Educação pública

FNDE monta estrutura para informar prefeitos paulistas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/02/2017 18:47

Cerca de 70 prefeitos do estado de São Paulo estiveram nesta terça-feira, 17, em Brasília, para pleitear recursos públicos e tirar pessoalmente dúvidas sobre programas e investimentos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Para isso, o ministro Mendonça Filho determinou que fosse montada uma estrutura de atendimento no auditório do MEC com toda a equipe técnica do FNDE. “Queremos ter os gestores municipais como parceiros efetivos, em iniciativas que incluem o apoio à conclusão de obras paralisadas e a melhoria na qualidade da alfabetização nas escolas”, disse.

 

Grande parte dos prefeitos reunidos no MEC cumpre o primeiro mandato na administração. Muitos deles ainda estão se inteirando das próprias demandas locais e desconhecem a maioria das ações do governo federal na área educacional. “Eventos como o de hoje estreitam as relações entre os entes federativos e são uma ótima forma de difundir conhecimentos”, explicou o diretor de gestão, articulação e projetos educacionais do Fundo, Leandro Damy. “Trata-se, ainda, de uma oportunidade ímpar para que enxerguem o que está acontecendo em seus municípios.”

 

Segundo o diretor, essa aproximação com os prefeitos já vem sendo realizada em trabalhos itinerantes do FNDE pelo País. Em 2016 foram quatro edições e para este ano estão programados mais 10 encontros. “São 5,5 mil municípios conveniados com o FNDE, sendo mais de 28 mil obras em execução. O interesse do ministro Mendonça Filho é entregar todas elas. Ele já determinou novos estudos para a destinação de verbas orçamentárias da União para reajustes para o transporte escolar e a conclusão de obras, por exemplo”, concluiu.

 

Para o prefeito de Caieiras, Gerson Romero, a parceria com o governo federal pode resolver uma série de problemas que herdou da última gestão, especialmente em relação às creches, que hoje atendem apenas metade da demanda. Já Guilherme Colombo, de Santa Adélia, espera resolver as dificuldades com o transporte escolar. “Hoje garantimos o serviço com dinheiro do município”, informou. A preocupação de Alcemir Gréggio, de Urupê, é com a conclusão de reformas e construção de novas escolas. “Espero voltar para casa com ótimas notícias.” 

 

 

 

 

Portal MEC