SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Uma nova era dois em um

Notebooks híbridos, que ora fazem papel de tablet, ora de desktop, dão o tom de uma nova geração de computadores móveis que se prepara para chegar às vitrines. Integração com televisores e transferência rápida de dados são algumas das funcionalidades desses aparelhos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/06/2013 19:00 / atualizado em 18/06/2013 10:52


Kirk Skaugen, gerente-geral do grupo PC Client da Intel: pelo menos 50 modelos híbridos estarão disponíveis para os consumidores até o Natal (Walden Kirsch/Intel) 
Kirk Skaugen, gerente-geral do grupo PC Client da Intel: pelo menos 50 modelos híbridos estarão disponíveis para os consumidores até o Natal

Taipei (Taiwan) — O início dessa “revolução” dos computadores portáteis começou há quase dois anos, quando a Intel, em conjunto com outros fabricantes, anunciou a criação de uma nova categoria: a dos ultrabooks — notebooks que atendem determinadas especificações como limite máximo de espessura e de peso, velocidade para ligar/desligar, entre outras. No entanto, só agora com a chegada da quarta geração da família de processadores Core, batizada de Haswell, e com a difusão do sistema operacional Windows 8, focado em dispositivos touchscreen, é que as mudanças começaram a acontecer em maior velocidade.

“Para o consumidor, a novidade será tangível, principalmente, com a chegada de dispositivos com designs diferenciados, que exploram os recursos das telas sensíveis e que se adaptam às necessidades de uso”, explica o gerente-geral do grupo PC Client da Intel, Kirk Skaugen. Segundo ele, pelo menos 50 modelos de dispositivos híbridos, que alternam funcionalidades de tablets, notebooks, desktops e até smartphones, deverão ser lançados antes do Natal deste ano. Estima-se que os equipamentos devam custar a partir de
US$ 599 (aproximadamente R$ 1.250).

As fabricantes apostam nessa nova era e — com a chegada do novo processador, que além de ser mais potente, garante uma maior autonomia para as baterias — investem no desenvolvimento de modelos híbridos. O melhor exemplo é o chamado notebook com tela “destacável”, que pode ser utilizado como computador portátil, mas que também permite, uma vez que o display é removido da base do aparelho, ser usado como tablet.

Mais recursos
No entanto, a nova geração de notebooks vai além do visual e promete chegar trazendo muito mais funcionalidades. A começar pela chamada computação perceptiva. Trata-se de uma tecnologia muito difundida em filmes de ficção científica, que permite que o usuário interaja com a máquina sem a utilização de mouse ou de teclado. A partir de microfones e câmeras duplas embutidos nos notebooks, é possível executar comandos utilizando apenas a voz ou os gestos.

“Basta a pessoa falar ‘procurar por relógios no Google’ que o navegador é ativado e faz a pesquisa no buscador”, explica Anil Nanduri, diretor da área de computação perceptiva da Intel, durante a apresentação da novidade na Computex, feira de tecnologia que aconteceu neste mês em Taiwan. “Com as câmeras, o computador também é capaz de reconhecer gestos e até mesmo identificar o rosto do usuário (leia mais em O que vem por aí). Assim, basta fazer um determinado movimento com as mãos para que o comando, como abrir pastas ou copiar arquivos, seja aceito”, acrescenta. “A adoção dessas novas tecnologias nos próximos anos vai acontecer de forma mais rápida do que foi com a chegada do touchscreen”, acredita Nanduri.

Além disso, a nova safra de produtos vem equipada quase em sua totalidade com conexões que permitem atingir altas taxas de transferências de dados. Isso significa que as atuais portas USB 2.0 que enviam e recebem arquivos em uma velocidade de 480Mbps vão dar espaço para a chegada massiva de conexões USB 3.0 e Thunderbolt, que permitem ser até 20 vezes mais rápidas. “Durante muitos anos, os computadores portáteis se mantiveram sem grandes mudanças, basicamente com o mesmo aspecto e poucas evoluções. A partir de agora, vamos passar a ver muita coisa acontecer neste segmento”, aposta o presidente executivo da Asus, Jerry Shen.

O jornalista viajou a convite da Intel

O que vem por aí

Pronto para o uso

Um dos principais requisitos do chamado ultrabook é a capacidade de poder ser ligado e estar pronto para ser utilizado em menos de três segundos. Além disso, quando em repouso, ele ainda mantém os e-mails e as redes sociais do usuário atualizados.

Login facilitado
Em vez de uma, duas câmeras instaladas na parte superior do equipamento farão o reconhecimento do usuário a partir da identificação facial, permitindo o acesso direto a sites pré-cadastrados, ao e-mail, às redes sociais, ao e-banking etc.

Interação gadget e tevê
A maior parte da nova safra de ultrabooks já vem equipada com a tecnologia WiDi, ou Wireless Display, que permite transmitir, sem fio e com poucos cliques, o conteúdo em alta definição que é executado no portátil para a tevê. Basta ligar um pequeno adaptador ao televisor e pronto.

Rápida transmissão de dados
Se antes a indústria especulava qual padrão substituiria o USB em transferência de dados, hoje fala-se na coexistência das conexões USB 3.0 (transfere até 5Gbps) e Thunderbolt (até 10Gbps). Cada vez mais modelos adotam essas portas ultravelozes e a tendência é de que os periféricos sigam o mesmo caminho.
Tags:

publicidade

publicidade