SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Prisões não cancelam Enem

Instituto responsável pela prova garante que o examedeste ano está mantido, apesar da prisão de quatro pessoas, no Ceará e na Paraíba. Elas são acusadas de lesar a edição de 2013. Agentes apuramse detidos têm relação com o suposto vazamento do temada redação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/11/2014 14:02 / atualizado em 18/11/2014 14:06

Ailim Cabral

Carlos Vieira/CB/D.A Press

A Polícia Federal cumpriu, na manhã de ontem, mandados judiciais de prisão temporária, com a detenção de três pessoas no Ceará e uma na Paraíba. Existem ainda nove determinações de busca e apreensão nos dois estados e no Piauí. A ação é resultado de 13 meses de investigações da Operação Apollo, que apura fraudes em edições anteriores do Exame Nacional do Ensino Médio, de vestibulares e o ingresso nas universidades pelo sistema de cotas. Até o momento, não há relação entre os detidos e o suposto vazamento do tema da redação do Enem 2014, denunciado por um estudante,no município piauiense de Picos, no último fim de semana. Durante a realização das provas do Enem, no sábado passado, dois candidatos foram presos pelo uso de aparelhos eletrônicos no momento do teste.

As investigações das fraudes continuam com o intuito de identificar todos os candidatos que, possivelmente, foram beneficiados como esquema de vazamento de informações, tanto no Enem deste ano quanto no de 2013. As notícias preocupam os mais de 6,2 milhões de candidatos de todo o país.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep), responsável pelas provas, informou, por meio da assessoria de imprensa, que não existe possibilidade de cancelamento das provas. Acrescentou que aguarda o resultado das investigações e, caso as fraudes sejamconfirmadas, os candidatos beneficiados identificados pela Polícia Federal serão eliminados,como estabelece o edital do certame.

Insegurança

Felipe Guedes, 18 anos, afirma ter ficado nervoso com as notícias e mais ainda com o posicionamento do Inep. “Essa medida é inútil. Eles não têm como identificar todas as pessoas que possivelmente viram essa imagem de WhatsApp”, disse ele, referindo se ao suposto vazamento do tema da redação deste ano. O estudante deseja fazer administração e sonha com a aprovação para ingressar na Universidade de Brasília (UnB). “É um absurdo que o Enem, aceito em todo o país e até para o Ciências Sem Fronteiras, não tenha um mínimo de segurança na prova. A pessoa se prepara a vida toda estudando e vemoutro com informações privilegiadas. Isso é muito injusto”,completou.

Vianna, 17, discorda da posição oficial. “Acho uma falta de AnaCarolina, Carolina Vianna e Felipe não ficaram tranquilos como anúncio do Inep de que não anulará o exame deste ano. Eles acham injusto alguém ter vantagemsobre os outros candidatos segurança enorme no sistema das provas e isso acaba nos atrapalhando. Várias pessoas com informações a mais é errado”, afirma. A jovem, que quer cursar comunicação organizacional da UnB, duvida da eficácia da medida do Inep.“Mesmo com as possíveis eliminações é injusto do mesmo jeito, não há como saber quem viu o tema da redação antes da prova”, afirma.

Um pouco mais calma do que os colegas, Ana Carolina Aquino Diniz, 17 anos, acha que foi bem na prova e espera ter a nota necessária para cursar medicina. A estudante acredita que não seria viável realizar outra prova, devido à grande preparação necessária, mas acha que a igualdade entre os candidatos foi prejudicada. “A gente fica insegura, achando que os outros tiveram uma vantagem maior, já sabiam o tema da redação”, afirma. Ela avalia as medidas adotadas como“ o que é possível fazer”.

O coordenador de redação do Centro Educacional Sigma, Eli Guimarães, é mais otimista do que os alunos. Para ele, mesmo que seja comprovado o vazamento do tema da redação do Enem, não haveria um grande prejuízo para os candidatos. Ele ressalta que isso só vale para a redação; qualquer outra questão que eventualmente tenha sido divulgada antes da hora seria um grande problema. “No caso do tema da redação é diferente, pois ela não tem uma resposta única e objetiva”, explica.

Eli afirma que, caso os candidatos tenham tido acesso ao tema cerca de três ou quatro horas antes do exame, issopoderia apenas trazer uma tranquilidade para eles. “Se as pessoas tiveram acesso na manhã do exame, a influência na produção textual é mínima. A produção da redação precisa ser muito articulada, eles não teriam como levar uma redação pronta, por exemplo”, acrescenta.

Para o coordenador, se ficar comprovado o vazamento de outras questões ou se o tema da redação era público dias antes, aí sim haveria motivo para grande preocupação. Apesar de lamentar a falta de segurança no certame, ele acredita que, se o tema foi divulgado horas antes da prova, isso é irrelevante para o resultado. “É um exagero pensar em anular nesse caso. O prejuízo para o país seria muito grande diante de uma vantagem tão pequena”, completa.

Tags:

publicidade

publicidade