SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

SISTEMA OPERACIONAL »

A vez do Windows Phone

A plataforma da Microsoft mostra crescimento no mercado nacional e ultrapassa as vendas do iOS. O deficit de aplicativos preocupa os consumidores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/04/2014 14:00

Gabriel Magalhães acredita que, com a versão 8.1, a quantidade de apps no Windows Phone vai aumentar (Paulo Paiva/DP/D.A Press) 
Gabriel Magalhães acredita que, com a versão 8.1, a quantidade de apps no Windows Phone vai aumentar

A indústria de tecnologia costuma ser um setor competitivo e dinâmico, que leva muitas vezes à rivalidade entre empresas. A disputa por patentes entre Samsung e Apple é um dos casos mais emblemáticos dessa situação. Mas, no mercado brasileiro de smartphones, outros “jogadores” estão entrando em cena. Desde o último trimestre de 2013, a plataforma Windows Phone ultrapassou o iOS em participação nas vendas. E a tendência para este ano é de que o sistema da Microsoft cresça ainda mais. Com novos aparelhos chegando às prateleiras, sobram dúvidas para quem mordeu a maçã e não gostou, mas também cansou do Android.

Uma coisa é certa: não dá para ignorar o Windows Phone. Segundo dados da consultoria IDC, as vendas globais de smartphones cresceram 122% no ano passado. Para este ano, a expectativa da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) é um aumento de 61% no país. Nesse panorama do mercado nacional, Android lidera com ampla vantagem e está presente em 88,73% dos celulares inteligentes. Em segundo lugar, está o Windows Phone (6%) e, depois, o iOS (4,7%). O lanterninha é a BlackBerry, com apenas 0,27%. Então cabe a pergunta: vale a pena comprar um Windows Phone?

Como qualquer sistema operacional, ele tem virtudes e falhas. Mas o principal aspecto negativo da plataforma é justamente um ponto crucial do segmento de dispositivos móveis: aplicativos. Além da quantidade reduzida em relação a outros sistemas, os principais programas apresentam pequenos problemas. Só recentemente foi lançado um app oficial do Instagram, e outros, como o Facebook Messenger, possuem funcionalidades reduzidas.

O engenheiro de software Cláudio Santos Ramos Filho, 23, tem um aparelho com Windows Phone desde 2012 e relata algumas dificuldades com os aplicativo. “Snapchat e Telegram não estão no Windows Phone 8. Instagram e Waze são incompatíveis com a versão 7.8”. Mas a plataforma conta com méritos também, o próprio engenheiro afirma preferir o dispositivo com sistema da Microsoft. “Ele oferece mais segurança, agilidade, simplicidade e não trava. A área de contatos, com atualizações das redes sociais, é uma experiência à parte. Com as live tiles, consigo obter informações dinâmicas direto da internet e dos aplicativos somente olhando a tela inicial”, explica Cláudio.

Para o consultor de desenvolvimento do Centro de Inovação da Microsoft (MIC Etepam) Gabriel Magalhães, 25, o leque de aplicativos está se expandindo. “Algumas coisas ficam a desejar, mas isso não significa que o Windows Phone não preste. A nova versão, 8.1, deve fazer diferença”, analisa ele, que hoje possui um dispositivo com a versão 8.0.

Qualidade
O gerente-geral de Windows Phone da Microsoft Brasil Celso Winik adotou o discurso da qualidade no lugar da quantidade quando perguntado sobre os aplicativos. “A defasagem de dois anos atrás não é mais verdade. Os principais aplicativos ou derivados estão disponíveis, assim como os jogos”, frisou. O executivo comemorou os números do IDC e falou em “trajetória ascendente”.

Ele ainda lembrou de um ponto bastante favorável ao Windows Phone: segurança. A Microsoft, diferente da Google, costuma ser bastante rígida com o que entra na sua loja virtual. “São mais de 250 mil apps e todos testados. Garantimos procedência e qualidade”, defendeu.


Saiba mais

Vantagens
» As live tiles trazem informações dos aplicativos na página inicial
» Boa integração com redes sociais e Office
» Os aparelhos da linha Lumia, da Nokia, são bem robustos

Desvantagens
» Ainda faltam aplicativos conhecidos e mais diversidade
» Problemas em apps como WhatsApp e dificuldade com YouTube
» Atualizações menos frequentes que Android e iOS
Tags:

publicidade

publicidade