SIGA O
Correio Braziliense

Informática

Cidadania a um clique

Apesar de não terem fundamentação legal, as petições on-line não param de fazer sucesso: em uma das maiores plataformas, por exemplo, cresceram 284% no Brasil apenas no período da Copa. Confira como utilizar bem a internet para a mobilização social

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/08/2014 12:05 / atualizado em 05/08/2014 12:07

Laisa Queiroz /

Há alguns anos, a arte de protestar ganhou uma nova vertente que faz sucesso em vários países, especialmente no Brasil: as petições e abaixo-assinados on-line. Muitas vezes, as causas param por ali e não atingem os objetivos, mas, mesmo assim, a aderência a esse tipo de manifestação continua a crescer. Apenas no site Change.org, que conta com 2 milhões de usuários brasileiros (no mundo, chega a 70 milhões), no mês da Copa do Mundo, foram criadas 284% petições a mais que a média mensal do ano (de janeiro a maio de 2014). Em relação à quantidade de assinaturas, esse número foi 28% maior. As petições on-line são documentos que não têm o valor jurídico de um projeto de lei, mas, mesmo informais, ajudam a pressionar o poder em busca de mudanças, como aconteceu no caso da Lei Ficha Limpa, que surgiu da mobilização popular. Outro exemplo é o Código Florestal, que contou com 2 milhões de assinaturas na plataforma Avaaz para o veto total do texto em 2012 e promoveu um intenso debate entre ambientalistas e ruralistas.

“A internet tem revelado o abismo que há entre a sociedade e o Estado. Ela ao mesmo tempo cria pontes entre cidadãos e políticos e, assim, revela o quanto estamos distantes deles e temos valores e objetivos distintos”, opina a socióloga especialista em comunicação, democracia e globalização da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Heloisa Pait. Para ela, as petições on-line são uma excelente forma de expressar posições, encontrar pontos em comum e pressionar as autoridades. “Muitas vezes, elas querem esse tipo de força (popular) para poder aprovar um projeto ou mesmo levá-lo a votação. Mas claro que apenas as que têm expressivo apoio e não contradizem outras prioridades sociais estabelecidas é que acabam dando em alguma coisa.” O Informática entrevistou especialistas em direito digital para explicar como funcionam as petições on-line e como utilizar a internet para alcançar as tão sonhadas mudanças sociais.
Tags: