SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

HUB inicia atendimento em consultório itinerante de oftalmologia

Unidade móvel disponibiliza exames e consultas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/04/2014 16:46

Agência UnB

Robertina Fecundes Lacerda, embora sinta incômodo em um dos olhos há bastante tempo, nunca tinha sido avaliada por um profissional de saúde. A oportunidade surgiu no dia 10 de abril, quando fez sua primeira consulta com um oftalmologista, realizada na clínica móvel situada em frente à escola onde cursa o oitavo ano, o Centro de Ensino Fundamental Dra. Zilda Arns, no Itapoã (DF). “Estou mais tranquila por saber que não tenho nada sério. O atendimento foi ótimo e resolveu meu problema de forma rápida”, contou ela, depois de passar pelos exames básicos e receber orientação médica para o tratamento.

Robertina foi uma das primeiras alunas da escola beneficiadas pelo consultório itinerante de oftalmologia que, junto com o de odontologia, integram o projeto do Ministério da Educação, em parceria com o Ministério da Saúde. O objetivo é atender estudantes dos programas Saúde na Escola e Brasil Alfabetizado, criado pelo Governo Federal para identificar precocemente problemas da visão e garantir a saúde bucal de crianças e adolescentes.

“A ideia é ampliar o acesso à população nas áreas mais carentes e alinhar a assistência à formação profissional, já que os consultórios representam campos de prática para alunos de graduação da Universidade de Brasília”, explicou Rosane de Mendonça Gomes, coordenadora de Gestão da Clínica, da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), responsável pela coordenação do projeto em todo o país, que teve a adesão de 29 hospitais, ligados a 26 universidades federais.

“Estamos concretizando o sonho de inserir dentro da comunidade mais um serviço de assistência à saúde do Hospital Universitário de Brasília”, afirmou Hervaldo Sampaio Carvalho, superintendente do HUB. Para ele, o investimento em prevenção ainda na infância representa ganho para a saúde por toda a vida. “Ações de prevenção e orientação durante essa fase refletem-se em bons hábitos na vida adulta, além de assegurar saúde para o bom desempenho escolar”, disse.

ATENDIMENTO
Inicialmente, os alunos passam por uma triagem, em que é identificada a necessidade de atendimento e organizada a escala de prioridade. A expectativa é que os 2,5 mil alunos do centro de ensino sejam avaliados. “Esse atendimento vai trazer muitos benefícios para os estudantes dos três turnos, pois muitos têm dificuldade de aprendizado por problemas de visão”, afirma Paulo César dos Santos, diretor da escola.

A clínica móvel de oftalmologia abriga dois consultórios e oferece quatro exames: a refração, que verifica o grau dos olhos; o fundo de olho, que avalia se há alguma alteração na retina; a tonometria, que afere a pressão intraocular; e a biomicroscopia, para verificação da córnea. “São exames básicos e necessários para a realização de um atendimento completo em oftalmologia”, explicou Flávio Aranha, chefe do Serviço de Oftalmologia do HUB. O paciente que precisar de óculos com graus mais comuns ainda receberá o acessório na hora.

Ao lado do consultório de oftalmologia, funciona a clínica móvel de odontologia, que já atendeu aproximadamente 900 crianças da escola do Itapoã em um mês de funcionamento. No espaço, os profissionais realizam atendimento educativo-preventivo e serviços mais simples. “Há tratamento para doenças da gengiva, restauração de cárie e pequenas cirurgias, como extração de dente de leite”, exemplificou Cristine Miron Stefani, chefe da Unidade de Saúde Bucal do HUB.

Se os problemas apresentados são mais complexos e não podem ser resolvidos nos consultórios itinerantes, os pacientes são encaminhados para o Hospital Universitário de Brasília ou para as demais instituições públicas de saúde do Distrito Federal. “Nesses locais, será feita a continuidade do atendimento de saúde. A intenção é que as crianças possam estudar melhor e ter menos prejuízos no desenvolvimento escolar, já que criança com dor não aprende, nem se concentra”, disse Rosalina Aratani Sudo, subsecretária de Atenção Primária à Saúde, da Secretaria de Saúde do DF.
Tags:

publicidade

publicidade