SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Toque para se exercitar

Praticar atividades físicas por meio de aplicativos no smartphone e tablet facilita a vida de quem tem preguiça de ir à academia. O Informática selecionou programas de diversas plataformas que ajudam a conseguir uma rotina saudável sem sair de casa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/02/2013 13:30 / atualizado em 26/02/2013 13:38

Aplicativos que ajudam os usuários a terem um dia a dia mais saudável formam uma das principais categorias de ferramentas móveis disponíveis hoje no mercado. Diversas áreas e atividades são contempladas pelo segmento, desde os cuidados na alimentação e no sono ao desempenho em corridas e outros esportes.


As informações e detalhes de performance durante o exercício físico foram os principais motivos que levaram o consultor de marketing João Augusto Cisneiro a baixar o Endomondo, aplicativo para corredores e ciclistas, que registra dados como tamanho do percurso, velocidade do atleta e tempo de corrida. “Comecei a usar há pouco tempo. Desde então, não abro mão dele”, explica João, que tem o hábito de pedalar e correr semanalmente. O Endomondo consegue rastrear o usuário a partir da localização GPS e analisa a trajetória percorrida.


João conta que, com as informações que obtém com o aplicativo, passou a se policiar mais durante os exercícios. “Percebi em que aspectos eu podia melhorar e também vi quando conseguia fazer progressos. Por exemplo, passei a observar a evolução da minha velocidade a fazer um trajeto específico e pude saber como melhorar”, explica. “Esses dados são grandes motivadores, no fim das contas.”


Já o estudante Eduardo Barretto escolheu se exercitar via tablet em casa com dois aplicativos, que têm vídeos de musculação. Ele conta que começou a fazer esse tipo de atividade física no fim de 2011, quando baixou um aplicativo com exercícios de ioga. “Fiquei uns três meses praticando e depois decidi partir para outros. Pesquisei e vi que a variedade é imensa, tem aplicativo para um monte de práticas esportivas diferentes”, conta Eduardo.
“Agora, optei por dois de musculação: um para trabalhar abdômen e outro para o peitoral.” O estudante conta que usa o tablet cerca de três vezes por semana. “O treino é rápido, mas no fim você fica bastante cansado, da mesma forma como quando vai malhar fora. E dá bons resultados, sinto que esses exercícios têm me ajudado a melhorar o condicionamento e a força muscular.”

Cuidados
Para ele, a vantagem está na praticidade e na economia de tempo. “Os treinos que eles indicam duram, no máximo, 20 minutos, o que é ótimo para os dias em que não tenho tempo de ir à academia, por exemplo. Afinal, muitas vezes, isso é o que gasto apenas para ir e voltar de lá”, explica Eduardo.


Para Martim Bottaro, professor de educação física da Universidade de Brasília (UnB), os aplicativos são positivos, principalmente, por incentivarem a movimentação. “É bastante válido, porque a pessoa está de fato se exercitando, mesmo que não esteja acompanhada de um orientador”, defende Bottaro.


O professor ressalta, contudo, que é necessário ter certos cuidados. “Alguns desses aplicativos, por exemplo, têm diferentes níveis de dificuldade de exercício. Quando a pessoa começar a utilizá-los, é interessante que ela tente o mais simples para ver como se sai. Se estiver fácil demais, na próxima vez ela tenta um nível mais difícil, e assim vai até achar o adequado”, recomenda Bottaro. “Dessa forma, pode-se evitar que o usuário comece em uma dificuldade pesada demais e acabe com dores. Mas a atividade é positiva. O importante é não dar chance ao sedentarismo.”

 

Dicas

» Veja quais os aplicativos mais populares. Geralmente, são os com maior número de downloads
» Leia os comentários de quem já baixou. Às vezes, um aplicativo tem muitos downloads, mas pode ter recebido uma atualização de software que não o deixou tão legal
» Em caso de aplicativos com duas versões, uma grátis e outra paga, verifique o que uma
oferece a mais do que a outra e pondere se vale a pena desembolsar a quantia

Tags:

publicidade

publicidade