SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Aprendendo a estudar

Planejamento é fundamental para enfrentar a rotina de preparação ao Enem, em 8 e 9 de novembro. A prova de matemática deve receber atenção especial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/09/2014 10:16 / atualizado em 29/09/2014 10:43

Gustavo Zapponi descansa até 20 minutos entre os períodos de estudo:  
Gustavo Zapponi descansa até 20 minutos entre os períodos de estudo: "Quando retorno, consigo focar mais e o rendimento é maior"


Resolver exercícios, estar em dia com atualidades e treinar para a redação são atividades importantes para quem fará o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em 8 e 9 de novembro. No período que antecede ao exame, os candidatos devem contar com mais uma importante aliada para vencer a maratona de estudos: a organização. Para alcançar um bom resultado, além de esforço e dedicação, é fundamental estabelecer um cronograma de estudos com o objetivo de otimizar o tempo investido em livros e apostilas.

“O aluno que tem pouco tempo de preparação e precisa ser mais objetivo. Ele terá que resolver mais exercícios, realizar leituras mais curtas e percorrer um caminho mais intenso. O candidato que dispõe de tempo consegue se aprofundar nos estudos teóricos e pode treinar um pouco mais a redação”, afirma Antônio Guilherme Soares, coordenador pedagógico do Grupo Impacto Prevest. “As disciplinas estão divididas de forma bastante equilibrada em todo o exame, mas, como a prova de matemática é separada das demais, é muito importante que o aluno tenha um foco especial nesse conteúdo, visando trabalhar o raciocínio lógico. A redação toma bastante tempo de prova e, caso o candidato dedique tempo para se preparar para isso, pode alcançar uma grande vantagem”, aconselha.

Segundo o professor Antônio Guilherme, o planejamento padrão deve prever um dia da semana para cada área de conhecimento do exame (linguagens, ciências da natureza, ciências humanas — com os respectivos códigos e tecnologias —, matemática e redação). Aos fins de semana, as prioridades deverão ser a revisão de conteúdos e a resolução de exercícios. “Às vezes, o aluno acredita que, dedicando mais tempo aos conteúdos em que tem mais dificuldade, alcançará o sucesso, mas, na verdade, perderá tempo. Na reta final, não é possível adquirir conhecimento profundo nas áreas em que se tem dificuldade. O estudante que, nessa etapa, foca nas matérias  que não domina acaba desmotivado”, alerta. Segundo o docente, é importante prever espaço para descanso e outras atividades dentro da rotina. “É recomendável que o candidato faça atividade física, por exemplo. Muitas vezes, ele acha que está perdendo tempo de estudo, mas isso o ajudará a ganhar foco e disposição”, afirma.

Rotina equilibrada

A estudante Karoline Lima, 18 anos, precisou organizar o horário de estudos para aproveitar as horas vagas entre o horário de trabalho e as aulas do curso preparatório para o exame, no período da noite. “Fiz um planejamento baseado nos meus horários livres e no rendimento que eu poderia alcançar naquele tempo. No horário de almoço, tenho pouco menos de uma hora para me dedicar aos estudos, então, não consigo avançar no estudo de física ou matemática, por exemplo. Dedico esse horário para ver o noticiário e ficar por dentro das atualidades, ou começo a elaborar uma redação. Quando saio do trabalho, tenho cerca de duas horas livres antes das aulas do cursinho. É nesse intervalo que resolvo exercícios e reviso os conteúdos em que tenho mais dificuldade”, conta a estudante, que utilizará a nota do exame para buscar uma vaga no curso de economia numa universidade pública ou para conseguir uma bolsa em alguma instituição particular.

“Estou bastante segura. Não tenho muito tempo até a prova. Então, estou bastante focada em seguir o meu cronograma. Com disciplina, acredito que a minha preparação dará resultado”, ressalta. Para estruturar a rotina de estudos, a estudante utiliza ainda outro método. “Dividi as disciplinas pelos dias da semana: nas segundas, quartas e sextas-feiras, estudo as matérias da área de exatas; nas terças e quintas-feiras, dedico o tempo ao conteúdo de humanas. Aos fins de semana, resolvo simulados e reviso o conteúdo das aulas anteriores. Deixo o sábado à noite e o domingo de manhã para descansar”, afirma.

Consultoria

Para alcançar a sonhada vaga no curso de arquitetura em uma instituição pública de ensino, o estudante Gustavo Zapponi, 18 anos, preocupou-se em definir um calendário para enfrentar a rotina de estudos até o exame. Ele buscou o auxílio de uma consultora para organizar a grade horária e definir conteúdos e atividades que serão prioridade para a prova, além de estabelecer um método eficaz de estudo e otimização do tempo até a data do exame. “Esse é o segundo semestre em que busco uma vaga numa universidade pública. No primeiro semestre, meu desempenho deixou a desejar e perdi muito tempo, justamente por não ter uma proposta de estudos bem definida. Quando sentava para estudar, ficava perdido e não sabia por onde começar ou o que priorizar. Acabava estudando os conteúdos que queria ou de que gostava mais”, lembra. “Tenho muito tempo para estudar e muita disposição para isso, mas não sabia como organizar e otimizar o meu tempo. Nesse semestre, estou frequentando as aulas de um curso preparatório pela manhã e, à tarde e no início da noite, sigo com o cronograma de estudos elaborado na consultoria. Agora, na reta final, também estou estudando durante todo o fim de semana”, diz o estudante.

Fazer pausas para o descanso entre os períodos de estudo também é uma das estratégias previstas no planejamento de Gustavo. “Entre cada disciplina, faço um intervalo de 15 ou 20 minutos. Quando retorno, consigo focar mais e o rendimento é maior”, explica. Segundo ele, o planejamento tem apresentado resultados e, desta vez, ele está confiante para alcançar a vaga para o curso de graduação. “Vou esperar a nota da prova para definir em qual universidade, mas tenho foco em Brasília ou Santa Catarina. Ter esse cronograma ajudou a alcançar um rendimento maior. Agora, estou mais focado e com energias direcionadas para o meu objetivo”, completou o estudante.

 

"Na reta final, não é possível adquirir conhecimento profundo nas áreas em que se tem dificuldade. O estudante que foca nas matérias que não domina acaba desmotivado”

Antônio Guilherme Soares,
coordenador pedagógico

Dicas

Recomendações para organizar e seguir o planejamento de estudos:

» Não deixe para amanhã. O candidato que ainda não começou a estudar deve levantar o máximo de informações sobre o exame, começando pela Matriz de Referência, que é o mapa do que deve ser cobrado no Exame. Em seguida, deve elaborar um plano de estudos que contemple, além de leituras, resoluções de questões das provas passadas — que podem facilmente ser encontradas pela internet — e a elaboração de redações.

» Organizar um horário de estudos é fundamental. Esse planejamento é individual e varia conforme o perfil de cada candidato. O estudante que trabalha fora terá uma rotina de estudos diferente do candidato que faz cursinho e dispõe de tempo para estudo no contraturno, por exemplo. O planejamento de estudos faz-se com a lógica de ver, rever e aplicar. Por exemplo: o candidato assiste às aulas pela manhã e, obrigatoriamente, deve rever o conteúdo de sala de aula à tarde ou à noite (sempre antes de dormir, pois o sono tende a apagar uma parte do aprendizado). Aplicar o que foi aprendido em resoluções de questões também deve tornar-se um hábito.

» Na reta final, é importante para o candidato não se aprofundar em conteúdos que não domina. Estudar conteúdos que são mais fáceis é fundamental para manter a motivação. O cérebro renderá mais quando acredita-se estar no caminho certo.

» É preciso prever no planejamento de estudos um horário suficiente de descanso. Negligenciar o descanso é perder tempo, pois o rendimento na aprendizagem certamente cairá. Para pessoas com dificuldade de concentração ou falta de motivação para estudar, é importante fazer algum tipo de atividade física para a produção de serotonina e dopamina, neurotransmissores fundamentais para manter o cérebro focado e motivado. Pode ser uma simples caminhada.

Fonte: Antônio Guilherme, coordenador pedagógico do Grupo Impacto Prevest

 

Palavras de especialista

Cronograma


No momento de elaborar um planejamento de estudos para o Enem, devem ser analisadas as dificuldades do aluno e o tempo que ele tem disponível para se dedicar aos estudos. O cronograma deve estar de acordo com a realidade e o resultado percebido funcionará como uma bússola para direcionar o aluno. Se o cronograma funciona e o estudante percebe que está evoluindo, deve manter a disciplina para segui-lo. Caso haja alguma dificuldade em obedecer ao calendário elaborado, é preciso voltar e rever em quais pontos o planejamento é falho.

Vincenzo Papariello, coordenador e consultor de treinamento de estudos para o Enem na VP Concursos

Tempo precioso

No momento da elaboração de um planejamento individual de estudos, devem ser considerados o tempo de dedicação diário de que o aluno dispõe e o período até a data do exame. O cronograma pode ser: extensivo, caso haja mais tempo até a data da prova; ou intensivo, com bastante resolução de provas anteriores e exercícios. A elaboração do cronograma de estudos deve começar com uma avaliação das dificuldades individuais, sejam elas de conteúdo ou de concentração. Também é importante levar em conta a disponibilidade de horas diárias que o aluno tem para estudar. Mapeando esses fatores é possível estabelecer um planejamento real, que poderá ser efetivamente seguido. Na reta final de estudos, é preciso estabelecer quais disciplinas devem receber dedicação especial e quais atividades trarão os melhores resultados. Organizar o tempo significa eleger prioridades. O aluno precisa definir os dias em que vai estudar, quais disciplinas serão priorizadas, se resolverá mais simulados ou exercícios. Todo planejamento de estudos exige isso. Não existe milagre! O resultado vem a partir da dedicação, do esforço e da disciplina para seguir o cronograma estabelecido.

Isadora Jinkings, consultora e especialista em psicopedagogia



 

Tags:

publicidade

publicidade