SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Plantando a consciência

Horta de 400m2 é o orgulho da Escola Classe nº 15, premiada em terceiro lugar no Green Move Festival. O GDF aproveita a época para semear 1,6 milhão de mudas na região e lança projeto interativo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/11/2012 08:00 / atualizado em 06/11/2012 12:26

De um lado, 400m² de horta plantada. De outro, 1,6 milhão de mudas espalhadas no DF com o apoio de internautas. Ideias verdes, estimuladas pelo governo ou pela sociedade civil, estão conquistando, pouco a pouco, o dia a dia do brasiliense. A palavra de ordem é tornar Brasília um centro de sustentabilidade e de preservação ambiental.

Para a garotada do Cantinho Verde, horta criada em 2008 na Escola Classe nº15 de Ceilândia, o contato com a terra foi motivo para sair da rotina, uma vez por semana, das cinco horas seguidas em sala de aula. Estudante do quinto ano, Alisson Silva, 11, e os colegas foram os primeiros a participar do projeto, quando ainda estavam no segundo ano. A direção escolheu um terreno que servia como depósito de lixo — e, consequentemente, de ratos e outros bichos — para ser reaproveitado. Atualmente, a plantação é de alface, rúcula, espinafre, pimenta, rabanete e ervas medicinais.

Esfregar as mãos de terra é essencial, hoje, para a rotina das crianças. Os produtos da horta vão direto para a cozinha, para o almoço dos estudantes. “Tem uma professora que diz para a gente comer verdura para ficar bonita, aí eu como”, explica a vaidosa Nathália Alexandra, 11. De fato, segundo os professores, a alimentação dentro de casa melhorou até mesmo para os pais. “Quando eles quiseram plantar cenoura, nós aproveitamos tudo. Fizemos docinho, bolo e até suco das folhas. Eles levaram para casa e os pais tiveram que comer”, lembra a professora Márcia Valéria, idealizadora do projeto.

Dentro dos conteúdos abordados estão o reaproveitamento da água, a reciclagem de materiais — o cercado em volta de cada canteiro é feito de garrafas PET — e até mesmo a valorização do serviço. Quando eles percebem que um pé de alface custa R$ 1, veem tudo o que foi realizado para que ele seja vendido a esse preço. “Eles não sabiam que dava tanto trabalho para ganhar só R$ 1”, disse o diretor da instituição, Ricardo Koziel.

Prêmio
Em 2008, a parceria do projeto foi com o Ministério da Educação (MEC) e com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater). Atualmente, a força dos pais no Cantinho Verde é essencial. No começo, eles receberam até mesmo o estímulo para que começassem a plantar em casa, com os filhos, além de oficinas ministradas na escola. Com o crescimento do projeto, chegaram convites para feiras de ciências e concursos.

Na quinta-feira (1º), os estudantes da Escola Classe 15 receberam o terceiro lugar no concurso Escola Green, do Green Move Festival, encerrado no domingo (4). Com os R$ 1 mil que ganharam, a direção vai levar a criançada para um dia no Nicolândia, no Parque da Cidade. Mas a recompensa é a sustentação que o projeto recebe. “Esses prêmios vêm para investir nessa horta. São o que ela precisa para continuar”, garante a professora Márcia Valéria.

Além do auxílio dos pais e do apoio da sociedade, o Cantinho Verde também conta com o trabalho árduo de adolescentes cumprindo medidas socioeducativas. Os jovens infratores vão, duas vezes por semana, fazer o serviço mais pesado no terreno, ajuda valiosa para o projeto. E, para eles, fica o trabalho como maior recompensa. “No começo, eles não gostam, ficam desanimados, mas vão tendo contato com a terra e começam a gostar”, conta o diretor.

Depois de recitar toda a fala que ele tinha preparado para a última feira de ciências, o estudante Alisson Silva, que passou por diversas instituições de ensino, afirma estar muito feliz na EC 15. “Essa foi a melhor escola em que eu já estudei na vida. Aprendi tudo o que eu sei hoje”, garante. Os colegas fazem coro à afirmação.

 

Jardineiro virtual

Depois do largo período de estiagem, o GDF assinou, em 28 de outubro, um decreto que institui no calendário oficial de eventos do DF a primeira semana de novembro como período de reflorestamento do cerrado. Foi plantada 1,6 milhão de mudas durante a semana passada em diversos pontos do Plano Piloto e das regiões administrativas. Uma forma de participar é utilizar um totem interativo, uma espécie de menu eletrônico que será distribuído pela cidade em parques, escolas, feiras, shopping centers, lojas de departamento e hotéis. O projeto Plante uma Árvore é um dos caminhos das mudas adquiridas: o usuário vai escolher a espécie e onde ela será plantada. Cada jardineiro virtual receberá por e-mail uma foto da muda escolhida, bem como terá o nome lembrado próximo à árvore plantada. 

Tags:

publicidade

publicidade