SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Dia de são-joão

Saiba mais sobre a maior festa caipira do país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/06/2013 11:02


 (Maurenilson Freire/CB/D.A Press) 

Antônio

O santo predileto das moças que procuram marido foi um padre que viveu no século 19 e morreu moço. Diz a lenda que ele ficou famoso ajudando mocinhas a conseguirem um dote (um dinheiro que o noivo recebia do pai da noiva) para o casamento. O Dia de Santo Antônio é comemorado em 13 de junho.

Balão
Antigamente, o pessoal soltava balão na festa junina porque a tradição dizia que eles levavam os pedidos da galera até São João. Se o balão caísse, não era bom sinal, pois os pedidos não seriam atendidos. Mas você sabia que, em 1965, essa brincadeira virou crime? Por isso, nada dessa história de soltar balão, pular fogueira e outras ideias de jerico — o fogo pode machucar de verdade quem tenta pular e os balões podem provocar incêndios! Caipira prevenido vale por dois.

Correio elegante
Azaração total na festa! Deixe folhas de papel e caneta num cestinho para quem quiser escrever uma mensagem para o seu “amorrrrr”. O maior desafio vai ser arrumar alguém para ficar responsável por entregar os bilhetinhos e as respostas!

Doces
Não podem faltar os típicos: paçoca de amendoim e pé-de-moleque. O primeiro leva amendoim moído e o segundo, em pedacinhos pequenos, preparados com rapadura ou leite condensado. O pé-de-moleque ganhou esse nome porque é cascudo como... pé de moleque. Mas não pense nisso na hora de comer!

Europa
Foi lá que apareceu a festa junina, há uns dois mil anos, mas que acontecia para comemorar a colheita. Todo mundo oferecia comidas e bebidas para os deuses. Uma dessas divindades era Juna, mulher de Júpiter e símbolo da fecundidade.

Fogueira
Os pagãos (que acreditavam nos deuses antigos) achavam que o fogo espantava os maus espíritos, mas, para os cristãos, a fogueira é sinal de que uma boa notícia está vindo por aí.

Gente educada
Uma das partes mais famosas da quadrilha é o cumprimento às damas e aos cavalheiros. Com uma fileira de meninas e outra de meninos, uma de frente para a outra, as “damas” vão até os cavalheiros e fazem um cumprimento parecido com o de bailarina. Depois, é a vez dos meninos, que tiram o chapéu para as caipirinhas.

Hora da tradição
Nos arraiais mais tradicionais, rola uma cerimônia para levantar o mastro de São João, que é uma bandeira com a imagem dele no topo de um postinho, decorado com flores e fitas. Se a bandeira virar para o lado da casa do dono da festa quando está sendo levantada, ele vai ter muita boa sorte! E se apontar para uma pessoa, ela será abençoada.

Igreja Católica
Quando a Igreja começou a dominar a Europa, logo percebeu que essa festa da colheita rolava bem no aniversário de São João, o primo de Jesus, que o batizou e anunciou que ele estava chegando. Assim, as comemorações se juntaram numa festa só, que levou o nome de joanina — por causa de São João Batista – ou junina, como a gente conhece.

João
O dia do primo de Jesus cai em 24 de junho. De acordo com a Igreja Católica, João era filho de Isabel, prima de Maria, e que ficou grávida por um milagre, pois já era bem velhinha. Depois de adulto, João batizou Jesus no Rio Jordão.

Liso, liso é o pau de sebo
Tá, essa brincadeira não dá para fazer em casa, mas é supertradicional nas festas juninas: é um tronco de árvore fino, sem galhos, e ainda todo ensebado — lisinho, lisinho. Quem conseguir subir ganha uma prenda que fica lá no alto.

Milho

Não se esqueça de deixar esfriar antes de atacar a espiga. E que tal uma manteiga com sal para deixar o “mííío” ainda mais mió de bão? Com esse grão também são preparados mais pratos que são a cara da festa junina: a pipoca, a canjica e a pamonha!

Nos trinques
O arraiá geralmente é decorado com bandeirinhas de papel colorido, balões e palha de coqueiro, para deixar tudo bem bonito para a quadrilha e o casamento caipira.

Óia a cobra!
É um dos comandos da quadrilha. Quando alguém diz isso, todo mundo pula de medo da cobra e sai dançando na direção contrária.

Pedro
O líder dos apóstolos e guardião das chaves do céu tem seu dia comemorado em 29 de junho. São Pedro também foi o fundador da Igreja Católica, e o primeiro papa.

Quadrilha
Esse tipo de dança de parzinhos foi inventada justo na Inglaterra, um dos países mais sisudos do planeta, entre os séculos 13 e 14, e acabou virando moda também nos palácios reais na França. O costume veio para o Brasil com a Corte portuguesa, em 1808.

Reza braba

Para ganhar um marido, vale fazer de tudo com Santo Antônio, o santo casamenteiro, no dia dele. Algumas moçoilas até deixam o coitado pendurado de cabeça para baixo ou o colocam no congelador, até receberem um sinal de que seu príncipe está chegando!

Sanfoneiro, som na caixa!
Uma das músicas juninas mais famosas diz: “Capelinha de melão é de São João, é de cravo, é de rosa, é de manjericão...”

Tomba lata
Mais uma brincadeira junina. Antes de colocar as latinhas de refrigerante no lixo reciclável, faça uma pirâmide bem alta com elas. O jogador tem que tentar acertar o maior número de latas ao arremessar uma bolinha de tênis — mas a uma distância legal, ou vira marmelada.

Ui, ui!
Nos arraiás mais clássicos, também rola a tradição de atravessar o braseiro descalço. A tradição popular diz  que, se as pessoas acreditam de verdade em São João, fazendo o sinal da cruz e rezando antes da prova, não queimam os pés. Eu, hein?

Vinho quente
Uma das bebidas mais tradicionais dessa festa, mas que também dá pra fazer sem álcool — e ainda espantar o frio! É só pedir para a sua mãe trocar o vinho da receita por suco de uva.

Xiii...
Cuidado com a Cadeia, a grande vingança contra o correio elegante na festa. Se o seu “amorrr” não é tão legal assim, mande prender o mala. Basta eleger alguns convidados como guardinhas para tomar conta da cadeia, e pedir que eles levem o “elemento” para o xadrez.

Zabumba

É um dos instrumentos usados para tocar um forrozinho nas festas juninas no Nordeste, além das sanfonas, reco-reco e triângulo.
Tags:

publicidade

publicidade