SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Idioma na ponta da língua

Professores afirmam que, mesmo com poucas questões, prova de idioma estrangeiro pode ser determinante para o êxito no Enem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/10/2014 08:00 / atualizado em 16/10/2014 21:04

Kelsiane Nunes /Especial para o Correio

Paula Rafiza/Esp. CB/D.A Press
Na hora de se inscreverem para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), os candidatos podem optar por responder itens sobre língua inglesa ou língua espanhola e, apesar de ser composta por poucos tópicos, a prova de Língua Estrangeira Moderna (LEM) pode ser decisiva para conquistar uma boa nota. A disciplina é abordada no segundo dia do exame — 9 de novembro —, com as provas de Matemática e suas tecnologias e de Linguagens, códigos e suas tecnologias. A principal habilidade cobrada nesta parte do exame é a habilidade de interpretação de texto.

Sandra Mara Carrera, professora de inglês do Colégio Marista de Brasília, entende que o bom desempenho em LEM pode ser crucial para um bom resultado. “A prova geralmente tem cinco itens e, por conta disso, às vezes, o candidato não dá a devida importância. Mas, no contexto amplo, quem erra essas questões enquanto outros acertam sai prejudicado”, defende. A professora de inglês do Centro de Ensino Médio Setor Leste Cláudia Almeida explica que, com o método de correção da prova nacional, os itens de LEM têm a mesma importância que os de outras disciplinas. “Acertar um item de inglês ou de espanhol tem o mesmo peso de acertar um de matemática”, esclarece.

Dominando os idiomas
Alunos do Centro de Ensino Médio Setor Leste, Flávia Mychelle Borges, Victor Macedo, Sarah Ferreira e Beatriz Araújo, 17 anos, valorizam a parte de língua estrangeira no exame. Entre os preparativos, Flávia não deixa de estudar o idioma escolhido: espanhol. “São só cinco itens, mas, às vezes, acertar essas questões pode compensar os erros que eu tiver em outras disciplinas”, acredita. Beatriz também preferiu o espanhol e conta que o que a deixa apreensiva é o conhecimento das palavras. “O vocabulário é minha maior preocupação porque, nos textos, geralmente um termo pode fazer falta para o entendimento do item. A estratégia para contornar esse problema é a leitura”, relata.

Vitor escolheu fazer a prova de inglês e acredita que os pontos dessa parte do exame são importantes. “Não separo tempo específico para o estudo de línguas, mas faço provas anteriores, o que ajuda na preparação. Presto atenção a esses itens, pois sei que valem ouro”, afirma o estudante, que quer fazer direito em uma universidade pública ou em uma instituição particular com bolsa. Sarah sonha cursar publicidade na Universidade de Brasília (UnB) e escolheu fazer itens de inglês no exame por ter mais afinidade com o idioma. “Acho o inglês mais fácil. O espanhol é muito parecido com o português e tem muitos tempos verbais, enquanto o inglês é mais simples”, diz.

Paula Rafiza/Esp. CB/D.A Press
Confiança no conhecimento adquirido
Apesar da importância dos pontos em língua estrangeira, Maria Roque Rosal e Thiago Leal, 17 anos, alunos do Colégio Marista de Brasília, não dedicam estudos específicos para o inglês e o espanhol. Os dois se preparam ouvindo músicas ou vendo filmes na língua desejada. “Julgo que o que sei e aprendi no curso de línguas é suficiente para a prova de inglês no Enem. Como são poucas questões, dedico meu tempo a outras disciplinas, mas não deixo de escutar música e ver filmes em inglês, o que ajuda a revisar”, diz Thiago, que deseja cursar direito na UnB. Maria quer cursar psicologia na UnB e optou pelo castelhano pela familiaridade. “Espanhol é uma língua mais fácil por se parecer com o português. Depois de pouco tempo de estudo, meu domínio sobre o idioma aumentou bastante”, explica.

Assim como Maria e Thiago, Alexandre Bastos, 19, não separa um tempo específico na rotina de estudos para o idioma. “Fiz cinco anos de curso de inglês. Todos os dias, leio textos e escuto músicas nessa língua. Isso já me ajuda a estudar”, conta. A complexidade moderada dos itens deixa o estudante confiante. “São poucas questões e os itens não são difíceis. A prova avalia se você sabe o básico”, opina o jovem que cursa o segundo semestre de ciências farmacêuticas na UnB, mas deseja ingressar em medicina por meio do Sisu.

Estrutura
A prova de Língua Estrangeira Moderna (LEM) é composta por um texto no idioma estrangeiro e itens relacionados a ele em português. Para a professora Sandra Mara Carrera, isso indica que “o conhecimento exigido da língua pelo exame é o instrumental.” Segundo a professora, essa característica leva o candidato a achar que o nível das questões seja fácil, mas ela discorda disso. “Pelos itens serem em português pode passar a impressão que são simples, mas não acho isso de forma alguma. Na realidade é cobrado que o candidato realmente entenda o texto para fazer o item. É uma análise em outro aspecto, uma reflexão”, defende.

Lunara Machado, professora de espanhol do Centro de Ensino Médio Setor Leste, alerta que o exame cobra conteúdos que vão além do que os alunos geralmente assimilam em sala de aula. “É preciso que os candidatos leiam muito, que estejam bem informados em relação às notícias, assistam filmes e escutem músicas porque tudo isso vai ajudá-los na interpretação de texto”, aconselha.

É cobrado no edital do exame que o candidato saiba reconhecer a importância do idioma para os contextos social e cultural, além de usar os conhecimentos gramaticais e de vocabulário para entender os temas abordados no texto. O conhecimento cultural dos países que falam o idioma escolhido também é importante para o entendimento dos itens. “A interpretação de texto exige conhecimento não só gramatical, mas também da cultura ou sobre temas atuais. É importante conhecer um pouco de cada país em que o idioma escolhido é falado”, defende a professora de espanhol Lunara. Músicas, filmes e diferentes gêneros textuais, como poemas ou charges, são uma forma de imergir na cultura do idioma. “Essas atividades ajudam a conhecer a cultura e inserir a língua no contexto social das nações que falam o idioma”, explica.

A professora de inglês Sandra Mara afirma que os estudantes não precisam temer "peguinhas" — questões que levam o candidato ao erro por um detalhe. “Todas as respostas são plausíveis. O aluno tem que entender qual cabe naquele contexto. Dificilmente encontra-se um item absurdo. São questões inteligentes, e os alunos têm que estar atentos a isso”, aponta.

A coordenadora pedagógica da rede de ensino de idiomas PBF Luciana Andrade ressalta que, apesar de os itens cobrarem interpretação textual, o candidato não pode negligenciar o vocabulário. “Os falsos cognatos — palavras similares ao português, mas com significados diferentes — podem atrapalhar a compreensão do texto, levando o candidato a errar a questão”, explica.

Não vacile!
Dicas para dominar os itens de língua estrangeira na reta final da preparação
Faça provas aplicadas em anos anteriores: é importante estar acostumado com o formato da prova e saber controlar o tempo. Fazer questões antigas do exame é a melhor forma de conseguir isso.
Fique por dentro dos principais acontecimentos nacionais e internacionais. Inteirar-se dos assuntos atuais é importante porque ajuda na melhor compreensão do texto. Fica mais fácil entender a publicação tendo conhecimento prévio do assunto.

Na hora da prova
Não tenha pressa. Leia com muita atenção o enunciado da questão. Muitas vezes, na correria, o candidato não se atenta ao que é pedido, o que pode ser prejudicial, já que uma palavra pode levar ao erro.
Faça uma leitura direcionada. É importante fazer uma leitura do enunciado das questões, do título e do subtítulo antes de ler o texto porque assim é possível direcionar previamente a leitura para o que é cobrado.
Os cadernos de provas vêm com itens das duas línguas. Cabe ao candidato a atenção de marcar as questões correspondentes à opção de idioma que ele escolheu.

Atenção aos falsos cognatos
É preciso ter atenção e conhecimento do vocabulário para não errar os itens e se confundir. Confira alguns dos mais comuns, para evitar:

Inglês
Push: empurrar
Actually: na verdade
Pretend: fingir
Realize: perceber

Espanhol
Fecha: data
Abonar: pagar
Borracha: bêbada
Conozco: conheço

Tempos verbais

Inglês
O Present Perfect consegue confundir muita gente. Afinal, trata-se de um tempo verbal com usos bem diferentes quando comparado com o português.

Para começar, é preciso saber sua formação:
Sujeito + have / has + verbo principal no particípio
Tom has been busy today / this week / this month. (Tom está ocupado hoje / esta semana / este mês.)

O presente perfeito pode ser usado para indicar:
1. Ações que começaram no passado e continuam até o presente. Atenção às dicas sublinhadas!
I have worked for a Multinational Company since April. (Eu trabalho / tenho trabalhado numa Multinacional desde abril.)
Sue has worked out at the gym lately. (Sue tem se exercitado na academia ultimamente.)
My friends have organized their own wedding for the past six months. (Meus amigos têm organizado seu próprio casamento nos últimos seis meses.)

2. Ações que ocorreram em um tempo não determinado (indefinido) no passado.
I have been to Canada. (Eu estive no Canadá.)
She has broken her leg. (Ela quebrou a perna.)
You have made a delicious chocolate cake. (Você fez um delicioso bolo de chocolate.)

3. Ações que acabaram de acontecer. (“Just” é o indicador.)
They have just left. (Eles acabaram de sair.)
Bob has just called. (Bob acabou de telefonar.)

Espanhol
É importante que o aluno saiba pelo menos um tempo presente, um passado e um futuro para realizar uma boa prova. O tempo passado para relatos é o Pretérito Imperfecto: para usar este tempo se retira o final AR, ER e IR e se adiciona as terminações ‘aba’- ‘ía’ (verbos terminados em “AR” aba e terminados em “ER” ou “IR” ía).

Exemplos:
CANTAR - cantaba
COMER - comía
VIVIR - vivía.

Cuando vivía cerca de la casa de mis abuelos, yo comía los deliciosos pasteles que mi abuela hacía mientras escuchaba las músicas que mi abuelo cantaba.

Para o tempo futuro, é importante que o aluno opte por usar “VOY A” + o verbo em infinitivo no caso de ter dúvidas nos “verbos irregulares”. Assim, o futuro é indicado da mesma maneira e sem o risco de escrever errado o verbo irregular.
Mañana voy a salir temprano de casa = Mañana saldré temprano de casa

Fonte: Luciana Andrade, coordenadora pedagógica da PBF
Tags:

publicidade

publicidade