SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Cotas raciais para serviço público seguem princípio jurídico das cotas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/02/2014 16:56 / atualizado em 17/02/2014 17:15

Agência Senado

Para o advogado Ciro Bueno, especialista no tema inclusão, a reserva de 20% das vagas para negros nos concursos públicos tem equivalência jurídica nas cotas em universidades. Ele lembra que o Supremo Tribunal Federal (STF) já considerou as cotas constitucionais. Bueno participou de debate na Comissão de Direitos Humanos nesta segunda-feira (17).


Para especialista, cotas atendem princípios da eficácia e do interesse público

O especialista em ações afirmativas, com doutorado em Harvard, Adilson Moreira, defendeu a adoção de cotas para negros no serviço público, o que considera perfeitamente compatível com os princípios da eficácia e do interesse público. Em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos, Moreira afirmou que todas as pessoas brancas direta ou indiretamente se beneficiam da discriminação racial no Brasil e que as instituições brasileiras “são dominadas por um grupo racial de ascendência europeia, ou seja, brancos”.

Senadores divergem em relação à proposta de cotas para negros em concursos


O senador Ruben Figueiró (PSDB-MS) considera demagógica a proposta da presidente Dilma Rousseff, encaminhada ao Congresso, que reserva aos negros 20% das vagas em concursos públicos federais. Para a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), a política de cotas é necessária e temporal.

Wellington Dias: cota para negros em concurso é uma forma de combater preconceito

Para o senador Wellington Dias (PT-PI), ainda há no Brasil uma grande discriminação a índios e negros e a reserva de vagas em concursos públicos para negros é um avanço na política de cotas em relação ao setor público.

Ana Rita destaca políticas para inclusão de jovens negros

A presidente da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), senadora Ana Rita (PT-ES), fala sobre o extermínio de jovens negros no Brasil, tema de audiência da comissão nesta quinta-feira (10), e aponta a necessidade de políticas públicas para inclusão social da juventude negra.

Tags:

publicidade

publicidade