publicidade

Diz professor norte-americano

Futuros líderes devem saber de exatas e humanas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/09/2014 12:00

Agência Brasil

A educação precisa se reinventar se quiser preparar os jovens para o mundo em que vivemos, disse o professor emérito do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, Woodie Flowers.  "A educação liberal do século 21 tem que ser muito diferente da educação de 1800, 1900. O mundo está acelerando e se você não aprender algo novo todos os dias, não vai conseguir acompanhar", acrescentou, Para Flowers, "os Estados Unidos têm que mudar drasticamente e, pelo que vi aqui [durante a Olimpíada do Conhecimento, que ocorre em Belo Horizonte], acredito que o Brasil também tem que mudar drasticamente".

Nesse processo, as tão temidas disciplinas de exatas não podem ficar de fora, pelo contrário, são necessárias para uma boa formação e devem ser bem aprendidas. "As pessoas que querem ser bem-sucedidas, que querem ser líderes, têm que ficar com um pé nas exatas e um pé nas humanidades, têm que ter uma visão balanceada. Não podem estar em uma sociedade high-tech [de alta tecnologia], cercadas de seres humanos com necessidades complexas sem ter conhecimento de ambas".

 

Flowers lecionou engenharia mecânica no MIT e foi o responsável pela popularização das competições de robótica no instituto, ainda na década de 1970. É dele o conceito de gracious professionalism - competição amigável - que, em palavras simples, é uma forma de trabalho que encoraja a qualidade e enfatiza o valor da equipe. A conduta foi a que guiou o Festival Internacional de Robótica First Lego League (FFL), que ocorreu simultaneamente à Olimpíada do Conhecimento, na capital mineira.
Quando fala em mudança, o professor não se refere tanto aos conteúdos que são ensinados, mas à forma como são ensinados. "Treinar e educar são coisas diferentes. Eu acredito que eles se sobrepõem, mas que são diferentes. Aprender cálculo é treino. Aprender a pensar usando cálculo é educação. Aprender uma língua é treino. Aprender a comunicar requer educação". Com um smartphone na mão, ele comenta: "Essa revolução surgiu em um tempo extremamente curto. É incrível o tanto que mudou nos últimos dez anos. E isso vai demandar mudanças na forma como a educação é feita". Para ele, a educação deve estimular a criatividade, o senso de comunidade e abrir portas para o conhecimento.

"Cálculo é considerado uma disciplina complicada, mas não é. As pessoas pensam nela como algo que não podem fazer. Muitas coisas nessa vida são acessíveis, mas ensinamos de maneira errada", diz. "Alguém precisa abrir a porta e uma vez que as portas estejam abertas, as crianças despontam".

Flowers participou da FFL, que terminou ontem (4). Da primeira visita ao Brasil, ele levará uma camiseta cheia de assinaturas e recados dos estudantes e das pessoas que conheceu. Um hábito que desenvolveu ao longo da carreira para fugir das malas cheias de presentes dos competidores.

A FFL integrou a programação da Olimpíada do Conhecimento, a maior de educação profissional das Américas, realizada de dois em dois anos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). O evento está na oitava edição e ocorre em Belo Horizonte até amanhã (6). Participam mais de 700 jovens.

 

Tags:

publicidade

publicidade