SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

RELIGIÃO »

Papiro sobre mulher de Jesus não é falso

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/04/2014 18:00 / atualizado em 11/04/2014 11:10

Análise científica feita por pesquisadores americanos atestou que o pedaço de papiro antigo que faz uma menção à mulher de Jesus não é uma falsificação. A peça, que mede quatro centímetros por oito centímetros, veio a público em 2012 e provocou grande controvérsia pelo fato de a tradição cristã afirmar que Cristo não era casado. Ela contém escritos na língua copta, que, de acordo com especialistas, assinalam: “Jesus disse-lhes: ‘Minha esposa...’’. Em outro trecho, segundo a tradução, diz: “Ela poderá ser minha discípula”.

Na época, o jornal do Vaticano declarou que o papiro era uma farsa, numa opinião respaldada por vários estudiosos, que duvidaram de sua autenticidade baseados em sua gramática pobre, texto borrado e origem incerta. Nunca antes um evangelho se referiu a Jesus como casado, ou tendo mulheres como discípulos.

Mas, agora, nova análise científica do fragmento e da tinta usada nele, bem como da escrita e da gramática, mostrou que ele é mesmo antigo. Não há sinais de falsificação. “Nenhuma evidência de fabricação moderna foi encontrada”, declarou a Harvard Divinity School em um comunicado. Segundo os resultados do estudo, publicados na Harvard Theological Review, o fragmento provavelmente remonta a uma data entre os séculos 6 e 9, mas poderia ter sido escrito até mesmo no segundo século da Era Comum. A origem do papiro é desconhecida. Acredita-se que seja egípcio.

Comparação
A datação do papiro foi feita por radiocarbono e a análise da tinta por espectroscopia Micro-Raman. Os trabalhos foram realizados por especialistas da Universidade de Columbia, da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). A equipe concluiu que a composição química do documento e os padrões de oxidação são consistentes com papiros antigos, ao comparar o fragmento do Evangelho da Esposa de Jesus (Gospel of Jesus' Wife – GJW, em inglês) com um fragmento do Evangelho de João. “O teste atual suporta, assim, a conclusão de que o papiro e a tinta do GJW são antigos”, esclareceu o laudo da análise.

Para Karen King, historiadora da Harvard Divinity School, o fato de a ciência mostrar que o papiro é antigo não prova que Jesus era casado. Estudiosa do cristianismo primitivo, foi ela quem recebeu o fragmento de um colecionador. “A questão principal do fragmento é afirmar que as mulheres que são mães e esposas podem ser discípulas de Jesus — um tema que foi muito debatido no início do cristianismo, num momento em que a virgindade celibatária se tornou cada vez mais valorizada”, ressaltou King em um comunicado. As constatações devem atiçar os debates sobre o celibato e o papel das mulheres na Igreja.

Segundo a historiadora, a data do documento significa que o autor não conhecia Jesus pessoalmente. Além disso, de acordo com ela, a aparência bruta e os erros gramaticais sugerem que o escritor tinha uma educação elementar.

Tags:

publicidade

publicidade