Tecnologia

Criatividade em 140 toques

Internautas têm até o fim do mês para eleger as melhores contas brasileiras no Twitter, indicadas ao prêmio YouPIX. Em fase de transição do microblog, que deixa de ser usado como rede social para se firmar como fonte de informação e humor, personagens fictícios se destacam

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/11/2012 08:00 / atualizado em 23/11/2012 12:27

Max Milliano Melo

 

Avatar de Bic Müller, considerado um dos melhores do ano (Arquivo pessoal) 
Avatar de Bic Müller, considerado um dos melhores do ano

Perfis engraçados, sátiras políticas, cantadas toscas e confusões envolvendo artistas famosos e canais de televisão. Essa é apenas parte do melhor conteúdo produzido por tuiteiros brasileiros de acordo com o Prêmio YouPIX Melhores da Twittosfera 2012, principal premiação dedicada ao microblog no país. A edição deste ano tem um tom especial, por ocorrer no momento em que a rede social passa por grandes mudanças no Brasil, deixando de ser um site de relacionamentos para se transformar em um espaço cada vez mais informativo.

Entre os 60 finalistas das 12 categorias, tem de tudo. Do perfil fake da presidente da República, o Dilma Bolada, à síndica do Twitter, Rosana Herman, passando pela blogueira Bic Müller. Todos indicados por um júri de experts no mundo virtual para depois serem votados pelos internautas, no endereço www.youpix.com. É possível opinar até o fim deste mês.

“Uma das tendências deste ano é a presença maior de personagens, e não apenas de intelectuais ou de celebridades”, conta Bia Granja, curadora do YouPIX. Essa tendência reflete outra característica que vem se acentuando na parcela brasileira do Twitter. “Nos últimos meses, a audiência do Twitter vem caindo no Brasil, diferentemente do restante do mundo”, diz Bia. Contudo, segundo ela, a notícia não representa uma queda na importância da rede no país. “Com o boom do Facebook, muitos usuários que usavam a rede para se relacionar migraram para lá. Os que ficaram são os mais interessados em informação e humor, que são duas características bem fortes do Twitter por aqui”, opina a curadora, lembrando que a ferramenta, mesmo com menos usuários, ainda tem capacidade de mobilização e de pautar os veículos de comunicação.

Um destaques da premiação deste ano, com quatro indicações (#FF do ano, Avatar do ano, Musa do ano e Uso criativo do Twitter), a multiblogueira Bic Müller acredita que a mudança no Twitter é, na verdade, um processo de reorganização da plataforma. “Acho que permaneceu quem conseguiu encontrar uma dinâmica, um grupo de interesses”, avalia. Bic não vê chances de a rede estar com seus dias contados. “Ainda não existe um substituto tão específico para o Twitter. Mas, assim como todas as redes sociais, algum dia ele também deve morrer, e as pessoas vão migrar para outro lugar”, arrisca.

Além de manter a sua conta pessoal, ela é uma das mentes por trás do Ai Morri de Sunga Branca, blog que satiriza o mundo dos famosos, e do Pedreiro Online, conta no Twitter de cantadas toscas que consegue se manter relevante há anos. “Acho que o Pedreiro Online virou um personagem que cativou as pessoas. Eu costumo brincar que ele tem vida própria, e um carisma só dele.”

Polêmica
Entre os indicados na categoria Uso criativo do Twitter, está uma confusão que envolveu Bia e o programa de tevê Mais Você. O matinal estava promovendo uma votação para decidir se o papagaio-fantoche Louro José deveria ir ao jogo do Corinthians, na final da Copa Libertadores. Bic decidiu, de brincadeira, mobilizar seus seguidores para votar no “não”. Tom Veiga, o artista que manipula o boneco, não gostou  da piada e xingou muito no Twitter. A confusão terminou com o “sim” vencendo — resultado contestado por alguns internautas.

Para a blogueira, o caso é um exemplo da dificuldade das empresas em usar a internet. “Muitas companhias querem entrar nas redes sociais para se relacionar, porém não querem discutir a relação com os clientes. É como se fosse um namoro em que um dos dois só quer a parte boa”, avalia a tuiteira. “Empresas que perdem o medo deste embate direto acabam saindo na frente das que preferem se preservar deste contato”, completa.

 

Tags: