SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Representante de ministério defende criação de normas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/07/2014 14:13

Agência Câmara

O coordenador-geral de Monitoramento dos Benefícios por Incapacidade do Ministério da Previdência Social, Paulo Rogério de Oliveira, afirmou há pouco que a Constituição de 1988 ainda não está plenamente em vigor na questão trabalhista, faltando regulamentar diversas matérias referentes à saúde do trabalhador. Ele participa de audiência pública sobre o assunto na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados.


“Não temos uma lei de periculosidade no trabalho”, disse. “Também não regulamentamos a aposentadoria especial no Brasil.” Ele também propôs a regulamentação do adicional de insalubridade com base na carga horária. “A redução do risco é direito do trabalhador”, completou.


Segundo Oliveira, o Brasil registra 284 acidentes por hora de trabalho - são cinco trabalhadores acidentados por minuto e 10 mortos por dia.


O deputado Amauri Teixeira (PT-BA), que solicitou o debate, ressaltou que o impacto desses acidentes sobre a Previdência Social gira em torno de R$ 70 bilhões, incluindo auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e pensão vitalícia ao cônjuge, no caso de acidentes fatais. Além disso, há impactos sobre o Sistema Único de Saúde (SUS). “Precisamos atuar para reduzir o número de acidentes de trabalho”, completou.


A audiência ocorre no plenário 7.

Tags:

publicidade

publicidade