SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

UnB perde professora e pesquisadora Nancy Magalhães

Pesquisadora do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares, a docente esteve por 23 anos na universidade e foi uma das fundadoras do Iphan

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/07/2014 17:27 / atualizado em 02/07/2014 17:32

Agência UnB

Isa Lima/UnB Agência
A professora e pesquisadora Nancy Alessio Magalhães morreu no ultimo domingo (29). Vinculada à Universidade de Brasília desde 1991, a cientista liderou projetos de pesquisa e extensão no Núcleo de Estudos da Cultura, Oralidade, Imagem e Memória (Necoim), ligado ao Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares (Ceam). Também foi atuante nos programas de pós-graduação do Departamento de História e do Ceam.

Nancy formou-se em Ciências Sociais na Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1966. No fim da década seguinte, concluiu mestrado em Ciência Política pela Sociedade Brasileira de Instrução (SBI). O título de doutorado veio em 1996, na área de História Social pela Universidade de São Paulo (USP).

A professora da UnB deixa uma vasta obra literária. Escreveu, organizou e contribuiu para a publicação de mais de 20 livros. Os dois últimos, Marcas da terra, marcas na terra - um estudo da terra como patrimônio cultural e histórico e Senhora D'Abadia. Festejo Kalunga no Vão de Almas, foram publicados em 2013. Confira o Currículo Lattes da cientista.  

IPHAN
O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) lamenta o falecimento e registra condolências à família de Nancy Alessio Magalhães. Nancy atuou na Fundação Nacional Pró-Memória na década de 80, atual IPHAN, trabalhou em projetos junto a grupos indígenas, seringueiros e comunidades rurais da Amazônia nos estados de Roraima e Mato Grosso, entre outras atividades.

Em sua trajetória profissional contribuiu para a renovação do pensamento no campo da preservação do Patrimônio Cultural. Nas últimas décadas, já como professora universitária na Universidade de Brasília e pesquisadora do Núcleo de Estudos da Cultura, Oralidade, Imagem e Memória-NECOIM do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares-CEAM-UnB, realizou projetos de pesquisa e extensão nos quais articulava os campos teóricos da história, memória, patrimônio e identidade.

Com reflexões sempre atuais e sensíveis às questões patrimoniais, formou quadros de historiadores e pesquisadores, alguns hoje atuantes no próprio Iphan.  Neste processo, junto com a equipe do NECOIM-CEAM-UnB, produziu amplo conhecimento e instituiu rico acervo sobre a história de Brasília e do Distrito Federal. Sempre partindo da perspectiva daqueles que aqui se encontravam e dos operários-migrantes que se instalaram quando do início da construção da cidade, entre outros grupos identitários que vivenciaram e vivenciam processos histórico-culturais na região.

Recentemente, com apoio do Iphan, por meio do Edital do PNPI, desenvolveu o projeto “Memórias de quilombolas Kalunga em romaria no Vão de Almas-Cavalcante-Goiás". O trabalho resultou na formação de pesquisadores kalunga e na produção de um livro e um documentário sobre a romaria-festa de Nossa Senhora D’Abadia no Vão de Almas, localidade do município de Cavalcante em Goiás.

Nancy é considerada pelos amigos, uma mulher que transformou o mundo à sua volta, mestra na arte de ensinar e luz a iluminar a trajetória de muitos profissionais do patrimônio. O legado continuará por meio de suas obras, dotadas de um pensamento filosófico profundo e que, entre outras, deixa a mensagem de que o patrimônio vivenciado pela experiência humana demanda a busca e a compreensão dos excessos de significados da história em suas múltiplas temporalidades. Um legado em aberto, sujeito a permanentes reinterpretações e reapropriações. Em suas próprias palavras (2010):

“Não chegamos a apreender todo nosso ser quando lembramos, algo sempre nos escapa. Para pensarmos a nós mesmos, devemos pensar, simultaneamente, o que está além de nós, que nos escapa, o que não podemos conter nem compreender.”
Tags:

publicidade

publicidade