publicidade

Professora ajuda alunos a trocar guloseimas por dieta saudável

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/04/2013 15:20

Ao montar uma pirâmide alimentar, estudantes da escola de Tocantins aprendem o que é alimentação saudável, capaz de contribuir para o crescimento e o bem-estar (foto: arquivo da EE de Combinado)Inconformada ao observar que as crianças trocavam, no dia a dia, o lanche equilibrado da escola por salgadinhos e doces, a professora teve a certeza de que era hora de agir. Assim, elaborou projeto pedagógico para conscientizar os alunos do quarto ano da Escola Estadual de Combinado, município de 5 mil habitantes, em Tocantins, sobre a importância da alimentação correta para uma vida saudável. “Os alunos tinham dificuldades para se alimentar bem. Gostavam de frituras, balinhas, pirulitos, chicletes e doces o tempo todo”, diz a professora Anelice Marques de Souza. “Então, iniciei projeto sobre alimentação saudável, colorida e balanceada para contribuir com o crescimento e bem-estar deles.” O primeiro passo, teórico, baseou-se no conteúdo dos livros didáticos. As crianças foram em seguida apresentadas à pirâmide alimentar. Com a turma dividida em grupos, cada aluno teve a tarefa de levar gravuras para a construção de uma pirâmide. Na base, os alimentos que fornecem energia para o corpo (cereais, pães, raízes); no alto, os mais calóricos e que devem, portanto, ser consumidos em menor quantidade, como gorduras e açúcares. “Eles aprenderam sobre a quantidade de cada tipo de alimento que deve ser ingerida diariamente”, explica Anelice. Para estimular a descoberta de sabores, a professora investiu em piquenique com a criançada. Sobre a toalha estendida no pátio da escola, frutas, sucos naturais, água e biscoitos com cereais. “Estou feliz com o resultado”, revela a professora. “Os pais enviaram bilhetes contando sobre a mudança na alimentação dos alunos: aquele que não tomava leite passou a gostar; tinha aluno que não comia banana, outro que não gostava de laranja.” Segundo a professora, o projeto foi um sucesso e reduziu em 80% o consumo das guloseimas. “As crianças rejeitavam a merenda escolar, que tem cardápio preparado com o apoio de nutricionistas, para comprar doces, refrigerantes e salgadinhos na vendinha”, conta. Transformação — Os alunos aprenderam também sobre as doenças causadas pela má alimentação. “Falei da anemia, da obesidade infantil, da pressão alta porque as pessoas consomem muito sal”, enumera Anelice. O trabalho de conscientização teve resultado também nas casas dos estudantes. “A gente sempre trabalha buscando a transformação”, afirma a professora. O projeto tornou-se um complemento da horta escolar. As hortaliças e os legumes plantados e aproveitados na merenda deixaram de ser rejeitados. “Fiquei satisfeita e realizada quando a mãe de uma aluna revelou, durante reunião, que o projeto causara mudança na alimentação da filha”, destaca Anelice. “Com o estudo, a criança percebeu a importância dos nutrientes do feijão, que antes não consumia, no funcionamento do organismo, e passou a diversificar o prato.” A professora recebeu em 2012 o Prêmio Professores do Brasil, do Ministério da Educação, que na sexta edição selecionou os 40 melhores projetos pedagógicos de escolas públicas. Anelice pretende continuar com o projeto neste ano letivo. (Rovênia Amorim) Saiba mais no Jornal do Professor
Tags:

publicidade

publicidade