SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Docentes das universidades federais em greve fazem manifestação nesta terça

Professores estão reunidos em frente ao Ministério da Educação durante encontro do sindicato da categoria com representantes do MEC

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/06/2015 14:15 / atualizado em 23/06/2015 15:56

Tatyane Mendes/Esp. CB

Docentes de universidades federais estão reunidos em frente ao Ministério da Educação (MEC) na tarde desta terça-feira (23). Os professores fazem vigília durante reunião entre representantes do Sindicato Nacional dos Docentes de Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) e da Secretaria de Educação Superior (Sesu) do Ministério da Educação (MEC).

“Esse é um momento em que o ajuste fiscal retira recursos da universidade e coincide com a nossa campanha salarial. O governo tem adiado respostas à nossa pauta e realizado cortes na educação. O pagamento de terceirizadas, a assistência estudantil e diversos programas estão sofrendo com cortes”, afirmou Paulo Rizzo, diretor da Andes.

Os manifestantes começaram a se reunir no local às 13h30, com cartazes e caixas de som para apresentar uma música sobre a situação das universidades públicas. A canção, chamada Xote da greve, tem trechos como “Não posso mais comprar, o dinheiro já não dá / A pátria está morrendo, não dá para educar / Por isso a greve é forte, e devemos lutar / Para que o governo queira negociar”. Alguns vigilantes do ministério tentaram retirar os manifestantes do local no início do ato.

De acordo com levantamento do Andes-SN divulgado no último sábado (20), professores de 35 instituições públicas de ensino superior deflagraram greve. Os docentes reivindicam reestruturação da carreira, reajuste salarial e fim dos cortes na educação pública nacional. Segundo Carlos Magno, coordenador geral do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), a cateogoria estuda iniciar paralisação no próximo mês. O orgão fará reunião no próximo fim de semana para decidir sobre a adesão ao movimento. Entre os servidores técnico-administrativos das federais, a greve já chega a 65 instituições, de acordo com a Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra).

Indignação
A professora aposentada da Universidade de Brasília (UnB) Maria Auxiliadora César, 69 anos, foi à manifestação para reivindicar melhores condições para docentes na aposentadoria. "Sempre conseguimos algo com greve. Está chegando um momento em que a luta aponta para isso. Vou para a luta porque penso no geral, na educação. Tenho filhos que ganham mais do que eu em cargos de nível médio. Nosso salário é muito defasado", disse.

publicidade

publicidade