Enem 2017
Apresentado por:

Educação

Balanço do gabarito do Enem

Professores comentam o padrão de respostas oficial e a composição da prova e analisam divergência. Na avaliação da equipe do Sigma, parceria com o Correio Braziliense para a cobertura e a preparação de alunos antes, durante e após o exame foi muito positiva

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/11/2017 07:00 / atualizado em 14/11/2017 20:28

Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press

 

Os gabaritos dos dois dias de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2017 foram divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) ontem (14). O Correio Braziliense, em parceria com o Centro Educacional Sigma, havia apresentado um padrão de respostas extraoficial no site Eu, Estudante e durante live no Facebook. Entre os 120 itens do primeiro domingo de prova (5) e os 90 do segundo (12), houve apenas uma divergência, na parte de ciências da natureza, numa pergunta de biologia (questão 104 no caderno rosa; 110 no amarelo e no laranja; 113 no cinza; e 109 no azul).


A equipe de professores do colégio marcou a opção E, enquanto a banca do Enem definiu a alternativa A como a correta (saiba mais em O item da discórdia). Para o coordenador geral de ensino médio do colégio, Eli Guimarães, o fato de a diferença ter sido mínima é motivo para comemorar. “É um dado excelente. Os gabaritos que a gente vê, em geral, estão na ordem de concordância de 97%”, compara. “Os professores do Sigma apresentaram apenas um item divergente, e ainda com justificativa. Isso é motivo de extremo orgulho, mostra o envolvimento e o comprometimento da escola para conhecer o Enem.”

 

 Oswaldo Reis/Esp.CB/D.A Press
 

 

Alessandro Santana Reis, professor de biologia no Sigma há 15 anos, justifica o desencontro com o gabarito oficial: “O texto da questão diz que o fenômeno da piracema impacta a reprodução de peixes, consequentemente, isso afetará o número de espécies e de indivíduos na população”. Segundo o docente, as duas possibilidades são passíveis de responder ao comando da questão. “A primeira opção trata do aspecto físico já que o fluxo mexe com o percurso, há uma barreira”, diz. Alessandro não estranhou a divergência. “Já esperávamos, mas continuamos sustentando nossa resposta.”

Recurso

O edital do Enem não prevê a possibilidade de os candidatos entrarem com recurso caso discordem do padrão de respostas da banca. Questionado sobre o motivo, o Inep não respondeu até o fechamento desta edição. À frente da coordenação do ensino médio no Sigma, Eli Guimarães acredita que a falta de abertura para o diálogo sobre a resolução dos itens é negativa. “Não vejo como problemática a possibilidade, no sentido democrático e de educação (em que tudo se pode questionar), de abrir o debate. É um avanço importante que ainda precisa vir”, opina. No entanto, Eli compreende a limitação devido à grande estrutura do exame. “Existe uma questão prática delicada, afinal, estamos falando de um exame de massa, aplicado para milhões de pessoas”, diz. “É óbvio que a inexistência da chance de recurso não é desejável, mas isso está longe de comprometer o valor do Enem como método de avaliação do ensino médio e também como ferramenta de seleção”, defende.

Para o professor de biologia Alessandro Santana Reis, a inexistência de recursos, por falta de logística, prejudica os candidatos. “Em comparação com o PAS (Programa de Avaliação Seriada da Universidade de Brasília) e vestibulares, que contam com essa possibilidade, é uma desvantagem”, observa. “Toda banca é passível de erro. O Enem pode ser a única via de acesso para determinadas universidades, em que não há mais outros caminhos de seleção, então não ter a chance de questionar e dialogar é um problema.” Um problema grave destacado por Eli é o alto nível de abstenção. “É algo que lamento como cidadão, pois perde-se dinheiro público e tempo e demonstra falta de compromisso. É preciso buscar uma forma de mitigar esse número de faltas. Não ir ao Enem tem que ser visto num contexto maior para compreender o por que de acontecer.”

Parceria frutífera


Eli Guimarães avalia como extremamente positiva a parceria entre o Correio Braziliense e o Sigma, ao oferecer, por meio do projeto Especial Enem, nove cadernos impressos, cobertura on-line, lives com docentes do colégio, videoaulas e palestras sobre redação ministrada pela professora de português e editora de Opinião, Dad Squarisi, e uma série de outros materiais antes, durante e após a aplicação do exame.

“Foi um trabalho muito legal e fiquei muito feliz. Espero que a parceria se repita porque todo mundo ganhou, o Sigma, o Correio e a sociedade, já que os alunos tiveram a possibilidade de dialogar com bons professores”, comenta. “Este jornal é uma plataforma, de grande alcance e credibilidade, extremamente significativa na nossa cidade — isso é inegável e incontestável. E o colégio tem, entre outras coisas, a excelência acadêmica entre seus pilares. As instituições acertaram em ter feito a parceria”, analisa.

Palavra de especialista


Exatas passou do ponto


O nível das provas de química, física e matemática do Enem não foi adequado nesta edição, considerando a realidade média dos alunos brasileiros. A exigência foi muito acima. Os curadores das questões não foram felizes no teste de matemática e ciências naturais, com exceção da biologia. Foi um material de quem não conhece a realidade do ensino médio no país ou, que se conhece, não a levou em consideração. E não é elevando a dificuldade da prova que se muda o sistema educacional, o que vai acontecer é um processo de elitização. O resultado, lá na frente, serão notas mais baixas. Assim como deve ocorrer na redação que, apesar de ter tido um tema muito relevante e pertinente (a educação de surdos no Brasil), não foi acertada. Os textos motivadores poderiam ser mais amplos e os alunos sentiram dificuldades de modo geral. Por fim, minha avaliação é de que as provas de linguagens e de ciências humanas foram absolutamente pertinentes.

Eli Guimarães, coordenador de ensino médio do Centro Educacional Sigma e professor de português

Saiba mais

O item da discórdia

O fenômeno da piracema (subida do rio) é um importante mecanismo que influencia a reprodução de algumas espécies de peixes, pois induz processo que estimula a queima de gordura e ativa mecanismo hormonais complexos, preparando-os para a reprodução, intervenções antrópicas nos ambientes aquáticos, como a construção de barragens, interferem na reprodução desses animais.

Essa intervenção antrópica prejudica a piracema porque reduz o (a)

A)percurso da migração.

B)longevidade dos indivíduos.

C)disponibilidade de alimentos.

D)período de migração de alimentos.

E)número de espécies de peixes no local.

Gabarito oficial: A

Gabarito extraoficial do Sigma: E


DEDO DURO

Acompanhe mais notícias de educação no site

www.correiobraziliense.com.br/euestudante