SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Mulheres fazem caminhada em contra violência doméstica no DF

Protestos em Ceilândia e Santa Maria cobram atenção adequada às vítimas: não há delegacias de atendimento às mulheres nas cidades-satélites do DF

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/03/2013 12:13 / atualizado em 08/03/2013 13:07

Duas caminhadas, uma que ocorrerá na Ceilândia, e outra, em Santa Maria, lembram vítimas da violência doméstica e protestam contra a falta de estrutura no Distrito Federal para atender mulheres agredidas. No próximo sábado (9), o grupo sai às 11h, da estação Metrô Ceilândia-Centro e segue até a Feira da Ceilândia para reivindicar, entre outras coisas, a implementação de Delegacias de Atendimento às Mulheres (DEAM). Atualmente, nenhuma cidade-satélite conta com este tipo de serviço.

No domingo (10), em Santa Maria, haverá outra marcha pelo mesmo tema, em memória de Fernanda Grazielly, assassinada a facadas em um Shopping do DF, na última semana. A concentração está prevista para 9h, em frente à padaria Raiz do Trigo, na CL 116.

Estatísticas
O Distrito Federal ocupa o sétimo lugar no ranking brasileiro de violência contra a mulher. Apenas em 2012, foram registrados 17.675 casos. No total, a cada 100 mil mulheres, aproximadamente 6 são assassinadas. Apenas nos primeiros dias de março, dois casos foram notórios, sendo que ambas já haviam denunciado seus agressores por violências anteriores. A ausência de qualificação das pessoas que lidam com as vítimas, o desconhecimento das mulheres sobre seus direitos e a falta de DEAMs são fatores que contribuem para a manutenção da violência.

A caminhada Dia da Mulher é Dia de Luta também protesta contra o racismo e a lesbofobia, além de outras negligências do poder público no DF, como a falta de creches públicas, que afeta a vida de muitas trabalhadoras.

Promotoras Legais Populares
Para combater a violência doméstica e outras violações aos direitos das mulheres, a Faculdade de Direito da Universidade de Brasília, em parceria com o Ministério Público, promove o curso de Promotoras Legais Populares (PLPs). A ação visa preparar mulheres para difundir informações sobre os seus direitos das mulheres e os meios para exigi-los, o que permite que elas apoiem vítimas de violações destes direitos.

Ainda no dia 9 de março, das 9h às 11h, as mulheres interessadas em fazer o próximo curso de formação de PLPs poderão realizar sua inscrição no Núcleo de Práticas Jurídicas da Faculdade de Direito, em frente ao metrô Ceilândia-Centro. O curso acontece aos sábados de 16 de março até o fim de novembro.

Virada Feminista
A caminhada Dia da Mulher é Dia de Luta e o mutirão de inscrição para o curso de PLPs integram a 1ª Virada Feminista do DF – Contra os Fundamentalismos. As ações são organizadas por mais de 20 organizações do Distrito Federal e ocorrem em Brasília, Ceilândia, Cidade Estrutural, Santa Maria, São Sebastião, Sobradinho e Vila Planalto. Confira no site a programação completa: www.feminismo.org.br/fmdf

O tema deste ano é a luta contra os fundamentalismos como prática política, quando grupos de determinadas hierarquias religiosas utilizam espaços de poder não apenas para impedir avanços dos direitos das mulheres e de outros grupos subrepresentados, como para retroagir em direitos já conquistados.

Serviço:
Inscrição para o curso de Promotoras Legais Populares.
Data: 9 de março
Horário: 9h às 11h
Local: Núcleo de Práticas Jurídicas da Faculdade de Direito da UnB (CNN 1, bloco E, sobreloja - em frente ao metrô Ceilândia-Centro)
Tags:

publicidade

publicidade