SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Sem o brilho de Jobs, Apple lança iPhone 5

Aparelho é mais fino, com tela maior, plugues diferentes e suporte para rede 4G, que terá frequência ainda incompatível com a brasileira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/09/2012 08:00 / atualizado em 13/09/2012 13:25

Mariana Mainente

Maior, mais fino e com suporte à rede 4G, o iPhone 5 foi lançado ontem em evento na cidade de São Francisco (EUA). O produto apresentado por Tim Cook, presidente da Apple, está longe de ter a aura revolucionária que Steve Jobs sempre oferecia às suas criações. A empresa mostrou que, quase um ano após a morte do gênio fundador da marca da maçã, está mais disposta a incorporar inovações feitas pelas concorrentes. Para os brasileiros que aguardam ansiosos a chegada do iPhone 5 às lojas, no entanto, será necessário esperar alguns meses. O país não está na lista dos primeiros contemplados.

Além disso, melhor não esperar demais em termos de velocidade: o produto é incompatível com a rede 4G, que será montada no país. “O iPhone 5 não funciona na nossa frequência de 4G, de 2.500 MHz. Todos os modelos rodam apenas de 700 a 2.100 MHz. Ou seja, quem usar o iPhone 5 no Brasil ficará apenas em 3G”, disse o presidente da consultoria Teleco, Eduardo Tude. O especialista calcula que a Apple levará entre dois e três anos para compatibilizar o iPhone 5 ao 4G brasileiro.

O aparelho, revelado em uma conferência sem muitas surpresas, tem como principais mudanças uma nova tela de quatro polegadas — 0.5 a mais do que o display tradicional, utilizado em todos os modelos anteriores da linha — e a resolução, que passou dos 630 x 960 pixels, no 4S, para 640 x 1.136 pixels. Para quem já usa o iPhone, os centímetros extras representam mais uma linha de ícones na área de trabalho e uma proporção de 16:9, a mesma já utilizada em outros celulares e televisões de alta definição.

Nos Estados Unidos, o iPhone 5 começa a ser vendido em 21 de setembro, pelo mesmo preço do 4S na época de seu lançamento: US$ 199 (16GB), US$ 299 (32GB) e US$ 399 (64GB), em um contrato de fidelização de dois anos com operadoras norte-americanas. O preço do aparelho desbloqueado ainda não foi divulgado. A Apple também não revelou quando o celular será vendido no Brasil, mas colocou dezembro como data-limite para a chegada do produto a todos os países onde normalmente são comercializados.

Outras conexões
O smartphone também sofreu algumas mudanças em suas conexões: a entrada de fones de ouvido agora fica na parte inferior do aparelho, onde também está localizado o novo conector Lightning, que tem apenas oito pinos e é 80% menor do que os plugues de 30 pinos presentes em iPhones antigos, iPads e iPods. Para não inutilizar os acessórios compatíveis com outros dispositivos, a maçã venderá um adaptador, sem preço divulgado.

Nas dimensões gerais, o celular é 18% mais fino que o iPhone 4S, com espessura de 7,6mm, e também mais leve: 112g, 28 a menos que seu antecessor. A câmera traseira é 25% menor, tem melhor estabilização de imagens e conta com um modo de fotos panorâmicas embutido. A frontal grava imagens em alta definição (720p). Debaixo do capô, há um novo processador: o A6, 22% menor e duas vezes mais rápido que o anterior.

Além disso, a Apple atualizou características que já existiam nos smartphones com o sistema Android, do Google, como a memória RAM (de 512MB para 1GB) e suporte à rede 4G LTE.

O novo iPhone vem acompanhado do sistema operacional iOS 6, que tem data de lançamento marcada para 19 de setembro e será compatível com os iPhones 3GS, 4 e 4S, além do iPad 2 e do novo iPad. Entre as novidades, há um sistema de mensagens integrado entre smartphones e dispositivos sem rede celular, a opção de manter, ao mesmo tempo, o acesso a dados de telefone enquanto conectado à rede de celular e a possibilidade de fazer chamadas pelo FaceTime via rede 3G.

A integração com redes sociais também é maior: o usuário pode postar no Twitter e no Facebook a partir de qualquer aplicativo do iOS. Já a assistente pessoal Siri deve ser melhorada, apresentando dados como horários de filmes e resultados de competições esportivas. Além disso, abandona o Google Maps e tem uma solução própria de geolocalização.


» Chip Nano-SIM

O iPhone 5 utilizará uma versão menor de chip, chamada Nano-SIM, que mede 15 x 12 x 0,76mm e não é compatível com o chip utilizado nos modelos antigos e em outros celulares. Em nota, a operadora Vivo comunicou que comercializará essa versão “bem antes de começar a vender o iPhone 5”, de acordo com a sua assessoria de imprensa. A previsão é que, no Distrito Federal, já esteja disponível a partir do próximo sábado.

 

iPods de cara nova Durante o evento, a Apple também mostrou as novas versões dos iPods. O modelo Touch, que chegou à quinta geração, acompanha as mudanças do primo iPhone: tem também tela de quatro polegadas, ficou mais fino e leve, com 88g e 6,1mm de espessura. Seu processador é o A5, presente no iPhone 4S. A câmera é de 5MP, ganhou flash e grava vídeos em resolução de 1.080p na parte traseira e de 720p, na frontal, inclusive para fazer chamadas no FaceTime.

O tocador também tem suporte ao assistente pessoal Siri e cinco opções de cores: prata, preto, azul, amarelo e vermelho. A duração da bateria é de 40 horas de música e oito horas de vídeo. No Brasil, ele será vendido por
R$ 1.279 (32GB) e R$ 1.679 (64GB). Durante a apresentação, os executivos da Apple também aproveitaram para anunciar um novo formato de fones de ouvido, que tem novo encaixe e acompanharão tanto a linha de iPods quanto a de iPhones.

Sete cores
A versão Nano também teve a tela aumentada — agora, são 2.5 polegadas, na proporção widescreen e multitoque, além de um botão frontal. Há suporte a Bluetooth, o conector Lightning, sintonizador de rádio FM e bateria com duração de 30 horas tocando música. São sete as opções de cores: prata, preto, roxo, verde, azul, amarelo e vermelho. No Brasil, a versão de 16GB custará R$ 759.

Ao falar de música, a Apple também revelou a nova versão do programa iTunes, que centraliza o consumo de mídia do computador e serve de ponte para os dispositivos móveis da empresa, para transferir arquivos. Em sua 11ª versão, o programa tem aparência mais simples e similar ao do iOS. Os álbuns são mostrados em forma de grid, e um clique abre a lista de músicas sem mudar de tela e a função de filas, onde se pode escolher qual a próxima música após o término daquela que já se está escutando. (BS)

Tags:

publicidade

publicidade