SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

CUIDADO CEREBRAL »

Neurônio ligado a agressões paternas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/05/2014 16:30 / atualizado em 15/05/2014 11:04

Isabela de Oliveira /

Imagine-se quando bebê. Mas esqueça os cuidados e o aconchego recebidos pela família. Muito pelo contrário, tente se enxergar em uma casa onde irmãos e primos mais velhos desejam que você desapareça. Pode parecer um roteiro de filme de terror, mas esse é um dos comportamentos mais normais da natureza. Em meio a ameaças tão próximas, a vida de recém-nascidos de uma infinidade de animais, entre eles os ratos, depende que desperte o quanto antes no pai o sentimento de cuidado com a ninhada. Esse comportamento, entretanto, tem como pano de fundo um complexo mecanismo neurológico, descrito por pesquisadores da Universidade de Harvard na edição de hoje da revista Nature.

A pesquisa liderada por Zheng Wu confirma uma suspeita antiga entre os cientistas: a de que o sentimento de paternidade dos ratos é modulado pelo nariz. O órgão chamado vemeronasal funciona como um sensor que identifica os feromônios exalados pelos filhotes. Quando um gene desse sistema é deletado, o TRPC2, a substância química se torna indetectável e o comportamento agressivo contra os bebês  é anulado. Wu também percebeu que a atividade de um subconjunto de neurônios da área pré-ótica medial (MPOA), no hipotálamo, é maior entre fêmeas e machos que já tiveram alguma experiência parental. Entretanto, são menos ativos nos machos virgens que convivem com recém-nascidos, o que sugere que a estrutura está envolvida na agressividade contra ninhadas.

“Esse subconjunto de neurônios do MPOA expressa uma substância chamada galanina. Quando o deletamos de ratos virgens e também dos que já foram pais e mães, percebemos que eles não apresentaram mais o comportamento parental. Entretanto, se ativarmos esses neurônios nos machos que agem violentamente contra os filhotes, observamos que, além de se tornarem menos agressivos, passam a cuidar dos bebês”, diz Catherine Dulac, coautora do estudo.

Não está claro se o infanticídio fornece benefícios para machos virgens. Além disso, a agressividade dos pais ressurge 50 dias após o acasalamento, tempo necessário para que os filhotes nasçam e desmamem. Parece, portanto, que as interações sociais ligam ou desligam circuitos neurais específicos que determinam o comportamentos de machos e fêmeas. “Queremos entender como esses neurônios controlam isso: ser pai é, por exemplo, construir o ninho, cuidar e defender seus bebês. Mas como isso é organizado no cérebro e por que esses neurônios não são ativados nos animais virgens?”
Tags:

publicidade

publicidade