SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Quadrilha fraudou Enem em quatro estados, confirmam Polícia Civil e MP

Em entrevista coletiva, os órgãos detalharam a operação que prendeu 33 pessoas. O líder do bando, Áureo Ferreira, ganharia, segundo as investigações, R$ 300 milhões de outubro a janeiro deste ano com os golpes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/11/2014 20:24 / atualizado em 26/11/2014 20:34

Estado de Minas

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a Polícia Civil de Minas Gerais confirmaram, nesta quarta-feira, que a quadrilha presa por venda de gabaritos fraudou o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) neste ano em Minas e outros três estados. Pelo menos 20 pessoas foram beneficiadas, três delas já identificadas. Em entrevista coletiva, os órgãos detalharam a operação que prendeu 33 pessoas. O líder do bando, Áureo Ferreira, ganharia, segundo as investigações, R$ 3 milhões de outubro a janeiro deste ano com os golpes.

Conforme as investigações, a quadrilha usava alta tecnologia para passar as respostas para os candidatos que pagavam pelo serviço. O material era comprado e transportado por empresas que são alvos das apurações. Eles usavam duas técnicas para fazer a transmissão dos dados. No Enem, por exemplo, o líder chegou a se inscrever no exame, mas, antes mesmo dele começar a prova, a quadrilha conseguiu as provas através de pessoas em Mato Grosso, que já estão identificadas.

Com as provas em mãos, os integrantes da quadrilha foram até uma pousada onde estavam todos os pilotos, estudantes responsáveis em resolver as questões. Em seguida, as respostas eram passadas através de um circuito transmissor para os candidatos. Esses, por sua vez, tinham que levar um cartão telefônico, camuflado pelos criminosos como cartões bancários, e usar os pontos eletrônicos.

O líder do grupo chegou a se inscrever no exame, para que, no caso de haver problema com a entrega das provas à quadrilha, ele conseguiria sair das salas de aula com os cadernos.

A polícia conseguiu apurar que o Enem foi transmitido pela quadrilha em cidades de Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Espírito Santo. Cada candidato pagou, aproximadamente, R$ 200 aos criminosos.

Escolas particulares
O grupo não fazia vestibulares federais por causa do número de provas. A preferência pelos exames de instituições particulares era devido ao número de provas, já que não há segunda etapa e nem perguntas abertas. O preço cobrado pelos criminosos variava entre R$ 50 e R$ 60 mil. Nesses casos, eles utilizavam frequência de rádio para passar as respostas.

Os integrantes da quadrilha se inscreviam nos vestibulares e deixavam as salas de aulas com os cadernos. Em seguida, passavam para os pilotos, que resolviam as questões e depois repassava aos candidatos. “Os pilotos recebiam de R$ 10 a R$ 15 mil por prova, sem contar as viagens, pois tinham que seguir para a cidade onde aconteciam os exames. Às vezes, eles não recebiam nada do bando, pois conseguiam os próprios clientes e cobrava o valor estipulado por eles próprios”, explica o delegado Antônio Junio Dutra Prado, do Grupo de Combate em Organização Criminosa.

Segundo o delegado, o grupo atuava em todo país, mais ativamente nos Sul do Brasil, Minas Gerais, e São Paulo. “Os candidatos tinham que contratar um bloco com quatro provas, pois o pagamento só era feito no momento da aprovação. Mas, tinha candidato tão incapacitado intelectualmente que zera a redação”, afirma o promotor André Luis Garcia de Pinho, que atua no combate ao Crime Organizado.

Prisões
A polícia tenta reverter as prisões dos integrantes da quadrilha que continuam presos de temporária para preventiva. No fim de semana, 33 pessoas foram detidas. Dessas, 22 foram ouvidas e liberadas, sendo 13 mediante ao pagamento de fiança, e outras 11 pessoas permanecem atrás das grades.

Entre as pessoas que foram detidas e foram liberadas com o pagamento de fiança está o pai do líder do bando. Segundo a polícia, o homem está sendo procurado, novamente, pois fez o pagamento de R$ 7 mil com notas falsas.

As investigações vão continuar para tentar encontrar outros candidatos que usaram os serviços da quadrilha, estudantes que conseguiram ingressar na faculdade irregularmente, e também médicos já formados.
Tags:

publicidade

publicidade