SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

CIÊNCIA

Conhecer para preservar

Estudo identifica os alimentos de espécie de tartaruga comum no Sul do país para traçar melhores estratégias de proteção

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/03/2014 14:00


 
Filhote encontrado às margens da BR-392: cientistas estudaram animais mortos na rodovia para traçar perfil alimentar da tartaruga-tigre-água (EM/D.A Press) 
Filhote encontrado às margens da BR-392: cientistas estudaram animais mortos na rodovia para traçar perfil alimentar da tartaruga-tigre-água


Belo Horizonte — Para preservar uma espécie, seja ela qual for, é fundamental conhecer sua fonte de alimentação. Pensando nisso, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (Ufla) e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) realizaram um estudo sobre a composição da dieta da tartaruga-tigre-d’água (Trachemys dorbigni). O artigo acaba de ser publicado pelo Journal of Natural History, periódico científico que tem como foco a entomologia e a zoologia e considerada uma das 100 publicações mais influentes em biologia e medicina ao longo dos últimos 100 anos, de acordo com pesquisa feita pela Special Libraries Association (SLA).

Durante quase um ano, o grupo, formado por Anelise Torres Hahn, Clarissa Alves da Rosa, Alex Bager e Ligia Krause, coletou tartarugas atropeladas na BR-392, próximo a Pelotas (RS), região que tem um alto índice de atropelamentos de animais. “Eu mesma coletava as tartarugas mortas na rodovia. Elas eram levadas ao laboratório para identificação do sexo, biometria e retirada do estômago. Esse era preservado em formol para posterior análise no laboratório”, conta Hahn, doutora em zoologia pela PUC-RS e mestre em biologia animal pela UFRGS.

De 73 indivíduos recolhidos, 39 tiveram o conteúdo estomacal removido, que foi uma das principais contribuições dessa pesquisa, como lembra Clarissa Rosa, ecóloga e doutoranda no programa de pós-graduação em ecologia aplicada da Ufla. Ela explica que, geralmente, os estudos são feitos por meio das fezes, o que limita os resultados, já que o processo de digestão pelo qual passam os alimentos dificulta sua identificação.

Analisar os conteúdos estomacais é mais eficiente, mas exige, muitas vezes, técnicas invasivas (abate do animal ou regurgito). “Nas fezes, muita informação se perde e fica mais difícil identificar elementos, devido ao processo de digestão acelerado. Quando analisamos o estômago, os itens estão mais bem preservados. Para você ter uma ideia, outro dia ajudei a dissecar um lagarto que foi atropelado e, quando abrimos a barriga dele, tinha um figo intacto dentro. Isso facilita o nosso trabalho. Por isso, acredito que uma das principais contribuições desse artigo é o método de estudo, que utilizou estômagos de animais atropelados, já que tais carcaças costumam ser descartadas sem o aproveitamento para estudos científicos”, frisa a cientista.

A tartaruga-tigre-d'água é a espécie desses quelônios mais comum no Sul do Brasil. No entanto, há poucos estudos sobre sua biologia. Anelise Hahn revela que o fato de ela ser recorrente facilita a coleta e fornece um número significativo de indivíduos que serão amostrados. Além disso, há um número grande de publicações sobre a alimentação em diferentes espécies da família (Emydidae), possibilitando a comparação da composição de dieta com outras espécies. “O conhecimento sobre a ecologia alimentar é muito importante, porque a dieta reflete a demanda dos micro-hábitats e as interações com outras espécies, principalmente no contexto atual de degradação dos ecossistemas, onde o conhecimento sobre suas características biológicas e ecológicas são fundamentais para planos de conservação efetivos”, frisa.
 
Descobertas
Entre outros resultados, os pesquisadores descobriram que a dieta desses animais envolve 26 itens alimentares, sendo que, entre as fêmeas, a variedade é maior. Hahn comenta que, no Sul do país, as tartarugas são animais onívoros, ou seja, se alimentam tanto de animais quanto de vegetais. Entre as fontes de origem animal, a pesquisadora diz que foram registrado desde moluscos e insetos a peixes.

Chamou a atenção ainda o fato de que, mesmo tendo sido feito em época de desova, a pesquisa identificou conteúdos nos estômagos de todas as fêmeas, contrariando resultados de estudos anteriores, segundo os quais elas não se alimentavam no período. A ecóloga Clarissa Alves da Rosa diz que todas as tartarugas fêmeas recolhidas estavam grávidas e que a variedade de itens encontrados no estômago delas era bem maior do que a encontrada no estômago dos machos.

Clarissa Rosa salienta que a principal importância do estudo é justamente a questão da conservação dos animais. Ela explica que, no Brasil, há pouco conhecimento sobre a ecologia das espécies nacionais e que, se queremos preservá-las, é necessário concentrarmos nessa questão. “Para preservar, é preciso saber que tipo de ambiente o animal necessita para viver, o que ele consome. No caso das tartarugas-tigre-d’água, que se alimentam basicamente de plantas aquáticas, já que vivem em zona de pântanos e banhados, essa região vem sendo afetada não só pela BR-392, como pelo cultivo de arroz que está drenando e, consequentemente, afetando a área. Se nosso foco é a conservação, é necessário focar também nos recursos e no ambiente”, enfatiza.
Tags:

publicidade

publicidade