Ansiedade atrapalha

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/01/2016 10:00

André Violatti

 

Permanecer mais um ano na mesma fase é um problema também para quem tenta uma vaga na universidade e, nesses casos, os fatores determinantes para sucesso ou fracasso são o nervosismo e a ansiedade. Isabela Nascente, 19 anos, fez as provas do último Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), aplicado em 24 e 25 de outubro, em sua sexta tentativa de ingresso na Universidade de Brasília (UnB).


Ela está confiante a respeito do resultado, mas conta que, assim como em 2014 — e em todas as provas que fez para entrar na universidade — a carga emocional pesou. “Acredito que esse Enem foi a melhor prova que já fiz para entrar na faculdade, mas, como em todos os outros, eu estava muito nervosa, me cobrando demais. Sinto que esse meu nervosismo e insegurança me atrapalham muito a alcançar meus objetivos”, avalia.


Na avaliação de Luciana Corso, a ansiedade é um fator determinante no desempenho em provas e processos seletivos. “A pressão cada vez maior pode influenciar aqueles alunos mais sensíveis, que desenvolvem um alto nível de ansiedade frente às exigências de muitos estudos e avaliações. O excesso de nervosismo pode bloquear as reais capacidades do aluno”, explica a professora.


Preparação

Para quem vai começar o 3º ano do ensino médio, a dica para evitar o nervosismo é planejar os estudos para o Enem e para o Programa de Avaliação Seriada (PAS) já neste início de ano, conforme sugere o professor de física do Mackenzie Thiago França. Segundo ele, existem três tipos de preparação: exclusiva para o Enem, só para o PAS ou para os dois exames.


“Quem tem foco no PAS deve se concentrar nos conteúdos da 3ª série. Aqueles que vão dar mais prioridade ao Enem não podem deixar de fazer uma revisão do ensino médio como um todo”, destaca. Ele aconselha que o aluno reserve dois períodos de estudo para essas avaliações, ambos com uma hora meia de duração, no contraturno das aulas. Além disso, é interessante começar com as disciplinas mais difíceis, para ter mais tempo de tirar dúvidas ao longo do ano letivo.