SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

UnB diz adeus a Edson Nery da Fonseca

Fundador da Biblioteca Central e do curso de Biblioteconomia da Universidade de Brasília foi vítima de complicações causadas por infecções

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/06/2014 19:06

Agência UnB

Luiz Filipe Barcelos/UnB Agência
Morreu, na manhã deste ultimo domingo (22), aos 92 anos, o bibliotecário, escritor, crítico literário, memorialista e professor emérito da Universidade de Brasília Edson Nery da Fonseca. Ele faleceu em decorrência de infecções pulmonar e urinária, na própria casa, em Olinda, onde recebia atendimento hospitalar. O corpo de Edson foi velado na segunda-feira (23), no Mosteiro de São Bento, também na cidade pernambucana. O sepultamento aconteceu em seguida, no Cemitério dos Ingleses, no Recife.

Edson Nery da Fonseca foi referência para a Biblioteconomia brasileira. O escritor pernambucano fundou os cursos de graduação em Biblioteconomia na Universidade Federal de Pernambuco - o primeiro da região do país -, e na Universidade de Brasília. Também foi responsável pela implantação da Biblioteca Central da UnB e colaborou para a criação da Faculdade de Ciência da Informação (FCI), que integra os cursos de Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia.

“O professor participou do debate sobre a criação da FCI e defendeu a proposta da unidade [antiga faculdade de Biblioteconomia] na reunião do Consuni, no dia 30 de abril de 2010. Ele foi aplaudido de pé e a proposta foi aprovada”, conta Elmira Luiza Melo Soares Simeão, atual coordenadora da FCI.

Ekmira ressalta as fortes ligações do bibliotecário com a UnB. “Ele sempre conversava conosco por telefone, para saber como estava o curso e a universidade. Ele tinha muita curiosidade pela rotina da universidade”, conta. Em resposta ao interesse de Edson Nery, Elmira enviava, com frequência, exemplares de livros e periódicos publicados na universidade. “Ele gostava muito da revista Darcy”, lembra.

LITERATURA
Nery ainda era especialista em literatura brasileira, reconhecido no Brasil e no exterior como o maior conhecedor da obra de Gilberto Freyre, autor de Casa-Grande e Senzala. O crítico literário também foi estudioso da poesia moderna de Manoel Bandeira, e escreveu dezenas de livros e artigos sobre Biblioteconomia e Literatura.
 
Trajetória de Edson Nery da Fonseca

1930-1941: ensino educacional do curso primário e secundário.

1942: com 21 anos, Fonseca ingressa na Faculdade de Direito do Recife interrompendo o curso em 1943 ao ser convocado para o Exército onde presta serviços até 1945. Neste período também exerce o jornalismo literário no Jornal do Comercio e no Diário de Pernambuco até 1946.

1946
: aos 25 anos é nomeado, pela Prefeitura Municipal do Recife, à Diretoria de Documentação e Cultura (DDC) tendo o estímulo necessário para a matrícula no curso Fundamental de Biblioteconomia da Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro, sendo diplomado no ano seguinte.

1948: retorna ao Recife onde, pela DDC, funda o 1° curso de Biblioteconomia do nordeste que dirige até 1951 quando é dispensado pela Universidade por ter escrito o artigo “Verdades incômodas”, publicado no Diário de Pernambuco, bem como dirigiu a reforma das Bibliotecas da Faculdade de Direito e da Escola de Engenharia.

1952-1953: reside em João Pessoa e sob os auspícios do Instituto Nacional do Livro ministra cursos intensivos de Biblioteconomia para bibliotecários do Estado da Paraíba, Pernambuco e Alagoas.

1954: transfere-se para o Rio de Janeiro onde organiza e dirige o Departamento de Bibliografia do Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação (IBBD); anteriormente a isso chefiou A Biblioteca Demonstrativa Castro Alves, no Rio de Janeiro, e bibliotecário do Departamento administrativo do serviço público – DASP.

1955: já em Brasília, ingressa por concurso público na carreira de bibliotecário da Câmara dos Deputados.

1956-1960
: é eleito Presidente da Associação Brasileira de Bibliotecários, também organizando e dirigindo a Comissão de Documentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

1962-1965: é convidado a integrar o corpo docente na nova Universidade de Brasília (UnB) como professor associado em regime de tempo parcial, para ministrar metodologia aos mestrandos na área de letras, Artes e Ciências Humanas, quando em 1965 torna-se professor titular, organizando e dirigindo os Cursos de Biblioteconomia.

1966: organiza e dirige na UnB a Faculdade de Biblioteconomia e Informação Científica.

1972: passa a dirigir a Faculdade de Estudos Sociais Aplicados da Universidade de Brasília, até 1978, e sua Biblioteca Central.

1976: contratado pelo UNESCO como consultor do projeto para criação de um sistema nacional de bibliotecas na Guiné-Bissau, e também consultor da Biblioteca do Congresso dos EUA.

1980-1987: requisitado para atuar na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj, Recife). Inicia as funções como 1° Superintendente do Instituto de Documentação. Em 82 é nomeado Coordenador de Assuntos Internacionais da Fundação, onde de 85 a 86 assume o cargo de Assessor da Presidência vindo a ser dispensado em 87. Exatamente em 1987 foi nomeado assessor do Presidente José Sarney.

1988: é designado pelo Presidente da República para compor a Comissão Especial responsável pela preservação dos documentos integrantes do acervo privado da Presidência onde trabalha até 1990.

1991: aos 70 anos, aposenta-se como professor da UnB.

1995: Foi condecorado com o título de Professor Emérito pela UnB.

Fonte: Faculdade de Ciência da Informação
Tags:

publicidade

publicidade