SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Informática

Computadores dos tempos do K7

Amantes de PCs e de televisores antigos confessam que a paixão é o motor pela busca de aparelhos antigos e raros. Movimento na internet reúne colecionadores e promove troca de informações

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/02/2013 08:00 / atualizado em 19/02/2013 11:24

Shirley Pacelli /


Os computadores antigos de Emmerson (E) e Alexandre vêm de doações ou por meio da troca de equipamentos feitas por uma comunidade na internet: a história preservada (Jair Amaral/EM/D.A Press - 23/1/13) 
Os computadores antigos de Emmerson (E) e Alexandre vêm de doações ou por meio da troca de equipamentos feitas por uma comunidade na internet: a história preservada

No início do ano passado, Alexandre e Emmerson gastaram R$ 500 em novos modelos. Mas, normalmente, os computadores são obtidos por doações. Alexandre Neves conta que alguns aparelhos foram trazidos da Inglaterra pela irmã. Outra fonte é o movimento chamado Retro Computing, que reúne pessoas que têm museus pessoais de PCs. Essa comunidade promove trocas de equipamentos e informações entre si. “Há quem faça ainda novos programas para esses antigos computadores. O grupo é bem ativo na rede”, conta, ressaltando que há colecionadores que seguem a linha da Apple, enquanto outros a 586 (com processadores Pentium).

A dupla busca sempre por equipamentos que estejam funcionando e tenham os cabos e as caixas originais. Toda a coleção fica resguardada de poeira e umidade em três cômodos de um sítio. Pelo menos uma vez a cada dois anos, eles ligam todas as máquinas. Ato preventivo, já que a mão de obra de computadores tão antigos é muito difícil de ser encontrada. “Às vezes, ligamos as máquinas para mostrar para a nova geração. O Alex tem um filho de 4 anos e é interessante mostrar para ele os jogos primitivos, ouvir a trilha dos games”, explica. Alexandre, por sua vez, informa que só no fim de 1980 teve seu primeiro walkman e que a relação da música com o computador é especial: representava uma evolução.

Puro hobby
Questionado sobre qual o seu computador preferido, Alexandre, primeiramente, diz ser o ZX Spectrum + 2, que usou em sua adolescência. Ele tinha uma memória maior (128KB) e vinha com um gravador de K7 embutido. Pouco depois, muda de ideia e cita como o melhor o 1ChipMSX, projeto mais recente (2006) de um computador antigo da linha MSX. O micro aceita teclado de PC e pen drive.

No acervo da dupla, estão também revistas históricas que anunciavam os lançamentos dos computadores da década de 1980, como a Micro Sistemas, primeira publicação brasileira especializada. Alexandre e Emmerson ainda fazem a recuperação digital dos softwares que, em tempos remotos, eram gravados em fita cassete. E você pensando que os disquetes eram os acessórios mais arcaicos da história do computador...

A dupla de aficionados ressalta que coleciona máquinas por hobby, sem retorno financeiro. “Fazemos isso também para preservar a história dos computadores no Brasil”, afirma Emmerson Maurílio. A ideia, segundo ele, é montar um museu aberto ao público, e para que isso ocorra, estão organizando com mais critérios a coleção. Uma exposição é planejada ainda para este ano. Enquanto isso, vários encontros informais promovidos por eles vão fazendo a alegria dos amigos.


Tesouros 8-bit

 (Taringa/Reprodução Internet) 

1981 – TK82 C

» Produzido pela empresa brasileira Microdigital Eletrônica. Era um clone do ZX81, da Sinclair. A resolução máxima era de 64 x 44 pixels, em preto e branco. O armazenamento era feito em fitas cassetes.

 (Old Computers/Reprodução Internet ) 

1985 – TK-90X
» Também produzido pela Microdigital Eletrônica. Era baseado no computador doméstico ZX Spectrum, da Sinclair. Tornou-se popular devido ao baixo custo e à saída de joystick incorporada. Tinha uma grande biblioteca de software.


Cidadão consciente

No afã de acompanhar os lançamentos, muita gente troca seus gadgets em um curto período de tempo. O resultado é que todo ano cerca de 50 milhões de toneladas de resíduos eletrônicos são jogados fora no mundo. Comprou um Galaxy SIII e não sabe o que fazer com aquele velho e lendário Motorola? Se não quiser entrar na onda das coleções, nada de descartá-lo no lixo comum. Há vários pontos de coleta de material eletrônico em Brasília. Algumas organizações recuperam os equipamentos e os doam para projetos de inclusão digital. Outras os desmontam para vender os componentes. Confira os pontos de coleta:

Quadra da Informática
» Entrequadra 207/208 Norte

Philips
» Há dois pontos de coleta no DF:
» Taguatinga - 3354-9615 ou sunsony@uol.com.br
» Asa Sul - 3445-1991 ou eletronica@asakazu.com.br

Cooperativa 100 Dimensão e Dioxil
» www.dioxil.com.br
» Buscam eletroeletrônicos em casa.
» Telefones: 8516-4530, 9538-0442 e 9614-6101 (Sônia, Valter ou João)
» Endereço: QN 16, conjunto 5, lote 2, galpão – Área Especial – Riacho Fundo II

Eco-Tec
» www.ecotec.webnode.com
» Buscam eletroeletrônicos em casa, às sextas-feiras.
» Telefones: 8412-4634 e 3347-5873

Comitê para Democratização da Informática
» www.cdidf.blogspot.com
» Recebem doações de materiais de informática em bom estado de conservação.
» Telefone: 3322-7233
» Endereço: SDS Edifício Veâncio VI, loja 9, bloco O, Conic

SLU
» www.slu.df.gov.br
» Há 13 pontos de coleta:
» Asa Sul: Avenida das Nações S/N, às margens do Lago Paranoá
» Asa Norte: SGAIN Lote 23
» Gama: Avenida Contorno, Área Especial Lote 2, Setor Norte
» Taguatinga: QNG 47 Área Especial nº 9, Taguatinga Norte
» Sobradinho: Área Especial para Indústria nº 3 Lotes 4 a 6
» Brazlândia: Área Especial nº 2 Lotes I,J,K,L, Setor Norte
» Ceilândia: QNN 29Módulos G a K Área Especial, Ceilândia Norte
» Samambaia: Área Especial S/N QS 302, Samambaia Sul
» Paranoá e Itapoã: Quadra 05 Área Especial D Lotes 1 e 2
» São Sebastião: Quadra 305 Conjunto 14
» Planaltina: Área Especial Norte Lotes 11 e 12
» Recanto das Emas: Avenida Vargem da Benção Chácara nº 3
» Santa Maria: CL 408 Bloco A Área Especial
Tags:

publicidade

publicidade