Combate ao mosquito

Trote solidário inclui calouros no combate ao Aedes aegypti em Universidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/02/2016 19:31

Portal MEC

 

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) descobriu uma forma de aplicar o chamado trote nos novos alunos. Só que para o bem. Durante as primeiras semanas de aula, os calouros participam do combate ao mosquito Aedes aegypit nos campi da instituição e ajudam a transformar o que era um problema em oportunidade de lutar por uma causa.

 

Por se tratar de um problema de saúde pública, que exige supervisão de equipe técnica, o Trote Cidadão, como ficou conhecida a iniciativa, conta com o apoio das secretarias de saúde municipais. Além do campus de João Pessoa, os campi de Bananeiras, Areia, Rio Tinto e Mamanguape e a unidade de Mangabeira recebem ações de combate ao mosquito e de conscientização. “Vendo o problema do zika vírus, achamos importante assumir essa batalha contra o mosquito”, afirmou o vice-coordenador da Comissão de Gestão Ambiental (CGA) da UFPB, professor Ruy Portela.

 

O Trote Cidadão é uma extensão do já existente Trote Verde, aplicado na universidade desde 2010. Nele, busca-se repassar a consciência ambiental aos novos alunos da UFPB com o replantio de espécies originárias da Mata Atlântica. Desde o início, foram plantadas mais de 3 mil mudas nos campi da instituição.

 

Preparação — A mobilização de combate ao mosquito começou em 29 de janeiro último, com a capacitação de mais de 300 funcionários, responsáveis pela limpeza do campus I (João Pessoa), e a participação de agentes de saúde da capital paraibana. Os servidores estão aptos a vistoriar instalações, eliminar focos de insetos e realizar ações preventivas. No mesmo dia, foi feita uma varredura no campus, além de outras atividades no decorrer da semana.

 

Assim como os funcionários, os calouros receberão orientação da equipe da Secretaria de Saúde de João Pessoa. “Esperamos criar um ambiente de conscientização dentro de toda a universidade para a questão da necessidade de combater o Aedes aegypti”,ressaltou o professor Ruy Portela. “Os calouros terão o mesmo treinamento feito com os servidores.”

 

Para a reitora Margareth Diniz, ações como essa demonstram o engajamento de todos os segmentos de servidores da instituição. “Sempre pensando em promover o bem, tanto para a comunidade acadêmica quanto para toda sociedade que frequenta e utiliza os serviços que a UFPB disponibiliza.”

 

As datas para a mobilização dos calouros serão divulgadas na página da Comissão de Gestão Ambiental (CGA) da UFPB na internet.