publicidade

9 mil professores participam de marcha na Esplanada nesta quarta (5)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/09/2012 11:55 / atualizado em 05/09/2012 13:58

Cerca de 9 mil professores e outros funcionários da área da educação participam, na manhã desta quarta-feira (5/9), da Marcha Nacional da Educação, uma das atividades do Dia Nacional de Mobilização da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Os manifestantes se reuniram próximo à Torre de TV e marcham rumo ao Congresso Nacional, ocupando três faixas do Eixo Monumental. O volume de pessoas atrapalha o trânsito e os motoristas que passam pelo local reclamam e buzinam por causa do engarrafamento que se formou.

Os professores e servidores da educação querem que o governo aprove o Plano Nacional da Educação (PNE) incluindo um investimento de 10% do Produto Interno Bruto (PIB). Outra reivindicação é o estabelecimento de um piso nacional para a categoria e a construção de carreiras para o magistério básico.

Claudir Nespovo, presidente da CUT do Rio Grande do Sul, explica que há duas grandes pautas do movimento. A primeira é a valorização da educação e a segunda é o respeito ao piso salarial dos professores. "O piso atual é de R$ 1.451 para uma carga horária de 40 horas por semana e, em muitos estados, este valor é desrespeitado. Isso interfere diretamente na qualidade da educação", critica Claudir. Ele também reclama da terceirização no ensino público:"Não aceitamos a terceirização dos serviços da educação pública. O funcionário terceirizado não tem vínculo com a educação e fazem um serviço de segunda categoria".

Além de professores, estão presentes representantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Após a marcha, os servidores pretendem fazer uma ocupação pacífica do Congresso Nacional, a partir das 14h, para conversar e expor reivindicações a parlamentares.

A secretária-geral da Confederação dos Trabalhadores da Educação da Argentina (CTERA), Stella Maldonado, participou da marcha e se pronunciou a favor das manifestações brasileiras por melhoras na educação. Para ela, "o investimento na educação garante um futuro melhor para toda a nação."

Eles vão exigir a votação da reestruturação das carreiras da educação e do direito de negociar a data-base - período do ano em que patrões e empregados se reúnem para revalidar contratos de trabalho - instituída pela convenção 151 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). À noite, os servidores da educação vão se reunir numa vigília pela educação na Praça dos Três Poderes, a partir das 18h. O objetivo é que o encontro dure até as 2h da manhã.

Compromisso

Na última quinta-feira (30/8), durante a 39ª reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), a presidente Dilma Rousseff apoiou a destinação de 10% do PIB para a educação. Ela falou ainda sobre duas fontes de recursos para o ensino: royalties do petróleo gerados a partir de novos contratos e 50% do fundo social do pré-sal. Foi a primeira vez que Dilma assumiu publicamente o compromisso, firmado com a União Nacional dos Estudantes (UNE).


Programação da Vigília pela Educação, a partir das 19h, na Praça dos Três Poderes:

Pipocando poesia
com Maunela Castelo Branco
Observação do céu
Clube de Astronomia de Brasília

Espaço Lucio Costa
Palestra: "Educação Patrimonial & Arte Educação"
Programa Educativo "Trilha dos Azulejos" - Tríade 19h30
Show - George Durand - 20h15
Mala do Livro - Biblioteca Itinerante

Museu da Cidade
Filme: "A invenção de Brasília"
Documentário dirigido por Renato Barbieri.
Sessões às 19h, 20h e 21h

Panteão da Pátria
Espetáculo de dança "Rota Brasil e Contemporâneos"
Direção de Noara Beltrami Brinck e coreografia de Rafael Pulga - 21h

Palco Oscar Niemeyer (a partir das 19h)
Apresentações musicais já confirmadas:
- Coro sinprônico sob regência do maestro Tonicesa Badu
- Maria Vai Casoutras

Brazilian Blues Band
- Humberto Cavalcante & convidados
- Jairo Mendonça
Tags:

publicidade

publicidade