SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

UnB é centro de discussões para o desenvolvimento do país

Reforma Política, uso de energia solar e segurança de estruturas são temas de encontro sediado no Auditório da Reitoria

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/03/2013 16:09

Agência UnB

O papel de vanguarda das universidades na elaboração de projetos para o país contribuiu para que a Universidade de Brasília sediasse nesta segunda-feira, 4 de março, a primeira reunião do ano do Fórum Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (FDES). “Precisamos de todos os segmentos da sociedade no planejamento de um grande projeto de nação. E a participação da UnB, com sua estrutura e tudo o que representa, é importante para isso”, afirmou o presidente do fórum, Francisco Machado. Entre os assuntos centrais das apresentações realizadas no Auditório da Reitoria estiveram a defesa de uma reforma política ampla e a disseminação do uso da energia solar.

O tema mais espinhoso com proposições de mudanças na estrutura política do país foi abordado inicialmente pelo ex-presidente do Conselho Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Cezar Britto. Ele defendeu uma participação mais incisiva das organizações de classe na vida pública para evitar que as decisões fiquem a cargo apenas de políticos “que pensam muito mais nas próximas eleições que nas próximas gerações”. Britto citou a penetração social e política da OAB como exemplo bem-sucedido da participação de classes nas discussões nacionais. “É preciso suplantarmos os nossos interesses corporativos”, disse após fazer referência aos serviços prestados pela instituição à sociedade.

Emília Silberstein/UnB Agência
Raymundo Castro: " “Nosso país possui o maior número de ministérios e partidos políticos do mundo ocidental”

Membro da Organização Nacional pela Valorização da Engenharia, Arquitetura e Agronomia (OEAA), o advogado Raymundo Castro classificou como “urgentes” as reformas política e administrativa do Brasil. Ele se referiu ao excesso de barreiras burocráticas no país e a complexidade da máquina pública como doenças. “Nosso país possui o maior número de ministérios e partidos políticos do mundo ocidental”, criticou. “A França tem apenas 12, e é bem administrada”. Castro disse que o encaminhamento de proposições para as reformas é o objetivo mais importante na aproximação entre a OEAA, a FDES e a UnB.

O reitor Ivan Camargo afirmou que a presença da sociedade e das classes trabalhadoras nas lutas políticas é “indispensável” e lembrou sua experiência pessoal na campanha vitoriosa que o levou ao principal cargo administrativo da universidade. “É um processo difícil. Passei a respeitar muito mais os políticos depois de ter passado por um processo eleitoral”, relatou.  “A discussão política talvez seja a mais importante para o que todos queremos: um país melhor, mais justo e sustentável”, disse o reitor, com sinalização de que está satisfeito com a realização e o amadurecimento de debates dessa magnitude na UnB.

ENERGIA E SEGURANÇA – Embora a reforma política seja a meta prioritária do FDES, outros pontos importantes para o planejamento nacional foram abordados na reunião. O aproveitamento da luz solar foi o tema da apresentação do presidente da Câmara de Comércio Brasil-Portugal, Fernando Brites. Para ele, o modelo português de uso de painéis fotovoltaicos, que convertem energia solar em energia elétrica, poderia ser aplicado no Brasil. A cidade de Moura, no sudeste do país europeu, é base da maior central desse tipo de energia no mundo. “Ainda estamos queimando energia fóssil, quando poderíamos fazer uso de placas de energia fotovoltaicas”.

Emília Silberstein/UnB Agência
 Fernando Brites propõs parceria com UnB na área de energia solar

Para popularizar o uso dessa energia, Brites ressaltou que é importante o diálogo com as universidades. Ele informou já ter conversado com o reitor Ivan Camargo e com a vice-reitora Sônia Báo sobre o assunto e disse que é possível negociar concessão de bolsas para pesquisadores da área. “Tivemos apenas as primeiras conversas. Esperamos estabelecer uma parceria”, afirmou. “Acredito que as centrais fotovoltaicas podem ser um grande amparo para o desenvolvimento do país”.

Outro assunto que veio à tona foi o da segurança em construções. Engenheiros trataram da necessidade do acompanhamento regular de estruturas e edifícios. Acidentes recentes como o que matou 240 pessoas em uma boate no interior do Rio Grande do Sul e a queda de um alambrado na Arena do Grêmio, na capital Porto Alegre, foram citados como exemplo de que a vigilância em locais públicos precisa ser permanente.

O presidente Francisco Machado explicou que a diversidade dos temas tratados é uma característica do FDES. Estabelecido em 2011, o fórum traz como missão contribuir para que o Brasil seja “referência mundial em qualidade de vida, justiça social e competitividade, com desenvolvimento sustentável”.

Tags:

publicidade

publicidade