SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

TECNOLOGIA

Ajuda dos céus para melhorar o trânsito

Pesquisadores da USP e da Unicamp adaptam pequeno modelo de helicóptero não tripulado para auxiliar no monitoramento do tráfego urbano. O equipamento pode ser útil também no socorro às pessoas afetadas por enchentes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/12/2013 14:00

O microcóptero usado nos testes: capaz de coletar e enviar imagens por meio de rede sem fio (Fernanda Vilela/Divulgação) 
O microcóptero usado nos testes: capaz de coletar e enviar imagens por meio de rede sem fio

Ficar preso em engarrafamento por conta de uma batida é algo que tira do sério muitos motoristas todos os dias. Um projeto feito em parceria por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) busca minimizar esse problema, ao fornecer uma forma de os responsáveis pela gestão do tráfego nas cidades acompanharem melhor o que acontece nas ruas. Os especialistas desenvolveram um microcóptero — pequeno veículo aéreo não tripulado — munido de câmeras e sistemas de comunicação que colhe imagens das rodovias e as envia para as equipes de terra por meio de rede sem fio. O projeto ainda precisa ser aprimorado, mas pretende auxiliar a vida não só de quem fica com o carro parado nas vias. Os envolvidos no trabalho acreditam que a aeronave pode ser útil no atendimento de vítimas de catástrofes, como alagamentos e enchentes.
Professor do Departamento de Sistemas de Computação da USP e um dos autores do projeto, Jó Ueyama explica que a ideia surgiu após ele e sua equipe observarem o funcionamento de aparelhos semelhantes. “Vimos, em outras pesquisas, um avião utilizado por agricultores para pulverizar áreas de plantação. Tudo feito de forma automática”, conta. “Pensamos que poderíamos utilizar o mesmo tipo de tecnologia para trabalhar com essa estratégia no trânsito, algum aparelho que avisasse sobre acidentes e problemas gerais nas vias, mas que não precisasse de um piloto”, complementa.
Para dar início ao projeto, os pesquisadores adaptaram um pequeno modelo de helicóptero, importado da Alemanha, que se encaixava nos objetivos do projeto. O microcóptero é movido à bateria e equipado com sensores, câmeras de alta resolução leves e tecnologias de rede wi-fi, o que permite voos autônomos ou pré-programados. “Com esse sistema, conseguimos fazer com que ele se mova por controle remoto, com uma placa bem pequena de um computador , que tem um cabo que, conectado ao PC, repassa as imagens captadas e também ajuda a definir o trajeto a ser feito”, destaca.
O professor esclarece ainda que, para se comunicar com o microcóptero, os carros das equipes só precisam ser munidos de tecnologias simples. “Achamos que uma rede wi-fi seria a melhor saída, já que hoje em dia temos muitos carros que possuem essa tecnologia, fora redes de telefonia, que seriam de grande ajuda para que a comunicação e a troca de informações coletadas fossem eficientes.”
A tecnologia que permite a comunicação entre automóveis e a pequena aeronave é chamada de veicular ad hoc networks (Vanets). “O microcóptero serviria como uma ‘mula de dados’ ou como uma ponte de comunicação entre os veículos”, resume Ueyama. E motoristas comuns, com o equipamento de recepção adequado, também podem ser beneficiados. “Caso aconteça um acidente, ele transmite as coordenadas, não só para os agentes de trânsito ou o Corpo de Bombeiros, mas também para o seu carro”, ressalta.
O equipamento já passou por uma série de testes bem-sucedidos em altitudes mais baixas. Agora, ele será aprimorado para que voe mais alto. “Precisamos conseguir autorização da Aeronáutica para essa fase. Outro problema que precisa ser resolvido é fazer com que ele trafegue com segurança mesmo em tempos ruins. Hoje, ele possui um controle remoto, mas futuramente será autônomo”, destaca.

Outros usos

Ueyama acrescenta que outra aplicação que o microcóptero terá é auxiliar problemas como enchentes e alagamentos. “Esse projeto dá continuidade a um sistema que detecta enchentes e níveis de poluição em rios e córregos urbanos por meio de uma rede de sensores sem fio, instalados perto de rios e lagos, permitindo que a população seja avisada sobre eventuais riscos”, descreve. “Agregados a esse sistema, os microcópteros podem ajudar comunicando-se com esses sensores, disseminando dados e desviando o trânsito, para que os veículos evitem áreas alagadas”, exemplifica.
Para Leonardo Sanches, professor do curso de engenharia aeronáutica da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), o microcóptero é um dos produtos que devem virar tendência em sistemas de monitoramento aéreo. “A aplicação do uso de veículos aéreos não tripulados tem sido muito incentivada no Brasil. É um recurso que já observamos com sucesso em outros países, como os Estados Unidos”, lembra. Sanches acredita que o recurso pode trazer mais economia e eficiência. “Quando você faz essa vigilância pelo ar, consegue acessar lugares ao quais um carro não iria.”
Na opinião do professor da UFU, com aprimoramentos, o equipamento poderia auxiliar também na fiscalização ambiental, realizando, por exemplo, monitoramento marítimo, controlando melhor catástrofes naturais. No entanto, um bom sistema de navegação é fundamental para tudo isso. “Caso haja realmente a melhoria do sistema de localização, ele seria um bom recurso, pois poderia sobreviver a problemas de tempo ruim, algo que precisamos bastante”, completa.
Jó Ueyama explica que o projeto ainda não possui um custo definido para que o microcóptero possa ser vendido, mas que um dos objetivos é torná-lo viável também do ponto de vista econômico. “Comprar a base custa cerca de R$ 5 mil. Infelizmente, temos as tarifas de importação e as adaptações que custam um pouco também, mas temos fé de que poderemos tornar esse valores mais baixos, pedindo a isenção dessas taxas.”
Tags:

publicidade

publicidade