SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Pesquisa mostra mudança no perfil de quem migra para o DF

A procura por trabalho no setor público substitui a construção civil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/05/2013 16:30 / atualizado em 06/05/2013 16:49

Agência Brasília

Os migrantes que chegam a Brasília atualmente estão em busca de trabalho no setor público, diferentemente do que ocorria no período da construção da cidade, quando o atrativo eram as vagas na Construção Civil, relata um estudo divulgado hoje pela Codeplan.

"Os imigrantes eram jovens e em sua maioria do sexo masculino; o nível de escolaridade desses imigrantes era incipiente dada a pouca exigência para preenchimento de vagas", aponta o estudo Evolução dos Movimentos Migratórios para o Distrito Federal, da Codeplan.

A pesquisa revela que, em 1960, 65,8% dos habitantes do DF eram homens. Nesse período, a população era bastante jovem, com 43% nas idades entre 15 e 29 anos. Quando se considera a faixa dos 15 aos 39 anos, o percentual era de 52%.

Mudança
"O perfil dos que hoje buscam Brasília é bem diferenciado, tendo em vista que o foco de atração também é outro", informa o documento que analisou a migração para o DF desde antes de sua inauguração até a atualidade.

Hoje, o setor terciário, que inclui uma grande quantidade de postos de trabalho nos órgãos estatais, é um fator de atração determinante para o movimento de imigração a Brasília.

Em 2010, o serviço público detinha 86% das vagas disponíveis no mercado de trabalho. Nos grupos etários entre 20 e 49 anos, concentravam-se 79,7% dos empregados nas atividades terciárias.

Mais mulheres
Outra mudança aconteceu no gênero de quem decide morar na capital do País. Há cinco décadas, o grupo era predominantemente masculino. Hoje a situação se inverteu: as mulheres, com uma diferença pequena, constituem a maioria (52,2%).

Outro dado importante é o crescimento da população nascida no DF. Em 1991, cerca de 53% dos moradores da cidade eram migrantes. Até 2010, o percentual se inverteu, e quase 54% dos habitantes da capital eram brasilienses natos.

As informações analisados pela Codeplan servirão, a partir de agora, como base para a elaboração de políticas públicas, especialmente as relacionadas ao crescimento populacional, para garantir mais efetividade nas ações do GDF.

Confira a pesquisa na íntegra aqui.

Tags:

publicidade

publicidade