SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Ciência

Mosaico da evolução

Segundo novos estudos, o Australopithecus sediba, espécie que viveu há 2 milhões de anos, reunia uma mistura de características humanas e de macacos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/04/2013 19:00 / atualizado em 12/04/2013 12:15



Montagem revela como era o esqueleto do A. sediba, mostrado ao lado de um esqueleto humano moderno (à esquerda) para comparação (Revista Science/Divulgação) 
Montagem revela como era o esqueleto do A. sediba, mostrado ao lado de um esqueleto humano moderno (à esquerda) para comparação


Mais novidades sobre o Australopithecus sediba, espécie que viveu há aproximadamente 2 milhões de anos e que, desde sua descoberta intriga especialistas em evolução. Uma série de artigos publicados na edição de hoje da revista Science traz uma visão geral sobre o que se sabe até hoje sobre a anatomia desse hominídeo, com base em fósseis localizados na África do Sul. Os seis estudos ainda não dão certeza sobre em que parte da árvore genealógica dos hominídeos essa espécie se encaixa, mas mostram que ela é um exemplo notável da evolução humana, reunindo traços anatômicos encontrados em humanos e em macacos.

Esse mosaico de características — a pélvis, as mãos e os dentes têm traços humanos, por exemplo, enquanto os pés se parecem com os de chimpanzés — é o que torna difícil a classificação do A. sediba. Ele seria mais australopiteco ou mais humano? Ou uma ligação entre os dois gêneros? Hipóteses o colocam como uma espécie intermediária entre o Australopithecus africanus e o Homo habilis, enquanto outros especialistas arriscam dizer que se trata de um ancestral direto do Homo erectus. De qualquer forma, os restos achados na África do Sul são a prova de que a evolução está longe de ser algo linear e simples.

Depois de analisar os estudos, o paleontólogo Jorge Ferigolo, do Museu de Ciências Naturais da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, afirma que os novos dados trazem grandes avanços para preencher a história da evolução. “Com todas essas análises feitas, em membros superiores, mandíbulas, tórax e pés, podemos ver muitas semelhanças tanto com o A. africanus quanto com o Homo erectus, cartacterísticas que preenchem espaços em branco das pesquisas na área”, explica. “Na evolução, sempre trabalhamos com essas descobertas diferentes. O próprio Homo erectus possui elementos variados.”

Estudos dos dentes confirmam a mistura de características da espécie: molares como os dos humanos  (Revista Science/Divulgação) 
Estudos dos dentes confirmam a mistura de características da espécie: molares como os dos humanos


Dentes e mandíbula
 Uma das pesquisas divulgadas destaca as características dentárias de dois esqueletos (um masculino, chamado MH1, e um feminino, denominado MH2). Os dentes, afirmam os especialistas, são uma colagem de características primitivas, mas, como nos humanos, a espécie tinha cinco “cúspides” (a ponta ou extremidade aguda) em seu dente molar. Um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo, Joel Irish, destaca a importância da descoberta, já que esse é um grande diferencial usado na classificação dos mamíferos. “A parte mais significativa foram os molares, porque, com esses indícios, pudemos distinguir o esqueleto de outros tipos, mostrando que o A. sediba está mais perto de australopitecos da África do Sul, mas com traços humanos”, explica Irish.

Em outro artigo, o pesquisador Darryl de Ruiter e colegas examinaram a mandíbula de MH2, revelando uma “queixada” que difere da de outros australopitecos, tanto no tamanho quanto na forma. “Fizemos uma análise morfométrica, uma técnica matemática que nos permite examinar várias medidas diferentes de uma só vez. O que descobrimos foi que a mandíbula dela difere da de outros hominídeos, o que significa que estamos olhando para uma diferença biológica considerável”, diz. Ruiter define como importante a descoberta para estabelecer um padrão de crescimento do esqueleto. “Vimos que a forma de crescimento foi única, o que garante que o A. Sediba era mesmo uma espécie particular. E talvez o mais importante: descobrimos que essa característica apoia a hipótese de que a espécie compartilha uma ascendência estreita com o gênero Homo”, complementa o pesquisador.

As mãos eram parecidas com as dos homens, e os braços mais longos ajudavam nas escaladas (Alexander Joe/AFP - 8/9/11) 
As mãos eram parecidas com as dos homens, e os braços mais longos ajudavam nas escaladas


Membros superiores
A pesquisa referente aos membros superiores também aponta a mistura de elementos. Segundo o antropólogo Steve Churchill e seus colegas, os braços e os antebraços do A. sediba eram longos, sugerindo a conservação da capacidade de escalada e suspensão. Essas são características de australopitecos, mas as mãos lembram muito as humanas. O paleontólogo destaca que essa miscelânea é uma das partes mais surpreendentes do estudo. “Os esqueletos são primitivos em muitos aspectos, como o cérebro e o corpo pequeno, mas também apresentam traços humanos, por exemplo a organização do cérebro, o tamanho reduzido dos dentes e os músculos da mastigação”, define Churchill.

Os cientistas também comemoram a conservação dos ossos encontrados, o que permitiu chegar a essa conclusão. “Temos o membro superior mais bem reservado de todos os australopitecos já descobertos. Para o esqueleto MH2, temos ossos completos ou quase completos. A partir do ombro para baixo do pulso (e que têm um esqueleto de mão quase completo também). Isso nos permite determinar proporções dos membros sem ter que estimar o comprimento de todos os ossos. “, explica Churchill.

Os indícios encontrados nos membros superiores também apontam um jeito totalmente original de andar, apoiando-se apenas parcialmente nos braços. Ao analisar os esqueletos, o pesquisador Jeremy DeSilva chegou à conclusão de que a espécie realizava um salto pequeno, já que seu calcanhar se assemelhava ao de um chimpanzé. O A. sediba provavelmente andava com uma rotação interna do joelho e do quadril, com os pés ligeiramente torcidos. Os resultados sugerem que as espécies de australopitecos com traços tanto de macacos quanto de humanos utilizavam sua anatomia de maneiras diferentes — alguns subiam em árvores, alguns caminhavam no chão.

O tórax e a coluna também foram pesquisados e renderam resultados interessantes. A equipe de Scott Williams analisou duas colunas vertebrais parciais, observando que o tórax superior era muito estreito como o dos australopitecos, mas a coluna vertebral possuía o mesmo número de vértebras do Homo erectus. A espinha da espécie ostentava uma volta mais longa e mais flexível, também mais semelhante à do H. erectus.

O Australopithecus sediba ainda deve render muitos estudos de antropólogos e paleontólgos, que têm esperança de descobrir mais peças. “Desenterrar mais fósseis nos próximos anos pode trazer mais surpresas. Na paleontologia, sempre esperamos que, com mais achados, possamos preencher os espaços entre as espécies”, diz o paleontólogo Jorge Ferigolo.



Em Malapa

A descrição do Australopithecus sediba foi baseada em dois esqueletos parciais encontrados em Malapa, na África do Sul, em 2008. Fora encontrados no local restos de um macho de aproximadamente 13 anos e de uma fêmea adulta, com cerca de 30 anos. Os A. sediba podem ter vivido em savanas e se alimentado de frutas e outros alimentos encontrados em florestas — comportamento semelhante  ao de chimpanzés das savanas atuais. As condições pelas quais os indivíduos foram preservados são consideradas extraordinárias pelos cientistas.
Tags:

publicidade

publicidade