SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Universidades Federais do PR

Discutição sobre o fim da greve só na próxima semana no PR

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/08/2012 17:47 / atualizado em 30/08/2012 17:53

 Curitiba – Os professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) decidiram, em assembleias realizadas hoje (30), não colocar em votação o fim da paralisação da categoria.

Com a decisão, motivada pelo fato de o fim da greve não constar dos editais de convocação das assembleias, a categoria se mantém de braços cruzados em ambas as universidades. Um possível encerramento da paralisação foi incluído como item de pauta das assembleias da próxima semana.

Na UTFPR, a nova assembleia está marcada para a tarde de quinta-feira (6). "A nossa esperança é de que uma intermediação dos senadores possa sensibilizar o governo a retomar as negociações", disse a professora Maurini de Souza, integrante do comando local de greve da UTFPR, em entrevista à Agência Brasil, referindo-se a uma audiência realizada ontem (29) pela Comissão de Educação do Senado.

Na UFPR, os professores ainda irão avaliar na próxima semana se a eventual saída da greve será feita de forma autônoma ou subordinada ao comando nacional da paralisação. Um grupo de professores chegou a protocolar um abaixo-assinado pedindo o fim da greve, mas o documento não foi analisado por não conter o número mínimo de 10% de assinaturas dos professores da instituição.

Os professores da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), sediada em Foz do Iguaçu (PR), também continuam em greve. Eles fazem nova assembleia amanhã (31), mas não está em pauta o retorno ao trabalho, que também será debatido apenas na semana que vem. "A gente sabe que está difícil fazer o governo reabrir negociação com o prazo da lei orçamentária [que foi entregue hoje], mas nossas reivindicações não dizem respeito apenas a reajuste salarial, temos outras pautas, como o plano de carreira", disse Gisele Ricobom, presidenta da Associação de Docentes da Unila. "O governo deveria reabrir as negociações porque o acordo não foi assinado pela maior parte da categoria."

Das 11 universidades federais localizadas na Região Sul, nove estavam em greve até ontem, conforme levantamento da Agência Brasil. A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) deve retomar as aulas na segunda-feira (3).

O governo federal considera encerrada a negociação com a categoria desde o último dia 13, quando assinou um acordo com o Sindicato de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes), que aceitou a proposta de reajuste, com percentuais que variam de 25% a 40%. O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) rejeitou o acordo e apresentou uma contraproposta ao governo, que não reabriu a negociação.
Tags:

publicidade

publicidade