SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Registros no cérebro de primatas apoiam nova teoria da evolução

Pesquisadores do IB detectam neurônios no cérebro do macaco que respondem especificamente a imagens de serpentes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/11/2013 12:34 / atualizado em 04/11/2013 12:37

Agência UnB

Primatas e seres humanos possuem uma notável capacidade de detectar serpentes mesmo em ambientes com dificuldade de visão. A pesquisa realizada pelos professores do Instituto de Ciências Biológicas (IB) Rafael Souto Maior e Carlos Tomaz, em conjunto com pesquisadores japoneses e americanos, revelou que um determinado grupo de células nervosas no cérebro dos primatas respondia mais rápido na identificação de serpentes. O artigo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), na última segunda-feira (28). A pesquisa contou com o apoio da Asian CORE Program (Japão).

Por meio de sondas inseridas no cérebro dos macacos foi possível detectar que os neurônios localizados no pulvinar – parte do cérebro envolvida na atenção visual – foram mais rápida e fortemente ativados em resposta a estímulos visuais de serpentes, comparado com outros estímulos. “Nós realizamos testes em primatas justamente por eles terem uma estrutura cerebral bastante similar à do ser humano. Sendo assim, podemos supor que nós também temos essa capacidade de detectar serpentes”, explica o professor Tomaz.

Em várias mitologias, a serpente é vista como um ser insidioso, por ser um predador que não corre atrás, mas fica à espreita e depois ataca. “Nós vemos que há esse histórico marcante da serpente na nossa cultura. Ela agrega esse caráter da maldade escondida”, conta o professor Rafael Maior.

De acordo com o professor Carlos Tomaz, a pesquisa pode ter implicações práticas se analisada por outras perspectivas, como no caso da ofidiofobia, o medo de serpentes. “Sabemos que a ofidiofobia é a mais comum entre humanos. Esse estudo pode vir a ajudar no entendimento dos mecanismos neurais dessas fobias”, afirma.

Tags:

publicidade

publicidade