SIGA O
Correio Braziliense

EVOLUÇãO »

Biodiversidade depende do surgimento de espécies

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/07/2013 18:00 / atualizado em 01/07/2013 10:21


Panda-vermelho é uma das espécies ameaçadas no mundo 
Panda-vermelho é uma das espécies ameaçadas no mundo


Uma pesquisa realizada por um biólogo da Universidade de São Paulo (USP) e um paleontólogo da Universidade da Califórnia lança um novo olhar sobre a dinâmica da biodiversidade na Terra. Segundo o trabalho de Tiago Quental e Charles Marshall, publicado recentemente na revista Science, a redução da variedade de espécies no planeta é fortemente influenciada pela diminuição do surgimento de novos grupos de animais. Em outras palavras, quanto menos a natureza consegue criar, menos variada ela se torna.

Quental explica que a teoria proposta pela dupla pode ser explicada pela chamada hipótese da Rainha Vermelha, teoria batizada em referência à personagem do clássico Alice através do espelho, do britânico Lewis Carroll. Proposta em 1973, ela defende que os organismos devem se adequar às condições do ambiente. Na obra de Carroll, a Rainha diz à Alice que, para sobreviver, “é preciso correr o máximo possível para permanecer no mesmo lugar”. Da mesma forma, as espécies necessitam de alteração constante para garantir a sobrevivência e a diversidade de seus descendentes.

Embora seja parecida com a teoria da evolução proposta por Charles Darwin, em que a seleção natural e a constante adaptação têm papel central, a tese da Rainha Vermelha enfatiza a coevolução simultânea das espécies. Ao apostar nessa hipótese, Quental e Marshall se colocam contrários a outro modelo, chamado Fracasso do Apostador (ou Gambler’s Ruin em inglês). “Essas dinâmicas não são como um jogador que perde tudo de uma vez em uma maré de azar. As espécies enfrentam constante mudança dos ambientes e, por isso, precisam se adaptar e evoluir continuamente”, defende Quental. Embora essa lógica pareça simples, “nenhum biólogo pensa como a falha em originar novas espécies pode ser uma das causas de extinção de outras em logo prazo”, pontua o biólogo da USP.

Previsões
Durante pouco mais de um ano, ele e Marshall analisaram 19 famílias de mamíferos que andaram sob a Terra nos últimos 65 milhões de anos. Os resultados revelam que o tempo médio da fase de ascensão de uma espécie é estatisticamente igual à de declínio, o que faz das trajetórias temporariamente simétricas. “A taxa de extinção aumenta quando outras espécies deixam de surgir. Além disso, a maioria das trajetórias de diversificação das espécies parece ser mais influenciada pelas taxas de origem do que pelas de extinção”, completa o autor.

Esses padrões podem alertar para um novo tipo de observação, que poderá ajudar os ecologistas a compreenderem que tipo de biodiversidade existirá nos próximos anos. “Não sabemos se o surgimento de espécies diminuiu, porque ninguém observa essas taxas. Não há registros atuais disso. Por isso, esse modelo chama nossa atenção para as taxas atuais de origem, que, se forem baixas demais, podem gerar consequências ambientais maiores do que as que prevemos para o meio ambiente”, analisa Rafael Loyola, biólogo da Universidade Federal de Goiás (UFG), que não participou do estudo. (IO)

"A taxa de extinção aumenta quando outras espécies deixam de surgir. Além disso, a maioria das trajetórias de diversificação das espécies parece ser mais influenciada pelas taxas de origem do que pelas de extinção”

Tiago Quental, biólogo da Universidade de São Paulo

 

Tags: