SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

USP

Comissão da Verdade pede reparação pública sobre demissão de professora

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/10/2012 16:51 / atualizado em 18/10/2012 16:52

Agência Brasília

A Comissão Nacional da Verdade e a Comissão da Verdade de São Paulo encaminharam ofício ao Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP) pedindo reparação pública da demissão da professora Ana Rosa Kucinski. No documento, as duas comissões afirmam que o cancelamento da rescisão contratual, feito em ato formal pela reitoria da universidade, não é suficiente para consagrar uma “versão da história condizente com os fatos e com a dignidade da jovem professora, que lutou precipuamente por  uma sociedade mais justa e uma universidade mais democrática”.

A professora foi desligada da universidade em 1975 por abandono de emprego, conforme relata o ofício. No entanto, Ana Rosa é considerada desaparecida política, de acordo com lista instituída pela Lei 9.140, de 1995. As comissões pedem que o Instituto de Química reveja publicamente essa decisão, reparando simbolicamente a família da professora. Segundo o documento, a decisão de reverter a demissão foi tomada em 18 de julho de 1995 e publicada no Diário Oficial do Estado no dia 27 do mesmo mês.

“No auge da ditadura, a professora foi demitida pela maioria absoluta dos votos no Departamento de Química. Foram 13 votos a favor e duas abstenções. Estamos buscando reverter essa medida absurda”, disse o deputado estadual Adriano Diogo (PT), que preside a Comissão da Verdade de São Paulo. Esta é a primeira ação conjunta das duas comissões depois de firmado o acordo de cooperação entre as instituições, que também foi formalizado ontem (18).

Ana Rosa Kucinski, nascida em 1942, foi vista pela última vez no dia 22 de abril de 1974 nas proximidades da Praça da República, em São Paulo. Desde então, a professora, que era militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), está desaparecida. “Tendo conhecimento das violências praticadas pelo regime ditatorial, então vigente, a família desenvolveu uma busca incessante junto aos órgãos repressivos e governamentais. Contudo, o Estado brasileiro sempre negou qualquer responsabilidade pelo desaparecimento”, destaca o documento das comissões.

Procurada pela Agência Brasil, a assessoria de imprensa da USP reforçou que a demissão da professora Ana Rosa Kucinski foi revertida em 1995, na gestão do reitor Jacques Marcovitch, quando a docente foi considerada desaparecida política.

No entanto, o jornalista Bernardo Kucinski, irmão da professora, disse à Agência Brasil que a família, até o momento, não foi informada pela reitoria da universidade da reversão da demissão. “A família não recebeu nenhuma comunicação informando em que edição do Diário Oficial saiu o decreto anulando [a demissão]. É um decreto do governador a pedido do reitor. [Para reverter], deveria ser um documento legal da mesma natureza. A minha informação é que não houve esse decreto.”

Depois de ouvir o irmão de Ana Rosa, a Agência Brasil voltou a procurar assessoria da universidade para saber a posição da USP sobre as declarações dele, mas, até a publicação desta matéria, não houve retorno para a ligação.

 

 

Tags:

publicidade

publicidade