Enem 2017
Apresentado por:

Live

Atenção redobrada em geometria, proporção e porcentagem, aconselha professor de matemática

Em live no Facebook do Eu, Estudante, Paulo Luiz Ramos deu dicas e respondeu perguntas dos internautas. Três temas ocupam mais de 60% da avaliação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/09/2017 18:15 / atualizado em 12/10/2017 16:19

 
A primeira de várias lives de Facebook que o caderno especial do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) trará ao leitor do Correio foi transmitida nessa segunda-feira (4). Direto da redação do jornal, o professor Paulo Luiz Ramos, do Centro Educacional Sigma, falou à apresentadora Lanna Silveira sobre o que os alunos devem esperar da prova de Matemática e suas tecnologias. Ele também respondeu às dúvidas enviadas pelos internautas, que acessaram a página do Eu, Estudante para interagir com o docente.

Com calma e organização, é possível se sair bem nos números e cálculos do exame. Não se trata do bicho-papão, garante o professor. “Em relação a outros processos seletivos, o Enem tem uma prova de matemática um pouco mais simples. Nela, trabalhamos com conceitos básicos, muitos deles ensinados no ensino fundamental ou princípio do ensino médio”. Isso se dá, segundo ele, pelo caráter do Enem, que vai além do mecanismo de inserção no ensino superior. Universalizante, a prova procura também verificar o nível do que está sendo aprendido no ensino médio em todo o Brasil.
 
O que vai cair
No bate-papo online, o professor ressaltou que a divisão de conteúdo desse ano deve seguir lógica semelhante às edições anteriores. Desse modo, questões que envolvam geometria plana e espacial costumam ocupar, sozinhas, 30% da prova. Outros 30% devem transitar entre proporção e porcentagem. Quanto a estes últimos, Paulo Luiz Ramos sugere atenção especial. “Eu aconselharia dar um foco grande no trabalho com grandezas diretamente proporcionais e inversamente proporcionais. Também a parte de percentual (de temas como aumento e desconto) são habilidades que se cobra muito dentro das questões de geometria”. Com um pouco menos de frequência, o Enem costuma cobrar ainda funções, médias e medianas.

Estratégias
Em 2017, as áreas de conhecimento na aplicação do Enem foram remanejadas. Matemática e suas tecnologias passam a ocupar o segundo dia de provas (12 de novembro) junto a Ciências da natureza e suas tecnologias. Neste dia, os candidatos dispõem de 4h30 para responder 45 questões de cada área. A corrida contra o tempo é exaustiva e os candidatos precisam desenvolver seus métodos para enfrentá-la. “É claro que é algo bastante individual, vai de cada um. Eu sugiro sempre dividir as perguntas em fáceis, médias e difíceis”, pontua Paulo Luiz. “Se é fácil ou média, pode fazer na hora. As difíceis sugiro circular e deixar para o final, já que vão exigir mais e, se fizer assim, o aluno estará menos cansado ao final”. Ele relembra uma questão de 2015, envolvendo logaritmo, que foi o pesadelo dos candidatos naquele ano. “Essa, por exemplo, eu deixaria por último. No Enem, às vezes pesa mais o cansaço do que a questão em si.”

Outra dica essencial é deixar de lado a “tentação” da calculadora no momento dos estudos. Não é fácil, de fato, mas o tempo que se “perde” em casa fazendo cálculos à mão reverte-se em tempo economizado na avaliação. “É essencial abandonar a calculadora. A tendência é ficar viciado nela e usá-la até para necessidades bastante elementares. Deixa o aluno mal-acostumado”, avalia o professor.

Foco final
“Em geometria, saber bem as fórmulas de área e de volumes sólidos é bem importante. Fórmulas de média e mediana, conceitos que os alunos confundem muito, foram muito exigidas no ano passado e devem cair também”, elenca Paulo Luiz Ramos, quando questionado pelos internautas sobre quais fórmulas ter na ponta da língua. Na reta final, ele ressalta ainda que é fundamental participar de simulados, de modo a entender melhor a lógica do exame e, de quebra, diminuir o tempo de questão a cada tentativa. 
Em 2017, o Enem acontece em dois domingos consecutivos. Nesse espaço de tempo entre as duas avaliações, nada de estudar horas e horas. “É mais produtivo deixar seu cérebro mais descansado nessa hora, assistir um bom filme, jogar algo, dar um bom passeio.”