SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Pétalas de rosa para Nossa Senhora passar

Dez mil fiéis participam das festividades em homenagem à Virgem de Fátima na Asa Sul. Ontem, imagem foi levada ao altar em cortejo por Dragões da Independência

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/05/2013 12:47

Mariana Laboissière


Ao lado dos azulejos de Athos Bulcão, ocorre a cerimônia de coroação de Nossa Senhora de Fátima: procissão e barraquinhas na programação (Monique Renne/CB/D.A Press) 
Ao lado dos azulejos de Athos Bulcão, ocorre a cerimônia de coroação de Nossa Senhora de Fátima: procissão e barraquinhas na programação

No Dia de Nossa Senhora de Fátima, comemorado ontem por milhares de católicos no mundo, a Igrejinha da 307/308 Sul se encheu de fiéis. Do raiar do dia até a noite, foram rezadas seis missas, além da procissão e das coroações da Virgem. O ponto alto do evento foi a última celebração, às 18h45, a cargo do bispo auxiliar de Brasília dom Valdir Mamede. Na ocasião, 21 soldados do 1° Regimento de Cavalaria de Guardas, denominado Dragões da Independência, estavam perfilados para receber a imagem de Fátima, levada por seis deles em cortejo — ao longo de um tapete coberto por pétalas de rosas — até chegar ao altar erguido na área externa da capela.

Há 55 anos, as saudações em homenagem à Nossa Senhora de Fátima são feitas na Igrejinha, mas os organizadores estimam recorde de público nesta edição. Ontem, eles calcularam terem passado pelo local em torno de 10 mil pessoas. A data também marcou o encerramento da trezena comunitária, isto é, os 13 dias de orações dedicadas à santa. Desde 1° de maio, a imagem percorreu casas de famílias na Asa Sul. Nesses locais, o terço era rezado e, em seguida, promovida procissão em direção ao templo religioso, onde era celebrada uma missa.

Soldados do 1º Regimento perfilados na Igrejinha da 307/308 Sul: data comemorada há 55 anos (Bruno Peres/CB/D.A Press) 
Soldados do 1º Regimento perfilados na Igrejinha da 307/308 Sul: data comemorada há 55 anos

Barraquinhas de comidas típicas, como vatapá, galinhada e arroz carreteiro, além de doces e artigos religiosos, foram montadas no local para atender a comunidade. Ao todo, existiam cerca de 1,2 mil assentos para o público, que aplaudiu apresentações de grupos musicais no palco ao lado da capela. Ontem, a atração convidada era a banda da Base Aérea de Brasília. O pároco Junio César Roza, coordenador da festa, destacou a importância da programação. “Há dois aspectos: o religioso e o cultural. No primeiro, buscamos congregar a comunidade católica. No segundo,reunimos famílias para confraternizar”, argumentou.

Hildebrandes Silva aproveita para agradecer (Monique Renne/CB/D.A Press) 
Hildebrandes Silva aproveita para agradecer

Frades
As seis missas foram celebradas ontem com intervalo de uma hora e meia. A primeira ocorreu às 6h30 e a última, às 18h45. Na das 10h30, estava a aposentada Hildebrandes Silva, de 60 anos. Com um terço nas mãos, ela olhava com admiração a imagem de Nossa Senhora de Fátima. “Não costumo vir aqui com frequência, mas, no dia Dela, faço questão”, pontuou. “Sou devota, por isso, a data é especial. Aproveito para agradecer por tudo que Ela faz por mim e, neste ano, tenho um pedido especial”, contou.

Ângela Donizete recebe bênção: pedidos de saúde  (Monique Renne/CB/D.A Press) 
Ângela Donizete recebe bênção: pedidos de saúde

Assim como Hildebrandes, a aposentada Ângela Donizete de Deus, de 55 anos, afirma que já obteve várias graças, estendidas à família. “Consegui comprar um apartamento há três anos. Também pedi por um emprego para uma pessoa e fui atendida. Ela nunca me falta, sempre me atende”, justificou. Ângela ainda frisa a intervenção da Virgem em causas relacionadas à saúde. “Isso é algo que sempre peço para todo mundo e ela continua firme, me auxiliando”, concluiu.

Frades franciscanos atenderam os fiéis ao longo do dia, concedendo bênçãos às pessoas. A coordenadora social e financeira da festa, Gardênia Portela Lopes, de 62 anos, que há 17 trabalha no evento, comemora o aumento de público. “Antigamente, vinham mil pessoas. Hoje, esse número é 10 vezes maior. Acredito que isso ocorre por conta de tantas graças alcançadas pelas pessoas”, analisa.

Construída em 100 dias

Em 28 de junho de 1958, foi inaugurado o primeiro templo em alvenaria de Brasília: a Igreja Nossa Senhora de Fátima, conhecida popularmente como Igrejinha da 307/308 Sul. Com azulejos assinados por Athos Bulcão e projetada por Oscar Niemeyer, a capela — que lembra um chapéu de freira e tem teto em formato de lenço sustentado por três pilastras — ficou pronta em 100 dias. Esse prazo foi estipulado devido a uma promessa da então primeira-dama, Sarah Kubitschek. 
Tags:

publicidade

publicidade