SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

SEMANA DA PÁTRIA »

Linha dura contra protesto mascarado

Expectativa de manifestações na área central de Brasília, com a presença de grupos violentos, como o Black blocs, faz setor de segurança mobilizar mais de 6 mil PMs. A ordem é revistar e prender pessoas com os rostos cobertos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/09/2013 12:15 / atualizado em 06/09/2013 12:21

Sheila Oliveira

Janine Moraes

O feriado de Sete de Setembro de 2013 será um dos mais tensos da história da capital do país. A Secretaria de Segurança do DF prometeu forte aparato devido à possibilidade de manifestações e da ação de vândalos. Mais de 6 mil policiais militares estão escalados para atuar na cidade, principalmente na área central do Plano Piloto. O número corresponde ao dobro do efetivo empregado na abertura da Copa das Confederações, em 15 de junho.

Ontem, na Esplanada dos Ministérios, cerca de 20 integrantes do grupo chamado Black blocs, conhecidos por irem a manifestações mascarados, foram identificados durante a retirada de dois acampamentos do local (leia matéria ao lado).
Para amanhã, nos arredores do Estádio Nacional Mané Garrincha, a polícia fará uma barreira em três linhas. Também com o objetivo de barrar a ação de vândalos, a PM revistará bolsas, mochilas e sacolas em todos os eventos. “Isso deverá ocorrer na porta do estádio e também no desembarque do metrô. O planejamento vem sendo feito há mais de 30 dias. Vamos agir com rigor. Os protestos acontecerão dentro do limite da legislação”, explicou o comandante-geral da PM, Jooziel de Melo Freire.
O mesmo esquema de segurança usado no Rio de Janeiro, que proíbe a presença de mascarados nas manifestações, deverá ser empregado no feriado. “Os policiais estão orientados a exigir a identificação de pessoas com rostos cobertos. Caso isso não ocorra, essas pessoas serão encaminhadas para a delegacia e, lá, permanecerão até que o reconhecimento, por meio de documento, seja feito”, afirmou o oficial.

Além da 5ª DP (Área Central), a Polícia Civil terá três delegacias extras funcionando amanhã. Uma delas ficará na área da Esplanada dos Ministérios, próximo ao desfile cívico; a segunda, no Bloco C do Comando Militar do Palácio do Planalto; e uma terceira, dentro do estádio.

Jooziel Freire afirmou que o serviço de inteligência da corporação mapeou, pelo menos, 50 mil confirmações de manifestantes em diversas páginas da internet. Em um busca pela web, dezenas de comunidades mencionam protestos no Sete de Setembro. Um dos grupos, o Bloco Independente, marca a concentração para as 12h, na Rodoviária do Plano Piloto. A Manifestação Brasília iniciará o protesto às 9h, no Museu da República. Na página da comunidade em uma rede social, o movimento havia recebido 45.254 curtidas até as 20h30. O Acorda, Brasília também irá às ruas.

 

Marcos Serra

Programação

Cinco eventos estão programados para o feriado: o desfile cívico na Esplanada; o concerto da Independência, na Torre de TV; o festival Celebrar Brasília, no Museu da República; o amistoso entre Brasil e Austrália, no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha; e o congresso nacional dos médicos, no Centro de Convenções. A expectativa do GDF é de que, durante todo o dia, cerca de 150 mil pessoas circulem pela área central de Brasília.

Só para o desfile cívico são aguardadas 50 mil pessoas. Os espectadores deverão contar com a segurança das Forças Armadas e o apoio de 1,4 mil policiais militares (leia ilustração). Unidades móveis do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Federal, além do Samu, estarão montadas no local.

Neste ano, 18 mil metros lineares de grades de metal, com 1,10m de altura cada, foram instalados ao longo do Eixo Monumental. Nas edições passadas do feriado, o total não ultrapassou os 14 mil metros. O secretário de Segurança Pública, Sandro Avelar, disse que as alterações são preventivas, diante de publicações nas redes sociais convidando a população a protestar contra causas diversas. “Estamos buscando informações por meio do serviço de inteligência da polícia para evitar que esse feriado se torne o mais violento dos últimos anos. É bem verdade que as informações são nesse sentido. Por conta disso, não serão permitidas manifestações na área do desfile”, garantiu Avelar.

O secretário de Segurança Pública informou ainda que há grupos organizados com objetivo de invadir o evento cívico. “Estamos monitorando grupos organizados que vão buscar, sim, cometer atos de violência, desde a hora do desfile até os demais eventos que vão acontecer na cidade, inclusive, no momento do jogo de futebol.”

Outra medida preventiva adotada pelo órgão será a redução do tempo em cerca de uma hora da apresentação do desfile cívico. O objetivo é evitar maior exposição de autoridades políticas, principalmente, da presidente Dilma Rousseff. O início do evento está previsto para as 8h15. O Departamento de Trânsito informou que o bloqueio do trânsito nas vias S1 e N1 da Esplanada, locais do desfile, tem início previsto para as 5h do sábado. As pistas reabrem após o término do desfile, às 10h.

Tumulto e prisões

» ARIADNE SAKKIS
» ÉTORE MEDEIROS

A retirada de dois acampamentos na Esplanada dos Ministérios revelou que grupos conhecidos pela violência em protestos estão a postos para atuar em Brasília no Sete de Setembro. Ontem, durante a desocupação do gramado usado por agentes penitenciários e manifestantes do União Brasília—Brasil, cerca de 20 jovens identificados como integrantes dos black blocs, 12 deles mascarados, foram ao local. Dois deles acabaram presos: uma garota, por ter um estilingue e bolas de gude; e um homem, por tentar tumultuar a ação policial. A PM usou spray de pimenta.
A confusão começou durante a negociação para a saída pacífica dos integrantes do União. Enquanto isso, equipes do Grupo Tático Operacional da PM revistaram os mascarados, que teriam ido à área central a fim de tentar evitar a retirada das barracas — cinco deles chegaram ontem do Rio de Janeiro. Com uma faca grande na mão, um policial checou os pertences dos jovens de rostos cobertos. Até as 21h de ontem, 15 barracas continuavam montadas na Esplanada.
O primeiro grupo a deixar o local foi o de agentes penitenciários. A categoria recolheu o acampamento após 65 dias — ela pressiona o Congresso a aprovar uma lei que a autorize a portar arma fora do serviço. Em troca, os servidores conseguiram que o Ministério da Justiça criasse um grupo de trabalho para estudar o pedido. “Se, em 60 dias, nada acontecer, vamos voltar”, prometeu o secretário-geral do Sindicato de Agentes de Atividades Penitenciárias do DF (Sindpen-DF). O grupo ocupava o local com o respaldo de uma liminar.
O União Brasília—Brasil, por sua vez, não tinha autorização para permanecer na Esplanada, como fazia havia 62 dias. Eles podiam ser autuados por edificação irregular em espaço público. Segundo os manifestantes, durante a semana, um representante da Secretaria Nacional de Relações Político-Sociais da Presidência da República esteve no local para pedir a saída do grupo. “Ele disse que, se não saíssemos, poderíamos ser enquadrados em um decreto que determina o que representa ameaça à soberania nacional ou a um chefe de estado”, disse um integrante do movimento.

Tags:

publicidade

publicidade