que a recuperação da deficiência desse mineral é capaz de produzir melhoras importantes em testes cognitivos entre idosos que não tinham mal de Alzheimer. Acredito que encontrar um benefício como esse pelo simples consumo de um alimento aproxima a população da ciência”, disse. Além de prêmios em dinheiro, os vencedores recebem bolsas de estudo do CNPq, e os primeiros colocados de cada categoria participarão da reunião anual da Sociedade Brasileira para o progresso da Ciência (SBPC), que será realizada em julho na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Paulo.

Segunda colocada na categoria mestre e doutor, Camila Carvalho desenvolveu um sistema de avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) para municípios do estado do Rio de Janeiro. Ela é mestre em alimentação, nutrição e saúde pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). “A ferramenta inclui um total de 88 indicadores. Acredito que ela poderá ser discutida e aplicada em outros contextos com o objetivo de avaliar e aumentar a qualidade da merenda escolar”, afirmou. Na 3ª colocação da mesma categoria está Fernanda dos Santos, cuja pesquisa tratou do uso de recursos dietéticos na prevenção e tratamento de doenças. O estudo da jovem desenvolvou pães para pessoas com doença celíaca que tinham mais fibras e proteínas do que os produtos disponíveis no mercado. Ela acaba de concluir mestrado na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Elas receberão R$ 25 mil e R$ 18 mil pelas pesquisas, respectivamente.

Ensino superior e médio

O estudante de arquitetura e urbanismo Deloan Perini ficou em 1º lugar na categoria destinada a alunos do ensino superior, com prêmio de R$ 18 mil. Ele desenvolveu um modelo de agricultura urbana na cidade de Erechim (RS), onde estuda na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Ele mapeou 144 lotes ociosos na cidade, com potencial para se transformarem em hortas urbanas, que produziriam alimentos orgânicos. “Muitos dos locais que foram identificados eram usados como depósitos de lixo e estacionamentos informais. Ocupar esses espaços com hortas melhora a qualidade de vida das pessoas, aproxima a comunidade e reduz desperdícios produzidos pelas longas distâncias entre produtor e consumidor”, explicou.

A partir de casos de repercusão nacional sobre adulteração de leite, a estudante de ensino médio Joana Pasquali se motivou a pesquisar uma forma de prevenir o consumo de produtos impróprios. A solução encontrada pela aluna do colégio Mutirão de São Marcos, de São Marcos (RS), foi a produção do Detectox – uma fita de filtro de café embebido em reagentes que indicam substâncias como formol, hidróxido de sódio e amido. Caso a presença das substâncias seja identificada, a fita muda de cor. “Se o próprio consumidor consegue identificar se está consumindo um produto adulterado, as empresas terão menos poder para fazer esse tipo de processo”, disse. Como prêmio para a 1ª colocação na categoria para estudantes de ensino médio, a aluna ganhará um laptop.

O presidente do CNPq, Hernan Chaimovich, ressaltou a importância do prêmio deste ano durante a cerimônia. “A segurança alimentar e nutricional é um direito e uma questão de soberania nacional. Todos têm direito a alimentos em quantidade e qualidade suficientes para uma vida saudável”, disse. Nesta edição, mas de 1,9 mil pesquisas concorreram aos prêmios. Pelo site da premiação, foram disponibilizadas webaulas sobre os assuntos. O conteúdo, gratuito, estará disponível até o fim do ano. O Prêmio Jovem Cientista é uma iniciativa do CNPq, em parceria com a Fundação Roberto Marinho, e conta com patrocínio da Gerdau e da BG Brasil.

Confira abaixo a lista completa de vencedores deste ano

CATEGORIA MESTRE E DOUTOR

1º LUGAR- BÁRBARA RITA CARDOSO
Instituição: Universidade de São Paulo (USP) - São Paulo, SP
Orientador: Silvia Maria Franciscato Cozzolino
Título da pesquisa: Efeitos do consumo de castanha-do-brasil (Bertholetia excelsa H.B.K.) sobre a cognição e o estresse oxidativo em pacientes com comprometimento cognitivo leve e a relação com variações em genes de selenoproteínas

2º LUGAR - CAMILA MARANHA PAES DE CARVALHO
Instituição: Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - Rio de Janei­ro, RJ
Orientador: Inês Rugani Ribeiro de Castro
Título da pesquisa: Proposta de avaliação do Programa Nacional de Alimen­tação Escolar (PNAE) para municípios do estado do Rio de Janeiro

3º LUGAR - FERNANDA GARCIA DOS SANTOS
Instituição: Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Santos, SP
Orientador: Vanessa Dias Capriles
Título da pesquisa: Nutrição nas enfermidades agudas, crônicas e degenera­tivas: o uso de recursos dietéticos na prevenção e tratamento de doenças
 
CATEGORIA ESTUDANTE DO ENSINO SUPERIOR

1º LUGAR- DELOAN EDBERTO MATTOS PERINI
Instituição: Universidade Federal da Fronteira do Sul (UFFS) - Erechim, RS
Orientador: Marcela Alvares Maciel
Título da pesquisa: Modelo de agricultura urbana como inovação no processo de abastecimento de alimentos em cidades de pequeno porte

2º LUGAR- DAVI BENEDITO OLIVEIRA
Instituição: Universidade Federal de Itajubá (Unifei) - Itajubá, MG
Orientador: Álvaro Antônio Alencar de Queiroz
Título da pesquisa: Biossensores nanoestruturados para a monitoração da qualidade do pescado

3º LUGAR - KAMILA RAMPONI RODRIGUES DE GODOI
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) - Campinas, SP
Orientador: Ana Paula Badan Ribeiro
Título da pesquisa: Avaliação da incorporação de fitoesteróis livres e esterificados como agentes estruturantes em bases lipídicas para aplicação em alimentos

CATEGORIA ESTUDANTE DO ENSINO MÉDIO

1º LUGAR- JOANA MENEGUZZO PASQUALI
Instituição: Colégio Mutirão de São Marcos - São Marcos, RS
Orientador: Andréia Michelon Gobbi
Título da pesquisa: Detectox - Kit detector de substâncias tóxicas no leite UHT

2º LUGAR- MOISES LOPES RODRIGUES
Instituição: Escola Estadual de Ensino Médio Rui Barbosa - Tucuruí, PA
Orientador: Paulo Sérgio Melo das Chagas
Título da pesquisa: Uso de resíduos de peixe como fertilizante na agricultura familiar

3º LUGAR - BRUNA MARCHESAN MARAN
Instituição: Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) - São Miguel do Oeste, SC
Orientador: Tahis Regina Baú
Título da pesquisa: Avaliação das propriedades funcionais tecnológicas do okara desidratado e aplicação em biscoito tipo cookie
 
CATEGORIA MÉRITO INSTITUCIONAL
Ensino Superior: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) - Florianópolis, SC
Ensino Médio: Escola Estadual de Educação Profissional Joaquim Nogueira - Fortaleza, CE

CATEGORIA MÉRITO CIENTÍFICO
FRANCO MARIA LAJOLO
Universidade de São Paulo (USP) - São Paulo, SP

publicidade

publicidade