SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

UnB assina acordo para aprimorar engenharia de aeronaves

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/03/2014 15:57

Agência UnB

Motores turbinados e peças para aviões devem ser projetados para serem leves, mas também para durarem. A ruptura de uma pá ou do disco onde as pás da turbina de uma aeronave se encaixam pode ser um incidente muito perigoso, até mesmo fatal. Devido aos diversos ciclos de decolagem, voo e pouso, tais componentes experimentam cargas variáveis que podem originar trincas (fendas) nas peças. Se esses defeitos não forem detectados a tempo de serem eliminados, eles vão crescer e podem levar a ruptura completa da peça. Esse fenômeno é denominado fadiga do material.

Grosso modo, a fadiga pode ser comparada ao que acontece quando dobramos repetidamente um clipe de escritório. Após um determinado número de repetições ele pode “fadigar” e romper. O problema da fadiga de materiais é considerado uma “praga” na indústria aeronáutica. Montagens mecânicas como a conexão entre a pá e o disco nos compressores de motores a jato de aeronaves, engrenagens que fazem a conexão entres os diferentes estágios de compressão, o acoplamento de anéis das rodas do trem de pouso e juntas rebitadas da fuselagem das aeronaves são apenas alguns exemplos de componentes que estão submetidos à fadiga e ao desgaste. Componentes precisam ser rigorosamente projetados para não falhar em uma indústria altamente competitiva.

Com o objetivo de aliar e coordenar esforços de pesquisa conjuntos, o setor acadêmico e grupos empresariais do setor aeronáutico têm se unido para superar o desafio de realizar estimativas de durabilidade mais precisas e confiáveis em componentes mecânicos submetidos à fadiga. Nesse sentido, a Universidade de Brasília, laboratórios da Ecole Normale Superieure de Cachan (ENS-CACHAN) e da Ecole Nationale Superieure de Mecanique et d’Aerotechnique (ISAE-ESNA), o Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) e as empresas Safran e Snecma  formalizarão parceria. O acordo representa a consolidação e ampliação de uma aliança entre grupos de pesquisa do Brasil e da França com destacada produção científica nesta área em nível internacional.

A associação de pesquisadores e laboratórios com competências técnicas e equipamentos complementares, apoiados por empresas que não apenas possuem aplicações práticas, mas também recursos para investimentos robustos nesses laboratórios. É uma receita de sucesso que tem sido incentivada nas melhores universidades e centros de pesquisa do mundo. Para formalizar o início dessa cooperação internacional será realizada uma solenidade no próximo dia 1° de Abril. O evento contará com a presença dos reitores Ivan Camargo, da UnB, Pierre-Paul Zalio, da ENS, e de François Haas, presidente do Grupo Safran para o Brasil, além dos líderes do Grupo Internacional na UnB, José Alexander Araújo, na ENS, Professora Sylvie Pommier e na Snecma, Jean Meriaux. O Evento ocorrerá as 10h45 na Finatec.

José Alexander Araújo é líder do Grupo de Pesquisa em Fadiga, Fratura e Materiais (GFFM) do Departamento de Engenharia Mecânica da Faculdade de Tecnologia da UnB.
Tags:

publicidade

publicidade