SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Nobel da Paz pode restaurar o propósito da União Europeia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/10/2012 17:27 / atualizado em 30/10/2012 17:32

Agência UnB

Alguns tons odiosos refletem o fracasso para reconhecer e apreciar as realizações históricas da União Europeia, mas também o trabalho contínuo em remover barreiras econômicas, promover a cooperação interétnica e internacional em um continente como a Europa, que, durante séculos, viveu não apenas as duas guerras mundiais e a tragédia do Holocausto, bem como inúmeros conflitos nos Balcãs. O quadro foi compensado pela assinatura da Comunidade do Carvão e do Aço em 1951, antecessora da União Europeia em unir o Continente. O prêmio vem quando a UE enfrenta a maior crise de sua história, com a recessão e a agitação social.

É ainda mais notável que relações historicamente polarizadas permitiram a adesão das Nações da Europa Oriental, com processos que começaram aos poucos após a queda do muro de Berlim, era indispensável manter esses países no caminho democrático e do capitalistalismo. No próximo ano, a Croácia seguirá a Eslovênia como as duas primeiras ex-Repúblicas iugoslavas em aderir à União.

França e Alemanha, ou Alemanha e Reino Unido, têm sido capazes de organizar uma nova ordem continental com base em um único mercado comum, elementos fundamentais que é a livre circulação de pessoas, bens, serviços e capitais. Notável, também, é a evolução da União Europeia de um empreendimento comercial em um empreendimento político com representantes eleitos de todos os Estados-Membros que compõem o Parlamento transcontinental.

A Comissão concentra um trabalho de corpo de mais de seis décadas de avanço da "paz e reconciliação, democracia e direitos humanos". Destaco o trabalho da UE em selar a reconciliação entre a França e a Alemanha após a II Guerra Mundial, bem como incorporar a Espanha, Portugal e Grécia após seus regimes autoritários, que  entraram  em colapso na década de 1970. Um trabalho de reconciliação da UE que agora mudou-se para os países dos Balcãs. 

A integração dos novos Estados-Membros para essas estruturas também é um feito surpreendente. A adesão das Nações da Europa Oriental, processo que começou após a queda do muro de Berlim, é um marco. Era indispensável manter esses países nos caminhos democráticos e capitalistas. A UE ainda é um ímã de esperança e prosperidade para as democracias emergentes da Europa Oriental e os Balcãs, mas o senso dos europeus comuns ainda permanece nacional ou local, em vez de europeu.

A União Europeia tem um espírito multilateral que deve ser elogiada pelo trabalho que ela faz fora das suas fronteiras, sob a forma de ajuda internacional. A UE foi responsável por cerca da metade do mundo em ajuda no ano passado - €53,1 bilhões (US $68,8 bilhões). A Comissão Europeia  - executivo da União - gastou €11,3 bilhões (US $14,6 bilhões), tornando-se o maior doador multilateral do mundo e o segundo maior doador bilateral, depois dos Estados Unidos. O maior beneficiário dos fundos é a África Subsaariana, com investimentos em educação, saúde e água limpa, bem como alívio de pós-emergência e reconstrução.

Naturalmente, o projeto europeu vacilou - a criação do Euro e uma União Monetária sem União fiscal foi um erro. Ainda assim, tais obras foram feitas em busca do ideal de um continente mais unido e harmonioso. A idéia falhou, mas o sentimento por trás dele era nobre.

O prêmio deste ano 2012 para a UE é político. Destina-se em parte como um ato de confiança, visto que a União Europeia e especialmente o núcleo da União Monetária sofre uma crise de dívida soberana. A taxa de desemprego na zona do euro atingiu 11,4% em agosto, sendo que chegou a 25% na Grécia e na Espanha. Para os jovens, o problema é ainda pior. No próximo ano, a UE carrega uma previsão de crescimento do PIB prevista de apenas 1% para 2013.

Mas isso não faz o prêmio ser merecido. Este prêmio não só confere legitimidade à Europa e ao projeto europeu, mas ele também vai de alguma forma restaurar o seu status.

O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, tem feito um chamado os dirigentes da UE para realizar uma cúpula especial para abordar "a reação contra a integração europeia" e o surgimento da desconfiança mútua e preconceito devido à manipulação da crise. A sobrevivência da moeda, compartilhada por 17 Estados - projeto econômico central da Europa –, está incerta. Os mercados financeiros perderam a confiança da dívida de países periféricos problemáticos e duvidavam da determinação das autoridades europeias para manter o euro. Mas a moeda não tem perdido o seu valor no mercado internacional.

É uma idéia nova delegar um Prêmio Nobel da Paz para a União Europeia. Ela passa a ter uma grande responsabilidade, que é atribuída a uma pessoa ou organização que, nas palavras de Alfred Nobel, "fez o maior ou o melhor trabalho para a fraternidade entre as Nações e a promoção da paz."

  Perfil: Julie Schmied Zapata é professora do Instituto de Relações Internacionais  e Coordenadora do Núcleo de Estudos Europeus-NEE do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares  da Universidade de Brasília. Doutora em Ciência Política e Relações Internacionais, Universidad Complutense de Madrid.
Tags:

publicidade

publicidade