SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Governo oferece reajuste nominal de 25% a 40% aos professores das federais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/07/2012 18:47

Mariana Niederauer

O governo acaba de entregar uma contrapoposta aos professores das universidades federais na tarde desta terça-feira (24/7).O reajuste varia de 25% a 40%, mas não leva em consideração o índice de inflação para o período de 2013 a 2015. O aumento será dado a partir de março de 2013 e não mais no segundo semestre do ano que vem. Na contrapoposta apresentada aos professores, em greve há mais de dois meses, o governo aumentou de R$ 3,9 bilhões para R$ 4,2 bilhões o impacto orçamentário do reajuste.

“A primeira avaliação que a gente faz é de que o governo atendeu a todos os 15 pontos criticados pelo Proifes (Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior)a respeito da proposta de 13 de julho”, afirmou o presidente da entidade, Eduardo Rolim. O encontro teve início às 17h40, e houve uma pausa para que a categoria analisasse a proposta. Depois disso, a reunião deverá ser retomada.

O Executivo manteve a redução de 17 para 13 níveis de progressão na carreira do professor universitário, e tirou a exigência do cumprimento de 12 horas/aula por semana e os critérios de avaliação para que os docentes progridam na carreira.

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), que decretou a greve nacional em 17 de maio, ainda vai analisar a proposta, mas adiantou que, na essência, ela continua a mesma. A categoria deve se reunir esta semana e se encontrar novamente com o governo na semana que vem. A paralisação já dura 69 dias e atinge 57 das 59 instituições federais de ensino superior. Os docentes da Universidade de Brasília (UnB) se reunirão em assembleia na quinta-feira (26/7).

Espera
O fim das negociações com os professores é aguardado também pelos servidores técnico- administrativos das universidades federais, em greve desde 11 de junho. Em reunião com reitores na semana passada, o ministro Aloizio Mercadante afirmou que só irá negociar com os técnicos quando o impasse com os docentes for resolvido.

Enquanto isso, os mais de 3 mil aprovados no 2º vestibular de 2012 da Universidade de Brasília (UnB), aguardam para fazer o registro, que depende dos servidores técnicos da instituição. Por esse motivo, também não pode ser feita a lista de aprovados em segunda chamada, que deveria ter sido divulgada nesta terça-feira.

Na segunda-feira (23) os professores apresentaram críticas à proposta feita pelos ministérios do Planejamento e da Educação em 13 de julho e o Executivo pediu um prazo para analisá-las. Participam da reunião o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), a Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes) e Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica (Sinasefe).
Tags:

publicidade

publicidade