SIGA O
Correio Braziliense

LLAZER »

Circo reúne alunos e famílias

Evento realizado em parceria com a Secretaria de Esporte proporciona diversão fora das aulas nos Centros Olímpicos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/04/2017 18:40

Camila de magalhães

As brincadeiras dos palhaços, as piruetas dos acrobatas e a coordenação dos malabaristas encheram os olhos das cerca de mil pessoas que acompanharam o espetáculo na manhã de ontem no Centro Olímpico e Paralímpico de Sobradinho. E foi nesse espírito de diversão e resgate da cultura popular que diferentes gerações se encontraram e curtiram a Festa do Circo realizada pela Fundação Assis Chateaubriand e Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer do Distrito Federal. O evento foi o primeiro de sete, que continua hoje na Estrutural e vai até maio em outros cinco Centros Olímpicos e Paralímpicos do DF. A proposta é oferecer aos alunos e familiares um momento de descontração e união fora das aulas esportivas regulares.



Além de assistir ao espetáculo apresentado por artistas, a garotada participou de brincadeiras e de oficinas. “O resgate das brincadeiras populares tradicionais são fundamentais para construir a infância nos moldes humanos, menos virtual”, destacou o artista circense Luciano Astiko. A aluna de futebol society Luísa de Carvalho, 11 anos, se divertiu com o desafio de se equilibrar na perna de pau. Ryan Maciel da Mata, 13 anos, deixou para trás a cadeira de rodas e colocou força nos braços para flutuar sobre o tecido. A mãe dele, a servidora pública Sabrina Maciel, 38, ficou emocionada ao ver o filho aproveitando a atividade.“É tão bom ver ele se esforçando, superando seus limites e tentando fazer coisas que as pessoas não acreditam que ele conseguiria, tendo paralisia cerebral”, observou.

Mãe de autista, a administradora Nancy Fernandes, 55, exaltou a homenagem feita no evento pelo Dia Mundial da Conscientização do Autismo, celebrado hoje. “Aqui tem mãos de gente que tem carinho e se preocupa com a qualidade do serviço que presta para a comunidade. Muitas vezes, meu menino em crise não consegue aceitar os comandos, mas a equipe me ajuda muito, me incentiva e é muito bem preparada. Há 28 anos luto por direitos, igualdade, diretrizes que possam proporcionar ao autista uma condição de vida mais decente.” Confira as datas dos próximos eventos em www.facbrasil.org.br